29 de mar de 2011

Comunidade Quilombola pede menos, Incra estabelece mais

Pontal da Ilha de Santa Luzia renuncia área estabelecida pelo Incra


Estabelecidos no local que mais tarde seria chamado de Ilha do Rato em 1984, a comunidade quilombola “Pontal da Ilha de Santa Luzia” tem estabelecido uma luta pela terra que outrora pertencia ao senhor Valdemir dos Santos (atualmente em poder do senhor José Alves Júnior/Construtora Imperial).

O pleito deles, segundo documento enviado ao superintendente do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), senhor Jorge Tadeu, vai até os limites onde esteve a cerca que limitava o terreno até a chamada “baixada”, próximo ao local onde está situado o extinto povoado Porto Grande.

Em nenhum momento a comunidade pleiteou as terras que pertencem atualmente aos senhores Kide, Edésio, Selma e Elze Bispo. Ocorre que, mostrando-se total desconhecimento a ocupação naquela região, além das questões antropológicas que envolvem o local, o órgão estabelece toda a área para que seja indenizada e distribuída aos quilombolas.

Segundo Edésio Góis Feitosa, um dos que terá suas terras adquiridas por herança e através de compra, “a comunidade quilombola vive da pesca e não reivindica área para atividade agrícola, logo, não se justificando a ampliação da área pleiteada”, questiona ela que mantém uma estreita relação de convivência com os moradores do Pontal da Ilha.

Sobre o caráter da definição daquela comunidade como remanescente quilombola, vem sendo questionada, pois até o início dos anos 80 não havia nenhuma residências naquele local, sendo o senhor “Mané Piroca” o primeiro a se estabelecer ali onde antes haviam apenas ocupantes como José Lauro Ferreira e João Oliveira, ambos como o primeiro, falecidos.

Por Claudomir Tavares [via celular]

DENÚNCIA: Restos de construções depositadas as margens do Velho Chico em Propriá

Ação já foi comunicada ao secretário de meio ambiente de Propriá, mas este “nem xite”
Esgotou-se ontem o prazo dado pela nossa consciência para que o secretário de Cultura e Meio Ambiente, professor Martinho José, retornasse uma informação a respeito de uma denúncia que chegou a redação da Tribuna da Praia através de telefonema devidamente identificada.
Segunda-feira passada, 21, recebemos uma informação passada pelo senhor Charles Souza, sub-secretário de Turismo de Propriá, denunciando que naquele momento (15h10min) em frente ao Bar do Jacaré, na prainha de Propriá, um carroceiro depositava restos de material de construção as margens do Rio São Francisco.
Questionado porque denunciava a imprensa ao invés de comunicar a secretaria municipal de Meio Ambiente, Charles afirmou que já tomou esta atitude há quinze dias e que ouviu do secretário Martinho que fotografasse e levasse como prova do flagrante. Charles respondeu que ligava do local e que se o secretário quisesse ele mesmo o fazia.
De imediato, tentamos um contato via celular com o professor Martinho, mas não obtivemos êxito. Assim, despachamos uma mensagem via celular, alertando do caso, informando ainda que precisaríamos ouvi-lo para saber de sua versão em matéria que levaríamos ao ar no dia seguinte.
Tentemos localizar o secretário no Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa, onde o mesmo ministra aulas de Sociologia, mas a informação que obtivemos é que, apesar das aulas terem iniciado em 14 de fevereiro, este ainda não havia comparecido a instituição, logo imaginamos que o mesmo poderia estar submetido a alguma licença para tratamento de saúde.
De nossa parte este espaço continua franqueado a Martinho, até porque precisamos saber se existe alguma ação no sentido de coibir a lavagem de veículos as margens do Velho Chico, entre as ruínas do Mangaba e do Beira Rio, flagrantes diários que a prefeitura tem conhecimento e tem prevaricado no seu dever constitucional de defender o meio ambiente.
A denúncia feita pelo Charles Souza mostra o quanto a sociedade propriaense está indignada com a omissão de alguns órgãos da administração municipal. Vindo e um integrante da equipe do prefeito Paulo Britto (PT), é mais grave e dá provas inequívocas de que o gestor precisa policiar e policiar-se mais para que não fuja de suas responsabilidades que lhes são atribuídas.
Por Claudomir Tavares [via celular]

28 de mar de 2011

Usos e abusos da Via Norte – Parte II

Cooperativa ignora poder público e continua estacionando veículos em local inapropriado

A cooperativa Via Norte, que opera o serviço de transportes de passageiros de Pirambu para Aracaju, via Barra dos Coqueiros, estendendo-se este serviço aos povoados (Maribondo, Baixa Grande e Lagoa Redonda), tem sido objeto de constantes denúncias em função da questionada qualidade dos seus serviços prestados em alguns veículos.

O mais grave, se já não bastasse, é o fato desta não ter cumprido as determinações do poder público, nas três esferas (Executivo, Legislativo e Judiciário). Uma delas estabelece que, ao chegar em Pirambu, vindo de Aracaju, os veículos devem dar uma volta na cidade, deixando os passageiros em locais previamente definidos em lei.

Uma outra questão levantada em Audiências Públicas realizada quando ainda era promotor de justiça o Dr. Nilzir Soares Vieira Júnior, em função do estacionamento indevido dos veículos no entorno do Terminal Rodoviário Jorge Almeida Lopes, quando estes deveriam se posicionar em duas plataformas de embarques e desembarques existentes naquele local.

Além disso, os veículos quando não estiverem embarcando passageiros, deveriam deixar de postar-se em via pública, possibilitando a fluidez do trânsito, de forma a não provocar embaraços de pedestres e veículos que transitam nas suas imediações. É assim que eles se comportam em Pirambu, quando em Aracaju só estacionam no local no horário de embarque e desembarque.

Fica aqui uma alerta a administração municipal, para que institua a curto prazo o Departamento de Trânsito conforme Termo de Audiência realizado recentemente na Sala da Promotoria da Comarca de Japaratuba, quando compareceram estes atores sociais envolvidos com a questão do transportes de passageiros em Pirambu.

Por Claudomir Tavares [via celular]

Professor Bera será o novo diretor do Polivalente

Ele tem seu nome aprovado em pesquisa realizada por esse portal

Sem diretor desde o mês de dezembro de 2010, o Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa (Polivalente), quando encerrou-se o ciclo da professora Aldemir Silvestre Gomes, a maior escola pública do baixo São Francisco tem funcionado neste início do ano letivo sem a figura de seu comandante. Este impasse será resolvido até a próxima quarta-feira, quando tomará posse o novo diretor da instituição, o professor Robério da Silva, o Bera, professor de Química da instituição.

A indicação de Bera, ainda que vista com certo ceticismo por alguns professores, foi bem avaliada por vários segmentos da instituição e da sociedade. “Defendo que o Poli seja dirigido por um professor do quadro da instituição, e o professor Bera tem legitimidade para dirigi-lo, pela necessidade de enquadrar algumas situações que temos vivenciado na escola ao longo dos últimos anos”, avalia o professor Claudomir Tavares, da disciplina História da Educação.

A Tribuna da Praia ouviu ainda a opinião de estudantes e de pais de alunos. “Tanto faz Bera como qualquer outro professor, o que não dá é para a escola ficar sem comando, como acontecia até o ano passado, quando a diretora mal vinha na escola”, pondera a estudante Maria das Graças (que pediu para ser assim identificada com medo de possíveis represálias). O senhor Antônio dos Santos, que se disse pai de aluno ali matriculado disse que “a escola precisa de pessoas com os punhos de aço como Bera”, comemorou.

DENÚNCIA: Despejos provocam mortes de peixes no Rio Japaratuba (de novo)


Apesar de insistentes apelos, órgãos públicos permanecem omissos diante do problema
A presença de industrias de canas e destilarias, bem como aquelas ligadas a exploração da atividade petrolífera tem provocados constantes derramamentos de seus dejetos no Rio Japaratuba. Apesar dos constantes apelos, de denúncias da sociedade civil, ecoadas neste portal, temos assistido a omissão de órgãos ambientais como a ADEMA, SEMAR/SE e IBAMA/SE, ao não tomar uma atitude no sentido de coibir esta atitude criminosa que tem se repetido periodicamente.
A última vez que isso aconteceu de forma agressiva foi no mês de janeiro e o número de peixes mortos pode ter chegado aos 100 milhões de exemplares. Quem se arriscar a passar agora no Rio Japaratuba nos municípios de Pirambu, Barra dos Coqueiros, Santo Amaro das Brotas, vai se deparar com um espetáculo que causa no mínimo indignação. São quilômetros de margens do rio com peixes amontoados, além daqueles que agonizam tentando respirar, uma vez que a água, em função da contaminação, perde sua capacidade de oxigenação.
Fica de nossa parte registrada a denúncia, que nos fez chegar através de um telefonema do senhor Miuel Porto Pires (Dimas), presidente da Colônia de Pescadores de Pirambu e Região. O membro do Comitê da Bacia do Rio Japaratuba, Ronnie Ferreira, comunicou de imediato a presidente do Parlamento das Águas, Rosa Cecília, que colocou este portal no circuito. Resta agora uma atitude de apuração e punitiva destes órgãos.

Por Claudomir Tavares [via celular]

26 de mar de 2011

Nasce o PCB em Japaratuba

Reunião marcou lançamento do Partidão na mais importante cidade do Vale

Uma reunião histórica aconteceu na tarde de ontem, 25, na cidade de Japaratuba, marcando o lançamento oficial do Partido Comunista Brasileiro naquela cidade. Os comunistas de Japaratuba escolheram aquela data por marca as celebrações pelos 89 anos de fundação do Partidão e consolida-se um processo iniciado em 18 de setembro de 2010, quando reuniram-se com o então candidato ao governo de Sergipe, Leonardo Dias e continuado em 19 de fevereiro de 2011, quando reuniram-se como Núcleo de Base que definiu os pilares da reunião que marcaria o lançamento.

O Comitê Regional esteve representado por Claudomir Tavares (secretário Político do vizinho município de Pirambu), que representou na reunião Leonardo Dias, impossibilitado de comparecer ao ato por estar a frente das atividades pelas comemorações do aniversário do partido na capital. Claudomir falou sobre o momento histórico que vivia o PCB no Brasil e em especial naquela cidade que recebeu o partido naquela data.

O ato encerrou-se com a definição da primeira direção municipal do partido, que terá como Secretário Político o sanitarista Gilberto dos Santos, Secretário de Organização o estudante Rosevaldo Pereira e Secretário de Finanças o também estudante Genilton Araújo. Caberá a eles a tarefa de dirigir o PCB em Japaratuba pelo próximo período até a realização do I Congresso Municipal.

21 de mar de 2011

São José sediou reunião em defesa do Rio Japaratuba

Ambientalistas, lideranças sociais e pescadores defenderam bandeira em defesa do maior patrimônio natural da região

O povoado São José, distante 10 km da sede do município de Japaratuba, sediou na manhã de ontem uma importante reunião em defesa do rio Japaratuba, maior patrimônio natural de 20 municípios do Vale que leva o nome do rio. A reunião, convocada pelo ambientalista Ricardo Almeida, membro do Comitê da Bacia do Rio Japaratuba, contou com o apoio na mobilização da Ong SOS Rio Japaratuba e deste portal e aconteceu no Centro Social Urbano (CSU) Affonso de Oliveira Souza.
Tendo como tema “O Rio Japaratuba pede socorro – a estrada da Matinha pede passagem”, a reunião contou com as presenças de dezenas de pescadores de São José (Japaratuba), de Bebedouro e Aguilhadas (Pirambu), dos vereadores Juarez Alves, presidente da Câmara de Pirambu, de Edgar de São José (PR) e Rui Brandão (DEM), de Japaratuba, do ex-prefeito Pe Gerard Olivier (Japaratuba), dos membros do Comitê do Rio Japaratuba: Rosa Cecília (presidente), Claudomir Tavares (ex-presidente), Ricardo Almeida (representante da Colônia de Pescadores Z-5) e Silvestre Ferreira (representante da Associação dos Moradores do Povoado Porteiras), do ex-presidente do Conselho de Desenvolvimento de Pirambu (Condepi), Etiene Poncin, o Estevo, do engenheiro agrônomo João Carmelo Almeida Cruz, do ex-presidente da SOS Rio Japaratuba, João Batista Almeida, de membros do MST e populares.

Depois de ouvidas as argumentações dos presentes e de apresentadas às propostas, cujo maior conflito ambiental no rio, o aterro do Rio das Pedras/Rio Velho (leito natural do Rio Japaratuba) e do fechamento da estrada real da Matinha, foi aprovada a realização de uma nova reunião, desta vez em frente a fazenda do senhor Carlos Barreto Barbosa, em data e horário a ser definido e fartamente divulgada para que desta vez participem pescadores de Maribondo (Pirambu), Flecheiras (Santo Amaro das Brotas) e Aguada (Carmópolis).
Fatos novos foram apontados, como novos aterros no rio e documento do ICM-Bio/Projeto Tamar que ainda esta semana será entregue ao presidente da Câmara de Vereadores de Pirambu, Juarez Alves (PMDB) que socializará entre as lideranças do encontro. O Parlamento de Pirambu está totalmente imbuído da causa do rio, inclusive tendo o vereador José Luiz de Andrade (DEM), como representante das 20 casas legislativas no Comitê do Rio Japaratuba.

19 de mar de 2011

Amorim fará palestra sobre “Ditadura Militar”

Historiador de Propriá reapresentará monografia de conclusão do curso de História para estudantes do Colégio Estadual “Joana de Freitas Barbosa”
O dia 31 de março marca os 47 anos do Golpe Militar no Brasil, página de triste memória que, pelos danos irreparáveis provocados a democracia, as liberdades individuais e coletivas, deve ser lembrada para que nunca mais se repita. Partindo deste princípio, o Colégio Estadual “Joana de Freitas Barbosa”, da idade de Propriá estará promovendo dentro das ações pedagógicas das disciplinas História e Cultura Sergipana uma palestra com o professor e historiador José Alberto Amorim, cujo tema será “A Ditadura Milita no Brasil e seus reflexos na sociedade propriaense”.
O Ciclo de Palestras acontecerá em quatro momentos, dentro de um cronograma estabelecido pelo professor Claudomir Tavares da Silva em comunhão com Amorim, que ministra estas disciplinas em turmas do 3º Seriado e Pé-Universitário que também funciona na instituição. A proposta foi combinada na tarde de ontem, 17 e comunicada imediatamente ao coordenador pedagógico e historiador José Jussiêr Ferreira.
A primeira palestra será feita na tarde de quinta-feira, 24, no horário da tarde, a partir das 14h40 (3º Seriados B e C), enquanto a segunda na noite desta data, a partir das 20h15 (3º seriados D, E e F). Em outro momento ela acontece na sexta-feira, 25, a partir das 09h00 (3º Seriado A). De acordo com Claudomir Tavares a palestra será estendida para alunos do Pré-Universitário, na noite de março, quando encerra-se o Ciclo de Palestras sobre “A Ditadura Militar no Brasil e seus reflexos na sociedade propriaense”.
Inventário Cultural – Em 2004 o Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa promoveu, através das disciplinas Sociedade & Cultura (8ª Séries) e Cultura Sergipana (3º Seriado) o Projeto Pedagógico “Inventário Cultural de Propriá: Re-Conhecendo a nossa Memória e História” tinha como objetivo “Promover um levantamento dos aspectos históricos, políticos, culturais e sociais da cidade de Propriá, a partir de um estudo inicial sobre fontes primárias e secundárias” e constituía-se em parte integrante do Programa de Educação Patrimonial que a escola começava a formatar e que ganhou dimensões a partir de 2005.
Iniciação Científica – Para este ano está previsto a realização do Seminário de Iniciação Científica que terá como público alvo os estudantes dos 3º Seriados e apresentações de trabalhos de conclusões de cursos de graduação e pós-graduação por estudantes das instituições de ensino superior sediadas nesta cidade. O evento de iniciação científica nesta primeira fase terá um cunho de “fora para dentro e a partir daí incentivar, estimular os estudantes da escola a elaborar seus próprios trabalhos”, informou Claudomir.
Excursão a Xingó – Ainda em 2010 os estudantes destas turmas embarcarão em uma viagem fantástica em busca da pré-história sergipana. “É o projeto Xingó, que consiste em excursão pedagógica de estudo dos elementos culturais e científicos daquela região incrustada entre os estados de Sergipe, Alagoas, Bahia e Pernambuco”, acrescenta.
Educação em Propriá – Já os estudantes do Curso Normal, na disciplina História da Educação terão o desafio de fazer um levantamento histórico das principais de ensino de Propriá, como componente curricular da quarta unidade didática. “O resultado do levantamento será apresentado em Seminário de Enceramento do Curso em novembro de 2011”, conclui Claudomir.
Fonte: TRIBUNA DA PRAIA.net

18 de mar de 2011

Sessões da Câmara de Pirambu são entediantes

Vereadores não apresentam projetos, indicações, requerimentos e outras proposituras inerentes as suas prerrogativas regimentais

A sociedade pirambuense (e brasileira como um todo) sabe que a atividade dos parlamentares não resumem-se apenas a sua participação e intervenção em plenário, mas é lá que constitui-se no espaço privilegiado de ação parlamentar, onde são apresentadas e votadas proposituras importantes e imprescindíveis (algumas nem tanto), como projetos, requerimentos, indicações, moções e outros documentos inerentes as prerrogativas dos parlamentares. Este seria um de “dever de casa” de um parlamentar com uma razoável compreensão de seu papel.

Aqui em Pirambu, os vereadores não tem seguido esta regra, e nas primeiras sessões do ano (posição até a sessão de 10 de março) não haviam apresentado e discutido qualquer destes instrumentos. E com um agravante: tem vereadores que se quer participam regularmente das sessões que em geral duram menos de meia hora. Resultado: somadas as oito sessões do mês, os vereadores de nosso município trabalham apenas quatro horas mensais, daquelas 14 previstas.

Faça se justiça, alguns parlamentares tem pontuado sua intervenção qualificada nas chamadas “explicações pessoais” (termo correto é Grande Expediente), ou em ações da sociedade civil, como na defesa do Rio Japaratuba, ou levando ao plenário reivindicações das comunidades dos bairros e povoados. Mas que é preciso qualificar a intervenção, transformando-as em proposituras, pois são estas que ficarão nos anais e ganham força de resolução da instituição Câmara Municipal.

Assistir as sessões da Câmara de Pirambu torna-se uma tarefa sonolenta e os que ainda instem o fazem para servir mais como testemunha do que como alguém que sente-se estimulado ou representado pelo que lá é (ou não) discutido. É comum este ritual nas sessões da câmara: leitura de texto bíblico, leitura da ata, leitura do expediente (do Executivo: não tem, do Legislativo: não tem, de outros órgãos: as vezes aparece e explicações pessoais: um, dois ou três vereadores).

SOS Rio Japaratuba: A sociedade reage...

... contra a omissão em relação ao maior patrimônio natural do Vale do Japaratuba


O povoado São José, distante 10 km da sede do município de Japaratuba, na divisa com o vizinho Pirambu, sediará no próximo domingo, 20, uma reunião da sociedade civil para discutir questões e conflitos ambientais no Rio Japaratuba.

A reunião tem entre seus articuladores o ambientalista Ricardo Almeida, membro titular do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba e que tem levantado a bandeira em defesa do rio e contra os crimes ambientais que se cometem contra ele.

A reunião acontecerá na Associação Social Professora Elizabete, a partir das 10 horas, e contará com as presenças de atores sociais dos municípios de Japaratuba, Pirambu e outros da circunvizinhança.

A sociedade civil dá assim uma resposta a omissão, prevaricação e conivência passiva de parte do poder público. Participe, pois a omissão é o peso morto da história”, como descrevia Bertold Brecht.

Texto: Claudomir Tavares / Foto: Carmem Regina Parisotto Guimarães

Colégio Polivalente sem comando

Escola agoniza e problemas se acumulam, estando prestes a explodir.

Localizado na cidade de Propriá, distante 98 km da capital, Aracaju, o Colégio Estadual “Joana de Freitas Barbosa”, conhecido carinhosamente por Polivalente, o antigo Premem foi inaugurado em março de 1980 e constituiu-se a partir daquele momento na maior e mais representativa escola do Baixo São Francisco.

Ao longo dos seus 31 anos contribuiu sobremaneira e decisivamente para a elevação cultural e educacional da cidade de Propriá, onde está sediado, bem como dos municípios ribeirinhos de Sergipe (Telha, Cedro de São João, São Francisco e Neópolis) e de Alagoas (Porto Real do Colégio e São Brás).

Com um quadro de professores qualificados, todos eles habilitados em suas respectivas disciplinas e com especialização em áreas de atuação, conta com uma razoável estrutura de salas de aulas, laboratórios, auditório, espaço abertos e fechados, mas já há algum tempo carente de manutenção, em função do desgaste natural em função da sua utilização.

Sem direção desde o mês de dezembro de 2010, quando encerrou-se o ciclo da professora Aldemir Silvestre Gomes, a escola está literalmente sem comando, cabendo aos seus coordenadores (Vera, Norma e Jussiêr) e secretária (Fatinha) a árdua tarefa de conduzi a instituição nos três turnos, sem saber o dia e a hora em que assumirá um novo diretor.

A professora Maria de Fátima Danas (Fatinha), secretária da instituição e que neste período tem se esmerado no sentido de dar conta das tarefas que lhes são imputadas, com o aumento da carga de responsabilidade que ela divide com os colegas de gestão nesta fase em que a escola encontra-se acéfala. “Aguardamos uma nova diretora na próxima semana”, prevê.

Faltam professores em vaias disciplinas, estando os estudantes sem as aulas decorrido mais de um mês de aula, considerando que estas tiveram início em 14 de fevereiro. Outros professores, se quer iniciaram o ano letivo, devendo os mesmos se justificar perante a instituição a Diretoria Regional de Educação (DRE’ 06).

Uma quadra inaugurada em setembro de 2010, em plena campanha eleitoral pelo então vice-governador Belivaldo Chagas (PSB) encontra-se em estado avançado de abandono, uma vez que funciona no espaço do Colégio, mas que destina-se ao uso da sociedade, ocorre que a esta falta uma ação no sentido de gerenciamento do uso e proporcionar a segurança.

A segurança é um item em falta naquela escola de importância irretocável, ocorrendo situações que se proliferam, como furos, agressões a professores, ameaças, intimidações e outras anomalias que tem sido repetição de situações ocorridas só nos grandes centros sociais. Isso tem contribuído com a diminuição da matrícula, que esse ano registra sua menor ocorência.

É preciso a mobilização da sociedade no sentido de retirar a escola da agonia em que se encontra. Preocupado com a situação de desconforto, o Grêmio Estudantil José Tibúrcio da Silva está fazendo circular um abaixo- assinado reivindicando do poder público mais segurança naquela instituição.

Na Câmara Municipal já houve manifestações em socorro da escola que ainda é um orgulho do ensino público no baixo São Francisco. O vereador José Aelson Santos (PDT), líder do prefeito naquela casa está se mobilizando em, levantadas as demandas levá-las a secretaria de estado da Educação, “assim como fizemos com a questão da segurança”, disse Aelson.

Nesta semana o vereador se inteirou sobre a questão de outra escola, a Dom Antônio dos Santos Cabral, com as atividades paralisadas desde 2009, estando suas atividades pedagógica acontecendo momentaneamente no CAIC Josias Ferreira Nunes. “Foi aberto um processo licitatório e as obras serão retomada nos próximos dias”, informa Aelson.

“De hoje até o início da próxima semana estaremos nos empenhando em levantar toda as demandas e correr atrás das soluções, apresentando um balanço de nossa movimentação na Sessão da próxima terça-feira”, conclui o vereador que preside a Câmara Regional do Baixo São Francisco.

Começaram as aulas do Pré-Universitário em Propriá

Ontem foram iniciadas as aulas de História, ministradas pelo professor Claudomir Tavares
Com a antecipação das provas do concurso vestibular de dezembro para novembro de 2011 pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), o Curso Pré-Universitário da Secretária de Estado da Educação (Pré-SEED) nos vários pólos instalados no interior de Sergipe as aulas foram iniciadas mais cedo este ano. Em Propriá e nas demais cidades elas começaram na última segunda-feira, 14, mesma data em que se iniciou o Semestre 2011.1 da UFS.

Na noite de ontem aconteceram as aulas de História, ministradas pelo professor Claudomir Tavares da Silva e de Geografia, ministradas pelo professor Marcelo José Góis Ribeiro. “Ontem apresentamos o Projeto Pré-Universitário, o Curso de História da UFS, o Programa da Disciplina e iniciamos uma troca de experiência que foi na perspectiva de motivá-los para que estes alcancem o sucesso ao final do curso preparatório”, informou Claudomir Tavares.

I – Apresentação:
O Pré-Universitário, programa integrante do Departamento de Apoio ao Sistema Educacional - DASE, tem por objetivo promover a melhoria das condições de acesso ao ensino superior dos alunos do ensino médio da rede pública estadual de educação, bem como daqueles egressos das escolas públicas garantindo os conhecimentos necessários ao desenvolvimento de suas potencialidades.
Nesse sentido, é ofertado um curso preparatório para os vestibulares com 5.390 vagas distribuídas em 34 pólos localizados em 18 municípios do estado de Sergipe. Paralelo a esse curso, o Pré-Universitário coordena o Simuladão aplicado em todas as escolas de ensino médio da rede pública estadual, além de fomentar o desenvolvimento de ações voltadas para o aluno vestibulando nessas escolas. Desta forma, o Pré-Universitário tem se constituido em um Programa de Assistência ao Aluno Vestibulando.
II – O Curso de História na UFS:
 1. Objetivos:
O curso de graduação em História da UFS tem por objetivos:

• formar o licenciado em História apto a abordar cientificamente os temas históricos com a inventividade e o rigor metodológico necessários à investigação científica;

• proporcionar a superação da dicotomia teoria/conteúdo, ensino/pesquisa, professor/pesquisador, desenvolvendo uma nova mentalidade em relação ao estudo e ao ensino da História;

• formar um profissional capaz de exercer sua profissão tanto no magistério como em qualquer outro setor que exija a produção do conhecimento histórico.
2. Perfil do profissional:
O curso de Graduação em História deverá favorecer o desenvolvimento de habilidades que permitam a aquisição da competência técnica e científica capacitando o profissional a:

• produzir e transmitir o conhecimento histórico de modo a imprimir ao ensino da história um caráter dinâmico, crítico e participativo;

• refletir sobre as novas concepções do trabalho do historiador;

• exercer suas atividades no campo do magistério do ensino fundamental e médio e em outros setores onde se exija a produção do conhecimento histórico;

• superar as concepções tradicionais da História associadas unicamente à idéia de sistematização cronológica, linear e personalista, por uma concepção mais comprometida com problemas da atualidade.
III – Conteúdos do Pré-Universitário:
1ª Série
Aula Nº 01

1. Introdução à História: conceitos, funções, fontes. Relações da história com as demais ciências humanas. A questão do patrimônio cultural

2. A Hominização. A Revolução Neolítica. Pré-História americana, brasileira e sergipana

Aula Nº 02

3. As Civilizações do Oriente: egípcios, povos mesopotâmicos e hebreus

Aula Nº 03

4. As Civilizações Clássicas: Grécia e Roma

Aula Nº 04

5. O Império Bizantino. O Islã e os povos que o difundiram.

6. A Igreja na Idade Média

7. A Sociedade Feudal

Aula Nº 05

8. A Transição do Feudalismo para o Capitalismo

Aula Nº 06

9. O Renascimento e as Reformas Religiosas

10. Os estados nacionais, o mercantilismo e a expansão marítima européia

Aula Nº 07

11. A situação mundial nos séculos XV e XVI: África, Ásia e América

12. Conquista e colonização de Sergipe

13. Povos indígenas e africanos no Brasil Colonial

Aula Nº 08

14. O Estado Colonial Português

15. A Economia do Brasil Colonial

Aula Nº 09

16. O Brasil Holandês e o Papel de Sergipe

17. Cultura popular no Brasil Colonial
2ª Série:
Aula Nº 10

1. A Revolução Inglesa e o Parlamentarismo no século XVII

2. O Movimento Iluminista Europeu

Aula Nº 11

3. Movimento Nativista

4. A Revolução Industrial

5. O Pensamento Liberal

Aula Nº 12

6. A Revolução Francesa

7. A Era Napoleônica

Aula Nº 13

8. Movimentos Separatistas

9. A Insurreição Pernambucana de 1817

Aula Nº 14

10. Os Estados Unidos no Século XIX

11. 1948: Revoluções na Europa

Aula Nº 15

12. A crise do sistema colonial

13. O processo de independência política do Brasil

Aula Nº 16

14. A emancipação política de Sergipe

15. Primeiro Reinado

16. Regências

Aula Nº 17

17. A unificação Italiana e Alemã

Aula Nº 18

18. Segundo Império

19. Cultura e Sociedade em Sergipe

Aula Nº 19

20. Imperialismo e Neo-Colonialismo

Aula Nº 20

21. Crise do escravismo, movimento abolicionista

22. A crise do Império

23. A implantação da República

3ª Série:
Aula Nº 21

1. A Primeira Guerra Mundial e os seus reflexos no Brasil

2. A Revolução Russa

Aula Nº 22

3. A questão social na República Velha

4. A cultura na República Velha

5. O Movimento Tenentista no Brasil e em Sergipe

Aula Nº 23

6. A Crise do Capitalismo e o período entre-guerras

7. Os Regimes Totalitários europeus e latino-americanos

Aula Nº 24

8. A Segunda Guerra Mundial

9. “A Era de Vargas”. Sergipe sob o domínio dos interventores: 1930 a 1945

Aula Nº 25

10. Descolonização da Ásia e da África

11. A Redemocratização (1945-1965) e o desenvolvimentismo

Aula Nº 26

12. Os Governos Militares e a política econômica e social

13. Movimentos Sociais na América Latina

Aula Nº 27

14. Sergipe sob o regime militar

15. A Crise do Regime Militar: a abertura e o movimento sindical

Aula Nº 28

16. Movimentos sociais e culturais no Brasil nas décadas de 60 a 80

17. Sociedade e Cultura em Sergipe contemporâneo

Aula Nº 29

18. A Crise do Socialismo, as lutas interétnicas na Europa e no Oriente Médio

19. A Globalização e seus efeitos

Leia mais:

http://claudomirtavares.blogspot.com/2010/06/pre-universitarioseed.html

15 de mar de 2011

Tribuna da Praia está participando da "Hora do Planeta"

No próximo dia 26 de março, milhões de pessoas e milhares de cidades em todo o mundo vão apagar as luzes de suas casas, apartamentos, empresas e monumentos, durante uma hora. Algumas delas poderão imaginar que o gesto visa economizar energia. A maioria, no entanto, tem consciência de que o movimento mundial comandando pela Rede WWF representa uma preocupação contra as mudanças climáticas no planeta, em especial, o aquecimento global. "É importante destacar que se trata de um ato simbólico, uma ação de engajamento; uma forma de todos mostrarem que desejam um mundo melhor, mais saudável e ambientalmente mais aceitável. Com o apagar das luzes, o que se espera é que muitas consciências se iluminem e se abram para a causa", explicou a Regina Cavini, diretora geral da Hora do Planeta e superintendente organizacional do WWF-Brasil.
Durante entrevista que concedeu ao programa Eldorado Cidades, da Rádio Eldorado de São Paulo, no dia 3 deste mês, Regina ressaltou que pesquisas recentes já associam desastres ambientais como chuvas torrenciais, inundações e secas ao aquecimento global.
Regina Cavini também destacou que, a cada ano, cresce significativamente a percepção das pessoas em relação ao problema e o número de pessoas, companhias, instituições e prefeituras que apóiam a causa da Hora do Planeta. "No ano passado, 98 cidades - das quais 20 capitais de estado -, aderiram oficialmente ao movimento. Este ano, com o reforço da Frente Nacional de Prefeitos, o número deverá ser bem maior", calcula Regina. O planeta agradece!
Tribuna da Praia - Como parte comemorativa pelos sete anos do seu portal, a Tribuna da Praia aderiu na manhã de hoje a campanha "Hora do Planeta" e apagará pelo segundo ano consecutivo as luzes de sua redação e incentivará outras pessoas e instituições a fazê-lo no dia 26 de março de 2011. Segundo seu diretor, o ambientalista Claudomir Tavares, "vamos incentivar nossos leitores, vizinhos, colegas de trabalho, a sociedade que nos acompanha e nos dá a honra de sua frequencia neste portal", comprometeu-se.
O que é?
A Hora do Planeta é um ato simbólico, promovido no mundo todo pela Rede WWF, no qual governos, empresas e a população demonstram a sua preocupação com o aquecimento global, apagando as suas luzes durante sessenta minutos.
Quando?
Sábado, dia 26 de março, das 20h30 às 21h30. Apague as luzes para ver um mundo melhor. Hora do Planeta 2011.
Onde?
No mundo todo e na sua cidade, empresa, casa... Em 2010, mais de um bilhão de pessoas em 4616 cidades, em 128 países, apagaram as luzes durante a Hora do Planeta. Em 2011, a mobilização será ainda maior.
Acesse o Site da Hora do Planeta

Comparações são parâmetros em Japaratuba

Prefeita Lara Moura não cumpriu conforme anunciado em revista de campanha Quando candidata a prefeita em 2004 e 2008, a prefeita de Japaratuba Lara Moura (PR), apresentou ao eleitorado daquele município um farto material em que mostrava como era e como seriam algumas ruas, logradouros, praças, prédios e obras a serem executadas pela sua administração caso viesse a eleger-se, o que deu-se na segunda tentativa.
Cansados das inoperantes administrações do então prefeito Gerard Olivier (PT), cujos escândalos marcaram seus últimos períodos a frente daquela prefeitura, o eleitorado japaratubense impôs uma aposentadoria eleitoral não só a ele, mas que estendeu-se ao seu vice e ex-prefeito Hélio Sobral, candidato derrotado por Lara.
Passados dois anos da sua administração, a prefeita Lara Moura não conseguiu realizar o prometido, inverteu prioridades ao preterir do seu governo promessas, compromissos e aliados, fazendo opção pelo grupo que seu esposo, o deputado federal André Moura (PSC) administrou Pirambu (1997/2004).
Isso tem gerado insatisfações, principalmente por ser André Moura quem determina o perfil da administração, apesar do jeito atenuante e sempre simpático da prefeita Lara em tratar os aliados e a sociedade japaratubense. Isso tem sido, no momento, seus principais adversários, somados aos naturais, encastelados no PT e nos cargos em comissão do Governo de Sergipe.
Aliados da prefeita justificam a não realização do que fora anunciado no jornal de campanha a “herança maldita” dos petistas que a antecederam e que “o projeto da prefeita tem uma validade e um cronograma de implantação para os oito anos que se propõe sua administração e aqueles que não forem executados na primeira, serão concluídos na segunda”, diz um deles.
Enquanto isso, no ninho do grupo “Saquarema” há uma briga intestinal que pode favorecer o grupo “Luzia”, pois além do Padre Geraldo (PT), Hélio Sobral (PMDB) e Albertino Moura (PDT) tentam justificar que podem e devem ser o candidato do grupo. É possível que Hélio Sobral fique de fora, com a formação de uma chapa PT/PDT, com as bênçãos de Conceição Vieira.
A deputada estadual do PT, fortalecida com sua condição de 1ª Secretária da Assembléia Legislativa, não abre mão de comandar o processo de escolha da chapa majoritária e não aceitaria uma segunda derrota, quando em 2008 teve sua indicação ao cargo de vice-prefeita, Marisa Ramos, suplantada pela maioria dos petistas, que optaram por Luciano Acciole.
Os professores Luciano Acciole e Marisa Ramos são petistas históricos e que também estão de olho na vaga de vice, sendo que nenhum deles estaria disposto a abrir mão do partido. O primeiro por enxergar a viabilidade eleitoral do PT e a segunda por defender o projeto da deputada Conceição, logo, aceitando o que for determinado por esta.
Por Antônio Madeira [via celular]

12 de mar de 2011

PROPRIÁ: Xingó – Viagem a Pré-História Sergipana

Projeto faz parte do Programa de Educação Patrimonial da instituição e da proposta pedagógica da disciplina Cultura Sergipana no Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa, em Propriá
Estudantes das últimas séries o Ensino Médio do Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa (Polivalente), o maior e mais representativo do Baixo São Francisco, localizado na cidade ribeirinha de Propriá, distante 98 km da capital, Aracaju, embarcam no dia 30 de Novembro de 2011 para uma fantástica viagem com destino a região de Xingó. É o Projeto “Xingó: Viagem a Pré-História Sergipana”, promovida pelo professor Claudomir Tavares da Silva, da disciplina Cultura Sergipana, em parceria com as disciplinas afins: História e Geografia.
Á quarta excursão com este tema (Viagem a Pré-História Sergipana) e destino (Xingó), sendo as primeiras realizadas em 2004, 2006 e 2009, nas quais os frutos colhidos colocaram a instituição no roteiro do estudo da temática no Baixo São Francisco, integra o Programa de Educação Patrimonial, desenvolvido informalmente no interior da instituição desde 2003, sendo os resultados apresentados em eventos científicos nas cidades de Maceió (AL), São Cristóvão (SE) e João Pessoa (PB). Nos demais anos, 2005 e 2010, as excursões tiveram como destino as cidades históricas de Laranjeiras e São Cristóvão, respectivamente, devendo este ano o destino ter sido escolhido o Baixo São Francisco, mas repensado, pela necessidade de aprofundar o estudo do meio em que viveram os primeiros habitantes de Sergipe.
O tema se amplia, em função do leque de opções que integram o roteiro já conhecido dos estudantes de Propriá. Serão visitados o Sítio Arqueológico Talhado (Olhos D’Água do Casado (AL), o Mirante da Chesf, a Usina Hidrelétrica de Xingó e a cidade histórica de Piranhas (AL), concluindo o roteiro de viagem no Museu de Arqueologia de Xingó, em Canindé do São Francisco. A definição da data e investimento financeiro com tamanha brevidade, justifica-se pela necessidade dos estudantes se planejarem, agendar esse compromisso e efetuar um estudo preliminar sobre a região a ser estudada. Os estudantes sairão de Propriá às 02 horas impreterivelmente, retornando às 20 horas (desconsidere seis horas de viagem, três de ida e três de retorno).
“A primeira vez que visitamos Xingó foi em 1999, ainda como estudante do curso de História na Universidade Federal de Sergipe (UFS), como aluno da professora Verônica Nunes, na disciplina Pré-História. A partir daí, iniciamos naquele ano um ciclo de Excursões Pedagógicas em que levamos a Xingó estudantes do Colégio Estadual José Amaral Lemos (1999), de Pirambu, Escola Municipal Vereador João Prado (2002), do povoado São José, em Japaratuba, Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa (2004, 2006 e 2009), em Propriá” e Escola Municipal Mário Trindade Cruz (2005 e 2006), lembra o professor Claudomir.
Foram, portanto, sete viagens a Xingó em 11 anos, estando se encaminhando para a oitava, que este ano terá um atrativo adicional: o município de Canindé do São Francisco e região estão sendo o cenário de gravação da próxima novela das 18 horas da Rede Globo e contribuiu para isso o trabalho desenvolvido pela jornalista propriaense Sílvia Oliveira, a frente da Secretaria Municipal de Turismo. Silvinha, como é conhecida carinhosamente pelos amigos, recepcionará pessoalmente o grupo de estudantes de sua terra natal.
Em 2009, quando levou estudantes de Propriá a Xingó, o professor Claudomir Tavares concedeu entrevista a TV Piranhas (da prefeitura municipal de Piranhas) e ao vivo no Programa “Hora da Notícia”, apresentado pelo radialista Renner Alves, das 12 às 14 horas, na Rádio Xingó FM. “Falei sobre a importância do estudo da Pré-História Sergipana, da riqueza científica daquela região, que tem Piranhas como Patrimônio Nacional, e agradecemos ao apoio da prefeitura daquela cidade, na pessoa do secretário Renner Alves (Comunicação) e da prefeita Melina Freitas (PSDB), acrescentou o professor.
Re-Conhecendo Propriá – Outros projeto pedagógicos na área da Educação Patrimonial, “como o estudo da Arquitetura de alguns monumentos no sítio histórico de Propriá, que resultará em trabalhos escritos e seminários públicos a serem apresentados pelos estudantes de seis turmas da 3ª Série do Ensino Médio. “Nos anos anteriores os estudantes visitavam estes monumentos, localizados a Praça Dom Antônio dos Santos Cabral, Beco do Taboão, casario da Avenida Augusto Maynard, Centro Comercial, saindo da Catedral Diocesana de Propriá, encerrando em frente à Igreja de Nossa Senhora do Rosário”, lembra Claudomir. “Este ano, além da visita, iremos iniciar um processo de levantamento histórico de alguns destes monumentos”, conclui o educador.
Por Antônio Madeira [via celular]

11 de mar de 2011

PCB será instalado em Japaratuba

Está quase tudo pronto para o Lançamento do PCB na cidade de Japaratuba. O ato simbólico acontece no dia 25 de março de 2011, a partir das 14 horas (duas da tarde) no Plenário da Câmara de Vereadores.
O PCB será presidido pelo sanitarista Gilberto Santos (Secretário Político), tendo em sua composição o universitário Bado (Secretário de Organização) e o professor Glauber (Secretário de Finanças). Dezenas de militantes oficializarão seu ingresso no partido nesta data.
Em Japaratuba o PCB anuncia uma pré-aliança política e eleitoral com o PSOL que terá como pré-candidato a prefeito o professor, ativista política e combativo João Batista, o Jango. Ao PCB caberá a indicação do vice, que deverá ser o próprio Gilberto.
Por Claudomir Tavares [via celular]

7 de mar de 2011

História do Carnaval de Pirambu

A metamorfose de um dos melhores carnavais de Sergipe

Por Claudomir Tavares * [claudomir@tribunadapraia.net]


O carnaval de Pirambu foi marcado até metade da década de 80 do século XX pela espontaneidade dos turistas e seus moradores, que municiados de talco, maizena, farinha de trigo, água e misturas coloridas, nos remetiam aos entrudos que marcaram os primórdios do carnaval sergipano. A cidade veraneio e balneário do litoral era um refúgio de descanso daqueles que a procuravam nos meses de dezembro a fevereiro, temporada de férias escolares, ficando em suas casas de veraneio, em barracas armadas na área de camping ou praças da cidade. Neste período, era a bandinha do Bizu (Aracaju) que fazia a animação dos mais alegres em um palanque amado pela prefeitura de Pirambu.

Foi no governo Antônio Carlos Valadares (1987/1990) que teve início a efervescência do Carnaval de Pirambu, com a democratização da festa, antes restrita aos clubes da capital, Aracaju (Iate, Vasco, Cotinguiba, Atlética, etc) e Praça do Povo. De 1988, quando Segundo o saudoso Wilton Lopes (Programa Chamada Geral/TVs Sergipe e Atalaia) Pirambu passava a condição de melhor Carnaval de Sergipe, até o surgimento do Pré-Caju, em 1992, quando Pirambu (Litoral Norte) e Neópolis (Baixo São Francisco) polarizavam, sem concorrer diretamente entre si, dadas as peculiaridades (axé e arrastão na primeira e frevo desfile de Zé Pereira na segunda), até 2007, foi assim a evolução do nosso carnaval.

Houve tempo em que o Carnaval de Pirambu começava na quarta-feira que o antecedia e só terminava na quarta-feira de cinzas. Eram mais de 200 horas de shows e um público médi0 diário de 30 a 40 mil pessoas em uma cidade cuja população do município (aí incluindo os povoados) é de pouco mais de 8 mil. Mas este tempo já ficou para trás e a cidade passou a dividir o título de melhor Carnaval de Sergipe não apenas com Neópolis, no Baixo São Francisco, mas com os carnavais ascendentes de Atalaina Nova (Barra dos Coqueiros), Caueira (Itaporanga D’Ajuda) e Abaís (Estância), além de Aracaju, que a retomada do Rasgadinho de Seu Leopoldo revive seus grandes carnavais.

A cidade que até 2002 aglutinava um público que permanecia por aqui da sexta-feira à tarde ou sábado até à tarde da terça-feira ou manhã da quarta-feira de cinzas, que se hospedavam em casas alugadas, agora reunia um público flutuante, condição permitida com a inauguração da ponte da Amizade (sobre o Rio Japaratuba) que liga os municípios de Pirambu a Barra dos Coqueiros. Isso se acentuou a partir do Carnaval de 2007, quando cai consideravelmente o número de foliões da noite, em contraste com o público que frequentava a cidade pelo dia, nos tradicionais arrastões que reuniam por dia entre 20 a 30 mil pessoas, com picos naqueles puxados pelo “Rei do Carnaval” Cid Natureza. (Sobre sua ausência no Carnaval, o Conselheiro Reinaldo Moura disse que via isso “como uma grande injustiça contra um artista que chegou a reunir até 30 mil pessoas nos arrastões em Pirambu”). É que aquele foi o primeiro ano da “Ponte Zé Peixe” que ligou Aracaju a Barra dos Coqueiros.

A partir de 2008, com o advento da “Intervenção” de triste memória, o Carnaval de Pirambu definha definitivamente, pois a programação fora anunciada tardiamente, o volume de investimentos não fora o anunciado e os foliões se dividiram entre os vários destinos momescos sergipanos. Essa tendência se manteve nos anos 2009, quando a Tribuna da Praia estampou em sua primeira página “Perde fôlego o Carnaval de Pirambu”. Em 2010 o Pirambeach devolveu o fôlego ao Carnaval, mas a grande frustração deu-se em 2011, quando o Governo do Estado, principal patrocinador da festa, diminuiu de R$ 350 para R4 100 mil o repasse, peando o município que não se organizou para assumir a realização da festa de surpresa.

_______________________________

* Claudomir Tavares da Silva (42) é professor da rede pública municipal em Pirambu e estadual em Propriá.

6 de mar de 2011

PIRAMBU: O Carnaval da Resistência

Nem o fiasco da programação impede sucesso do Carnaval de Pirambu

Por Claudomir Tavares [claudomir@tribunadapraia.net]

Houve tempo em que o Carnaval de Pirambu começava na quarta-feira que o antecedia e só terminava na quarta-feira de cinzas. Eram mais de 200 horas de shows e um público média diário de 30 a 40 mil pessoas em uma cidade cuja população do município (aí incluindo os povoados) é de pouco mais de 8 mil. Mas este tempo já passou e a cidade passou a dividir o título de melhor Carnaval de Sergipe não apenas com Neópolis, no Baixo São Francisco, mas com os carnavais ascendentes de Atalaina Nova (Barra dos Coqueiros), Caueira (Itaporanga D’Ajuda) e Abaís (Estância), além de Aracaju, que a retomada do Rasgadinho de Seu Leopoldo revive seus grandes carnavais.

A cidade que até 2002 aglutinava um público que permanecia por aqui da sexta-feira à tarde ou sábado até à tarde da terça-feira ou manhã da quarta-feira de cinzas, que se hospedavam em casas alugadas, agora reunia um público flutuante, condição permitida com a inauguração da ponte da Amizade (sobre o Rio Japaratuba) que liga os municípios de Pirambu a Barra dos Coqueiros. Isso se acentuou a partir do Carnaval de 2007, quando cai consideravelmente o número de foliões da noite, em contraste com o público que frequentava a cidade pelo dia, nos tradicionais arrastões que reuniam por dia entre 20 a 30 mil pessoas, com picos naqueles puxados pelo “Rei do Carnaval” Cid Natureza. (Sobre sua ausência no Carnaval, o Conselheiro Reinaldo Moura disse que via isso “como uma grande injustiça contra um artista que chegou a reunir até 30 mil pessoas nos arrastões em Pirambu”). É que aquele foi o primeiro ano da “Ponte Zé Peixe” que ligou Aracaju a Barra dos Coqueiros.

A partir de 2008, com o advento da “Intervenção” de triste memória, o Carnaval de Pirambu definha definitivamente, pois a programação fora anunciada tardiamente, o volume de investimentos não fora o anunciado e os foliões se dividiram entre os vários destinos momescos sergipanos. Essa tendência se manteve nos anos 2009, quando a Tribuna da Praia estampou em sua primeira página “Perde fôlego o Carnaval de Pirambu”. Em 2010 o Pirambeach devolveu o fôlego ao Carnaval, mas a grande frustração deu-se em 2011, quando o Governo do Estado, principal patrocinador da festa, diminuiu de R$ 350 para R4 100 mil o repasse, peando o município que não se organizou para assumir a realização da festa de surpresa.

A programação do Carnaval de Pirambu só fora divulgada na segunda-feira, 28/02, com absoluta exclusividade pela Tribuna da Praia. Milhares de foliões que já haviam definido seu destino para Pirambu, a esta altura do Carnaval já o havia alterado para outras cidades, ganhando assim a preferência a cidade de Neópolis, que havia divulgado sua programação uma semana antes, Ficava, da parte de todos nós, a grande expectativa: o Carnaval de Pirambu havia chegado ao fim?

A festa começava de forma tímida na sexta-feira, 04 de março. A cidade reunia um público igual ao de um final de semana prolongado, o que dentro da razoabilidade era considerado normal diante do que se preparava de atrações e de falta de planejamento prévio. Já no sábado, era grande o número de veículos, foliões que se dirigiam a cidade ou por esá próximo de Aracaju, pela sua praia que nessa época se apresenta convidativa ou por serem pessoas que já haviam se organizado com tamanha antecedência. O fato é que neste domingo era grande o volume de pessoas na praia, nas ruas e agora a noite na Praça de Eventos.

Durante a manhã de hoje pudemos coletar alguns depoimentos, disponibilizamos em nosso Twitter (http://twitter.com/claudomir_21) e os reproduziremos abaixo:

“Estão acabando com o Carnaval de Pirambu. Sem bandas, sem estrutura, sem divulgação, sem arrastões”, Eliane Moura (Aracaju/SE).

“Está melhor assim. Os arrastões só arrastam o que não presta”, Rui Bolivar (Pirambu/SE).

“Ninguém sentiu falta da CPRv nem da CPTran em Pirambu, pois aquilo não faz blitz, faz pagar pedágio”, Eliane Moura (Aracaju/SE).

“Apesar do que previam, o movimento em Pirambu no domingo de Carnaval, não deixou a desejar. Muita gente, muitos veículos”, Cláudia (Aquidabã).

“Vejo que o grande chamariz desta cidade é a praia, o sol, a tranqüilidade”, Valter Carvalho (Caruaru/PE).

“Ninguém merece o barulho provocado pelas motos desses marginais. Contra eles a polícia bandida não age, corrobora”, Luizinho (Aracaju/SE).

1 de mar de 2011

100 Anos de Maria Bonita

A cangaceira Maria Bonita, companheira de Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, estaria completando em 08 de março 100 anos de nascimento. Para comemorar, a Revista Seiva estará lançando sua próxima edição, e transformando-se em Atalainha, cujo domínio na Internet já está criado.

PSB lançará Drª Sílvia a prefeitura de Pirambu

Consciente do seu peso político, que inclui dois ex-prefeitos (um deles, Marcos Cruz é atual vice-prefeito e ex-vereador) e dois vereadores, o PSB deverá lançar a médica e líder da Pastoral da Criança Sílvia Cruz a prefeitura de Pirambu. O Partido já teria chapa completa a Câmara de Vereadores.

Debandada no PT

Insatisfeitos com os rumos que vem sendo tomados pelo partido, importantes quadros do PT estarão deixando o partido e filiando-se a outra legenda nos próximos dias. É o caso do ex-presidente Toinho de Bebé, do ex-vice-presidente Gilvan Souza e do atual vice George Almeida.

TODAS AS NOTÍCIAS