28 de fev de 2010

Vereador Costinha tem memória curta

Vereador esquece que foi este portal quem sempre documentou sua produtiva, eficiente e profícua atividade parlamentar
Por Claudomir Tavares | claudomir@tribunadapraia.net

O parlamento municipal de Propriá sempre foi marcado pelas presenças equilibradas de seus integrantes, cuja cordialidade e índole respeitosa tem sido uma marca que tem sido caracterizada na relação com a imprensa sergipana. Entre estes atores sociais, destacamos, só para ilustrar o que afirmamos o comportamento do ex-vereador José Jackson Oliveira, o Jackson da Estação (PV), que só não foi eleito para mais um mandato em 2008 por não ter disputado a eleição e do vereador mais votado na última eleição, o atual secretário municipal de Planejamento João Fernandes de Britto Neto, o Fernandinho Britto (PT), primeiro presidente daquela casa a conseguir a reeleição para comandar o parlamento municipal.

Nesta legislação, tem sido um exemplo destes adjetivos o atual presidente José Aelson Santos, o Aelson Publicidade (PDT), que graças a qualidade de sua intervenção, não obstante estar em seu primeiro mandato, é hoje uma das grandes e expressivas lideranças políticas da região, sendo por isso eleito pelos vereadores de 14 municípios eleito presidente da Câmara Municipal do Baixo São Francisco, instrumento de fortalecimento dos poderes legislativos municipais. Dos atuais vereadores com mais de um mandato, tem sido um exemplo de forma positiva no seu relacionamento com a imprensa o petista Paulinho Celestino Campos (PT), que tem sido um referencial em fidelidade as lideranças políticas, ao projeto político e ao grupo ao qual integra e o suplente no exercício do mandato, Antídio Costa Filho, o Costinha, presidente municipal do PMDB.

E a nossa surpresa foi a reação surpreendente do vereador peemedebista que, contrariando todos os prognósticos reagiu de forma ácida ao natural registro de falta de cinco dos nove vereadores na Sessão Plenária que abriu os trabalhos da Câmara Municipal de Propriá realizada na última terça-feira, 23/02. Costinha, acredito que de forma involuntária, chegou a afirmar que a imprensa ataca (e houve ataque ou registro do fato?) os políticos para colher deles pagamento para registro de suas ações políticas. Aqui vai uma pergunta ao vereador: quanto foi a remuneração que ele direcionou a este Portal por divulgar requerimentos como o que cobrou ao Governo do Estado reestruturação imediata das policias civil e militar para que estes prestem um serviço eficiente a população, projetos como o que cadastra os profissionais que trabalham com a conhecida cola de sapateiro, com a execução da lei só poderá fazer aquisição do produto quem se cadastrar junto ao Conselho Tutelar, o que proíbe crianças de transitarem com cães de raça pit bull pelas ruas da cidade, e quando a condução do cão acontecer com um adulto,o pit bull deverá está usando focinheira e enforcadeira, propositura que assegurou aumento para os músicos da Filarmônica Santo Antônio, a sua luta pela seguridade social dos músicos que compõem a banda, tendo em vista que aqueles membros,cujo a maioria depende única e exclusivamente da filarmônica e praticamente dedicam-se toda a sua vida a mesma, só para citar algumas das inúmeras intervenções e instrumentos legislativos de um dos m ais brilhantes parlamentares que Propriá já teve.

Outra surpresa foi quando o vereador Costinha afirmou peremptoriamente, ainda que implicitamente, que setores da imprensa, como Claudomir Tavares (Tribuna da Praia) e Eugênio Santana (Ilha FM) atacam os vereadores (que ataques vereador?) é por que estão interessados no filão de cerca de 20 mil votos de Propriá. Eu não posso falar por Eugênio Santana, mas da nossa parte, posso assegurar ao vereador Costinha que não estou disputando os votos de Propriá em 2012 quando este deverá buscar mais um mandato popular, pois sou eleitor em Pirambu, onde temos nossa base social e política. Mas, da mesma forma, vereador, se assim o fizesse, teria toda a legitimidade, pois estou nesta cidade há mais de sete anos e não me considero menos propriaense do que aqueles que aqui nasceram, como numa infelicidade e intolerância já sepultada no mundo com o fim do nazifascismo oficialmente em 1945, quis insinuar um outro vereador na mesma fatídica sessão. Se tivesse que disputar qualquer mandato aqui, me sinto legitimado por tudo que tenho feito e pelas retribuições generosas que esta cidade e este povo me tem proporcionado.

De qualquer forma, meus pais e a minha formação me ensinaram a não agir de forma assodada nem alimentar o sentimento do ódio, da raiva, agindo sempre com o lado esquerdo do cérebro, o da razão, e guardo do vereador Costinha a imagem de um dos homens mais equilibrados, um político que já deu e tem uma gama de contribuições muito além do que ele mesmo dimensiona e seu mandato acrescenta de forma positiva para esta cada que sempre teve e terá o reconhecimento deste portal e deste comunicador que tem uma trajetória de mais de 26 anos na luta pela liberdade, pela cidadania e contra toda e qualquer forma de cerceamento e de intolerância. Um abração ao vereador Costinha, de quem sempre nutriu pelo mesmo uma admiração, mas que está atento para registrar não só os pontos positivos do mandato, mas aqueles que julgarmos negativos, e para isso não é necessário que sejamos remunerados, pois temos um tribunal que julga nossos passos: o da CONSCIÊNCIA!

Anteriores:

26/02/2010 – Vereadores reagem a matéria da Tribuna da Praia
25/02/2010 – Paulo Britto faz balanço de gestão na abertura dos trabalhos da Câmara Municipal de Propriá
23/02/2010 – Vereadores iniciam trabalhos legislativos 2010
19/01/2010 – Mesmo em recesso, vereadores aprovam projetos do executivo

27 de fev de 2010

Governantes esquecem sesquicentenário da visita de Dom Pedro II a Maruim

Por Keizer Santos * | keizerse@yahoo.com.br

De acordo com a ata imperial da Câmara Municipal de Maruim, datada de 14 de janeiro de 1860 e disponível no Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, o então imperador Dom Pedro II visitou à casa legislativa na referida data, ou seja, há 150 anos.

[“Esta Câmara Municipal com o maior júbilo jamais esquecerá este memorial dia de hoje; este dia feliz e venturoso, em que teve a distinta honra de ver aqui o augusto e adorado Imperador, o inédyto Monarcha Brasileiro, se dignou pela excessiva bondade de seu magnânimo coração vir a esta casa. Tanta honra, Senhor, um dia causará inveja aas futuras gerações!”]
Texto extraído da ata da Câmara Municipal de Maruim*

A Câmara Municipal tinha como presidente o vereador Gregório de Araújo Brasiliense e o acompanhava os demais vereadores: Manoel Pereira de França Marques, Manoel Moreira de Souza Macieira, José de Barros Mathias Pimentel, Joaquim Ferreira Santana, Antônio Muniz Teles de Menezes, José Rodrigues Vieira e Antônio Saturnino de Lima Cortes.
Por onde o casal real passava o povo se ajoelhava, atirava flores e beijava as suas mãos. Segundo o escritor Acrísio Tôrres Araújo**, D. Pedro II informava-se das necessidades locais, da agricultura, da indústria, sobretudo da educação.
Durante a visita de Dom Pedro II, Sergipe era governado por Manoel da cunha Galvão e para o desembarque do casal real, em 11 de janeiro de 1860, foi construída a famosa Ponte do Imperador, em Aracaju.
Mas, contrariando a História, a data foi esquecida pelos atuais governantes maruinenses, sem destaque algum. Ao menos fosse realizada uma cerimônia simples como aconteceu durante os 150 anos de emancipação política de Maruim, na gestão da então prefeita Ednalva Nascimento de Sena e Silva, em 05 de maio de 2004. O sesquicentenário da emancipação também foi lembrado pelo Governo do Estado, através do Secretário de Estado da Cultura, José Carlos Teixeira, que promoveu o lançamento da segunda edição do livro Traços da História de Maroim, de Joel Aguiar.
O BLOG DO KEIZER alerta que apesar da visita de D. Pedro II ser datada em 14 de janeiro, não é demais nossos governantes renderem congratulações, afinal, o ano de 2010 é o ano do sesquicentenário da visita de Dom Pedro II a Maruim.
_____________________________
* Keizer Santos é Bacharel em Administração c/ Habilitação em Recursos Humanos, na FASE (Faculdade de Sergipe); Especialista em Química pelo antigo CEFET-Sergipe (hoje IFS); Funcionário efetivo da Secretaria de Estado da Educação de Sergipe; Membro do Movimento Competitivo de Sergipe; Ex-candidato a vereador em Maruim, em 2008, pelo Partido Progressista (PP) e atualmente sem partido. "Vamos à luta! Afinal, a política é um instrumento de transformação social", afirma Keizer!

Fontes:
*CRUZ E SILVA, Maria Lúcia Marques. Inventário Cultural de Maruim. Edição comemorativa aos 140 anos de Emancipação Política da Cidade. Aracaju: Secretaria Especial de Cultura, 1994.
**ARAÚJO, Acrísio Tôrres. História de Sergipe. Aracaju.

Professores de São Brás em greve por ‘tempo determinado’

A expressão ‘tempo determinado’ dá-se porque, segundo o SINTEAL, cabe ao prefeito Neto negociar com a categoria
Texto: Claudomir Tavares

Os professores da rede municipal de cidade alagoana de São Brás, as margens do rio São Francisco, distante 186 km de Maceió, não iniciaram o ano letivo 2010 e a greve estende-se por ‘tempo determinado’. Esta expressão se dá em função da atribuição que tem sido dada ao prefeito Neto (PSDB) pelo SINTEAL (Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Alagoas), em que cabe a ele negociar com a categoria para por fim ao movimento e assim dar provimento ao início do ano letivo.

O prefeito mostra-se irredutível e diz que irá cortar o ponto daqueles entre os 98 professores da rede municipal que aderiram ao movimento. Os líderes sindicais rebatem e afirmam que os 200 dias letivos, ao serem iniciados, só serão concluídos com a devolução do que for retirado de seus proventos, caso as ameaças do prefeito sejam cumpridas. Os professores assumiram no ar na manhã de hoje em entrevista dada ao programa Jornal da Ilha, apresentado pelo radialista Eugênio Santana, o compromisso com a sociedade de repor os dias paralisados.

ARTIGO: "Só Marina é Futuro"

... mesmo que o noticiário eleitoral coloque Marina numa suposta terceira via, ela está na primeira para o futuro do Brasil, pois todos os demais candidatos se engalfinham na carcomida segunda.
José Eli da Veiga *

Desta vez não há escapatória: o ?fator Marina? obriga todos os pré-candidatos à Presidência a dar substancial destaque ao meio ambiente. E é provável que a questão seja muito bem tratada pelos dois favoritos, pois contarão com a ajuda dos competentes times de governos, conduzidos por Carlos Minc, no federal, e por Xico Graziano e José Carlos Carvalho, nos paulista e mineiro. Equipes em que predominam técnicos identificados com a senadora Marina Silva, mesmo que, por razões mais pragmáticas que altruísticas, não apoiem sua pré-candidatura.

Impõe-se, então, uma óbvia pergunta: poderá haver diferença significativa entre o discurso da senadora e os que serão os adotados pelos favoritos, caso realmente assimilem as ideias de seus ambientalistas?

Ao contrário do que parece, a resposta é um retumbante sim. E o total contraste inviabilizará qualquer conciliação programática para o segundo turno, mesmo que ocorra algum acordo por motivos táticos. Só não percebe quem esquece ou ignora o antagonismo que há entre o imperativo da sustentabilidade e a esclerosada visão socialdemocrata do capitalismo.

Por mais que tenha havido diversificação da fauna partidária socialdemocrata em seus quase 150 anos de adaptações a uma miríade de circunstâncias históricas e político-culturais, nada impediu que nela persistisse sua própria razão de ser, chame-se de "paradigma" ou de "DNA".

Do trabalhismo ao comunismo, passando por todas as espécies de socialismo, o essencial continua a ser a busca de maximização do crescimento econômico conjugada a políticas sociais que reduzam a pobreza e -quando possível- desconcentrem a repartição da renda. Nesse tronco pode ser facilmente enxertado um ramo ambiental, mas sem consistência, já que tomar cuidado com a base natural da sociedade atrita com a opção primordial por pisar fundo no acelerador do PIB.

A nova visão, que brotou no pós-1968, tanto repele a dicotomia entre as esferas social e ambiental da vida humana quanto abomina o reducionismo socialdemocrata por entender que o estilo de crescimento econômico é que deve ser subordinado ao objetivo de melhoria sustentável da qualidade de vida, e não o contrário.

Ou seja, absoluta prioridade "socioambiental" (só uma palavra bem antes de ser autorizada pela nova ortografia). Nada a ver com a concepção de turbinar o PIB com aborrecidas concessões a uma exigência ambiental que seria restritiva, além de separada da social.

Tudo isso poderia cheirar abstrato demais se não pululassem exemplos concretos. A suprema aspiração do governo foi acelerar o crescimento (PAC), criando os conflitos que tangeram a ministra Marina Silva para fora.

E Carlos Minc estava na mesma rota quando a mudança do quadro eleitoral provocada pela pré-candidatura de sua antecessora elevou a cotação do "cerradinho" em detrimento da "soja", segundo metáfora de Gilberto Carvalho sobre a índole de Lula.

Por acaso há político socialdemocrata que discorde da linha do governo Lula, esteja ele no PT, PSDB, PDT, PSB, PPS, PC do B ou PSOL, tenha ficado no PMDB ou baldeado para o atual DEM? Claro que não. Alguns adoram malhar a ineficiente gestão do PAC, mas só porque querem mais do mesmo. A nenhum jamais ocorreria a imprescindível necessidade de substituí-lo por um "Plano de Transição ao Ecodesenvolvimento", sem investimentos contrários à realidade socioambiental. Caso dos mais emblemáticos está na BR-319, que precisa ser abortada, e seus recursos transferidos para obras de saneamento ou de geração de energia limpa.

Sim, a economia brasileira ainda precisa crescer. E muito. Mas não de qualquer maneira, e ainda menos a qualquer custo, como querem os duetos Dilma/Ciro e Serra/Aécio. Para o projeto nacional que agora engatinha com Marina, importa muito mais a direção e a qualidade do crescimento econômico do que sua velocidade.

Aliás, se o contrário fosse melhor, este país já seria um dos mais desenvolvidos do mundo, pois nenhum outro PIB nacional aumentou mais do que o seu entre 1900 e 1980: algo como 50% mais do que o dos EUA.

Em suma: mesmo que o noticiário eleitoral coloque Marina numa suposta terceira via, ela está na primeira para o futuro do Brasil, pois todos os demais candidatos se engalfinham na carcomida segunda.
_________________________
* José Eli da Veiga, 61, é professor titular de economia e orientador do programa de pós-graduação em relações internacionais da USP e autor, entre outras obras, de “Mundo em Transe”.

26 de fev de 2010

III Encontro de Recursos Hídricos em Sergipe

24 a 26 de março de 2010 | Normas gerais do evento

O III Encontro de Recursos Hídricos em Sergipe (III ENREHSE) é uma realização conjunta da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos - SEMARH, através da Superintendência de Recursos Hídricos - SRH, e da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa, unidade Tabuleiros Costeiros.

O evento ocorrerá de 24 a 26 de março de 2010 no auditório da CODISE, sito à Avenida Heráclito Rollemberg 4.444, DIA, Aracaju-SE.

O Encontro pretende reunir profissionais e estudantes de várias áreas do conhecimento relacionadas ao estudo da água para apresentar as mais recentes experiências na forma de trabalhos técnicos e palestras, como meio de difusão do conhecimento para preservação e conservação desse bem público que é a água.
A seguir são listadas as normas que gerenciam o funcionamento do evento:

1. As inscrições para participação no evento estarão abertas no período de 10 de fevereiro de 2010 a 10 de março de 2010, sob a condição de encerramento a qualquer tempo quando do preenchimento das vagas disponíveis;

2. A participação nas sessões técnicas e palestras apenas será permitida aos participantes previamente inscritos. Não ocorrerão inscrições durante a realização do evento;

3. As inscrições são gratuitas e limitadas;

4. As inscrições serão realizadas unicamente pelo e-mail 3encontrorhs@semarh.se.gov.br por meio do envio da FICHA DE INSCRIÇÂO preenchida, que pode ser obtida nos sites www.semarh.se.gov.br/srh e www.cpatc.embrapa.br/eventos.

5. O correto preenchimento da FICHA DE INSCRIÇÃO é primordial para a elaboração dos certificados de participação, autoria e/ou apresentação de trabalhos no evento;

6. A inscrição no evento apenas estará considerada efetivada quando do envio de e-mail de confirmação por parte da Coordenação do Evento ao postulante;

7. Os trabalhos deverão ser submetidos na forma de resumo expandido conforme descrito no item Normas para elaboração dos resumos;

8. A coordenação do evento receberá trabalhos no período de 10 de fevereiro a 08 de março de 2010. Não haverá prorrogação deste período.

9. A aceitação do trabalho estará sujeita ao cumprimento das Normas para elaboração dos resumos, à inscrição do autor/apresentador e ao julgamento da Comissão técnico-científica.

10. Os trabalhos aceitos serão divulgados na página do evento (www.semarh.se.gov.br/srh) no dia 18 de março de 2010. Os autores/apresentadores serão notificados da aceitação por e-mail nesta data.

Informações:

Superintendência de Recursos Hídricos - SRH
Avenida Gonçalo Prado Rollemberg, 53
Bairro São José
Fones: (79) 3198-1904/3198-1902
www.semarh.se.gov.br/srh

Propriá terá nova Biblioteca Pública


Será implantada em breve no município de Propriá, região do Baixo São Francisco, uma nova biblioteca pública, que irá funcionar no antigo prédio da secretaria municipal de Saúde, na Praça da Bandeira. De acordo com o secretário municipal de Cultura e Meio Ambiente, Martinho José da Silva, este é um sonho da atual administração que está se concretizando agora. A implantação da Biblioteca é uma ação de parceria entre a Prefeitura de Propriá (secretaria da Cultura e Meio Ambiente), Governo do Estado (Biblioteca Pública Epiphânio Dória) e Governo Federal (Ministério da Cultura).

Propriá não receberá somente uma biblioteca, mas também um telecentro. Isso permite que a população tenha acesso a um número maior de informações. “A Biblioteca hoje não é só um espaço para pesquisa e leitura, mas também para atividades de toda a natureza: lúdica, teatrais, oficinas diversas, exposições de artes e etc. A Biblioteca hoje é mais um espaço de cultura,

não só para a estudantada, como também para toda a comunidade”, disse Martinho José.
O secretário municipal de Cultura e Meio Ambiente acrescentou também que há mais de dez anos a biblioteca pública municipal foi desativa e por um tempo passou a funcionar de forma precária, mas nesta administração está havendo o resgate. “Assim que assumi a pasta de Secretaria de Cultura e Meio Ambiente, coloquei como um dos objetivos resgatar a Biblioteca Pública Dr Jessé Trindade, que há mais de dez anos está inativa e/ou sucateada e com local incerto”, destacou Martinho José.

O secretário afirmou ainda que o caminho foi árduo, mas está valendo a pena, tendo em vista que a população vai ganhar mais um espaço de cultura em Propriá. “Procuramos através do Ministério da Cultura mecanismos como projetos ou editais que pudessem nos dar suporte para um pedido de recuperação da Biblioteca e também procuramos participar de todos os eventos do Estado que discutia a situação das cidades que não tinham bibliotecas ou que as mesmas funcionavam precariamente. Foi aí que conseguimos um contato com os responsáveis do programa Livro Aberto (Biblioteca Pública Epiphânio Dória) e do Mais Cultura (Ministério da Cultura). Daí saiu o projeto”, completou.

Palestra: Ensino Médio Inovador

Os mandatos dos deputados Iran Barbosa (federal) e Ana Lúcia (estadual), com o apoio do Sintese, estarão promovendo na próxima sexta-feira, 26/02, das 08 às 12 horas no Auditório do Tribunal de Justiça de Sergipe (Praça Fausto Cardoso) uma palestra sobre o tema “Ensino Médio Inovador”, a ser proferida pelo professor Carlos Artexes Simões, diretor de Concepções e Orientações Curriculares para Educação Básica da Secretaria de Educação do Ministério da Educação. A Tribuna da Praia apoia esta idéia.

25 de fev de 2010

Circuito pirambuense de xadrez

Esse evento é uma extensão do projeto xadrez na escola, desenvolvido no Colégio Estadual “José Amaral Lemos”, e tem como objetivo difundir a prática do xadrez no município. O circuito teve início em dezembro de 2009, continuando agora em 2010, com a realização de etapas mensais. Neste ano já vai acontecer a 2ª etapa. O resultado da 1ª etapa 2010:

• G. Celestino - 60 pts Campeão, Devisson - 60 pontos Vice campeão (confronto direto), J. Celestino - 40 pontos 3º colocado, 4º Ismael - 40 pontos (confronto direto), 5º Jeferson Ferreira - 30 pontos, 6º Elisa - 20 pontos, 7º Ednalva e Jadson - empatados 15 pontos.

Para incrementar ainda mais a proposta estamos tentado criar um clube de xadrez, que nada mais é do que a realização de encontro semanal entre os aficionados para que eles possam praticar e trocar idéias a respeito do esporte. O clube funcionará nas dependências do CEJAL, com encontros programados para as tardes de sábado. A próxima etapa será 27/02 as 14:00h, no pátio do Colégio Estadual José Amaral Lemos.

24 de fev de 2010

PIRAMBU – Desabafo? Sugestão?

Por Idardi (Pseudônimo)

Matéria veiculada no Tribuna da Praia de 21/02/2010 dá conta da ausência do prefeito numa audiência no MP com os salva-vidas e os agentes comunitários de saúde, ambos em greve.

Pois bem, dificilmente o prefeito comparece à prefeitura... vai comparecer numa audiência no MP pra tratar de assunto (pra ele) tão banal? E, na quinta feira, depois do carnaval?...

Mas é esta ausência do prefeito que vem transformando Pirambu no primo pobre do estado de Sergipe, que vive de favores e mais favores:

- tapa-buracos na cidade é feito pelo DER - Estado;
- meio ambiente é feito pelo IBAMA - governo federal;
- na saúde, a clinica, que ainda não funciona, foi feita pelo governo do estado e a ambulância do posto de saúde é emprestada pela prefeitura de Carmópolis;
- A prefeitura não tem código de obras e muito menos de postura. Constroi-se de qualquer maneira e em qualquer lugar, desobedecendo a tudo, menos ao IBAMA, que exige demais de uns e nada de outros.

Se o prefeito está provando a inviabilidade econômico-financeira e administrativa do município (e eu acho que ele tem estes números), a saída honrosa é procurar o MP, fazer esta demonstração, renunciar e pedir um interventor.

O prefeito tem que se conscientizar de que, se o legitimo empregador dele - o povo de Pirambu - não pode demiti-lo, a única saída é sua renuncia. Até porque um interventor terá poderes especiais pra administrar, se é o caso, a ''massa falida''...

O Dr. Nilton está permitindo a mudança do seu conceito de bom empresário e construindo a imagem do pior político, cuja administração é absolutamente inexpressiva, inoperante e indiferente. A inexpressão e a inoperância contrariam a sua condição de empresário, mas a indiferença denota um desvio de conduta, que está mais para o ‘‘pouco se me dá’’ com os resultados, o que agride todos os anseios e expectativas do povo deste município.

A quem possa interessar, não sou político e muito menos de oposição a quem quer que seja. Mas me incomoda ver tudo isto acontecendo e nenhum fato novo em vista.

Para não dizer que só critiquei e não apresentei sugestão, aqui vai uma:
Criar um pequeno CONSELHO ADMINISTRATIVO suprapartidário e estabelecer metas de trabalho por segmento, disponibilizando todas as condições necessárias, inclusive para viabilizar o PLANO DIRETOR, pois, apesar do município não ter 20 mil habitantes, preenche outras condições para tanto.

Não sou nascido aqui, mas gostaria de ver esta cidade com um futuro mais promissor e que sua gente tivesse melhores perspectivas de viver com qualidade.
_________________________
* O emitente deste texto prefere identificar-se com um pseudônimo, sendo preservado sua identidade em nosso banco de dados.

Falta de servidores atrasa início de aulas no Amaral Lemos

O Colégio José Amaral Lemos deixou de iniciar o ano letivo por não ter merendeiras nem auxiliar de serviços gerais

Algumas escolas da rede estadual de ensino não iniciaram o ano letivo por falta de servidores. É o caso do Colégio Estadual 'José Amaral Lemos', na cidade de Pirambu, que oferece ensino fundamental e médio. As aulas deveriam ter iniciado em 08 de fevereiro, depois nesta segunda-feira, 22, e agora, a previsão é 29 de março. A assessoria de Comunicação da Secretaria de Estado da Educação (Seed), explicou que somente nesta quarta-feira, 24, serão empossados 418 servidores administrativos concursados, o que deverá minimizar o problema.

O representante da Secretaria de Educação, Givaldo Ricardo Soares informou que as escolas da rede estadual de ensino possuem autonomia para escolher a data para começar as aulas. “A secretaria estabelece uma data e o dia 22 de fevereiro foi uma referência, mas nem todas iniciam o ano no mesmo dia”, diz.

:: Novos servidores

Givaldo Ricardo disse ainda que quando iniciou a gestão Marcelo Déda à frente do Governo de Sergipe o número de funcionários contratados chegava a seis mil. “Agora, o governador encerra o mandato com zero de contratados. Nesta quarta-feira, 24, está marcada uma solenidade para às 9h no auditório Atalaia do Centro de Convenções de Sergipe, com o objetivo de empossar 418 novos servidores”, ressalta.

Ele disse ainda que “estamos em um período de transição, substituindo os contratados pelos servidores efetivos e além desses 418 novos servidores, serão empossados mais 1.500, o que com certeza solucionará o problema da falta de funcionários nas escolas”, esclarece.

Informações obtidas no Amaral Lemos, a informação é de que as aulas ainda não foram iniciadas porque está faltando merendeiras e profissionais de serviço geral. "É profudamente lamentavel a falta de competência do RH da SEED, demitiu todos os contratados e ainda não conseguiu nomear os concursados, esses problemas com certeza só vai aumentar e manchar a imagem do governo e principalmente do professor Lima. Esse RH só rema pro lado errado", indignou-se Waldir Rodrigues (Benzoca), presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Sergipe (SINTRAZE).
___________________________
Com informações de Aldaci de Souza (Infonet) e Claudomir Tavares (Tribuna da Praia)

23 de fev de 2010

Ano letivo inicia parcialmente em Pirambu

No Mário Trindade aguarda-se o início de forma integral no dia de hoje, enquanto no Amaral Lemos, as aulas só serão iniciadas na próxima segunda-feira

Previsto para ter início no dia 08 de fevereiro, as aulas da rede pública municipal e estadual de Pirambu foram adiadas para o dia 22, em função de uma série de ajustes administrativos e pedagógicos necessários para enquadrar algumas situações que fugiram ao controle da normalidade na competência das respectivas instituições. Mas a previsão aconteceu parcialmente. Apesar de já ter iniciado o ano letivo nas demais escolas da rede municipal, no Mário Trindade Cruz as aulas começaram parcialmente no dia de ontem na modalidade polivalente (1ª a 4ª séries iniciais), estando previsto para hoje o início das aulas por áreas (disciplinas), no Ensino Regular (Ensino Fundamental) de 5ª a 8ª séries e Educação de Jovens e Adultos (EJA). Na tarde de ontem, professores estiveram reunidos para discutir distribuição de turmas e respectivas cargas horárias.

O transporte escolar ainda não havia começado a funcionar na tarde de ontem, 22, mesmo com os recursos assegurados e repassados religiosamente pelo Ministério da Educação, comprovando total irresponsabilidade do poder público municipal, o que tem irritado de forma acentuada a sociedade pirambuense. A merenda escolar, item de primeira necessidade, só ontem começou a chegar às dispensas das escolas, num descaso total e falta de planejamento da desastrosa política educacional do município. Aguarda-se que as condições de acomodamento sejam melhores que aquelas denunciadas em 2009, quando em muitas escolas ficavam expostas a vulnerabilidade, próximas de produtos de limpeza entre outros absurdos levados a público pelo Conselho de Alimentação Escolar.

Já no Colégio Estadual José Amaral Lemos os estudantes terão que esperar mais uma semana para o tão esperado início do ano letivo. É que até a manhã de ontem não havia pessoal de apoio (serventes) em número que possibilitasse o funcionamento da instituição. As nomeações que em Pirambu são feitas por indicação política do prefeito José Nilton (PMDB) e da deputada Conceição Vieira (PT) nos mesmos moldes da ditadura militar que sangrou o Brasil de 1964 a 1984 mas que persiste com requintes de crueldade no governo do senhor Marcelo Déda (PT). No final da noite de ontem tentamos um contato com a professora Tereza Cariri, diretora da instituição, mas devido o adiantado da hora não obtivemos retorno, o que aguardamos na manhã de hoje.

Vamos aguardar o início das aulas de forma integral para fazer uma análise mais detalhada das perspectivas que cercam a educação em Pirambu, uma vez que, retirando algumas ilhas de 2009, é preciso que se faça uma ampla reflexão para que em 2010 possamos alcançar a tão sonhada luz no fim do túnel.

22 de fev de 2010

Enquete mostra preferência por Margarida

63% dos internautas preferem retorno de ex-secretária

Levada ao ar na semana que se encerrou, uma enquete disponibilizada em nosso site (http://www.claudomir.com.br) quis saber “Quem deve ser a nova Secretária Municipal de Educação de Pirambu”. O resultado apontou a professora Margarida Pereira Mendonça como a preferida para 63% dos internautas, seguida da professora Dayse dos Anjos Dórea Bonfim que obteve 9%. Um total de 27% preferem Outra alternativa. Aqui afirmamos que Enquete não é pesquisa, mas um exercício de Opinião, e como tal, deve ser respeitado. O resultado é confiável, pois no sistema de enquetes do blogger, não é permitido o voto duplicado em um mesmo IP. Assim, procuramos responder uma proposta dos nossos leitores e de professores da rede municipal que sugeriram a consulta.

21 de fev de 2010

Dalmo Braz manifesta apoio a Claudomir

Presidente do PV em Malhada dos Bois manifesta apoio a pré-candidatura de Claudomir Tavares ao governo de Sergipe


“A minha opção de saída do processo eletivo 2010 não feri o projeto partidário, sou um ardoroso defensor da candidatura própria. Mas acredito que com a minha saída do processo temos que criar uma boa alternativa, e você encarna bem o projeto PV. Vamos?”, complementou na manhã de ontem o professor Anderson Góis. A manifestação de apoio de Anderson desde a última quinta-feira, 18, a pré-candidatura do professor Claudomir Tavares ao governo de Sergipe, soma-se a outra que o fez no final da noite de ontem, 19, o presidente municipal do PV e ex-candidato a prefeito em Malhada dos Bois, Dalmo Braz. De acordo com ele, “Claudomir Tavares é um nome que tem História no PV, tem compromisso com as bandeiras que o partido defende, além de ser um nome que tem uma inserção na mídia sergipana”, disse.

A mais esta manifestação Claudomir informa que vê com reticência e como algo que ele ainda não consegue dimensionar, pois suas pretensões na política sergipana são bem mais modestas e isso faz com que possa se ver com outros olhos, “pois a responsabilidade só aumenta, mas a decisão de um passo desta magnitude deve dar-se em conjunto com todas as forças que integram o partido, entre as quais se incluem uma liderança como Braz, cuja relação afetuosa vai além dos laços que nos unem no partido”, afirma Claudomir que ainda não parou para pensar nesta possibilidade. Dentro dos próximos dias o PV terá uma reunião da Executiva Estadual, quando os verdes voltam a discutir a participação do partido nas eleições 2010.


Reynaldo Morais – Na manhã de hoje, o secretário nacional de Finanças do PV, o sergipano Reynaldo Nunes de Morais, pré-candidato a Senador declarou em seu twitter (https://twitter.com/reynaldomorais): “vc ja esta na minha lista de pré-candidatos ao Governo de Sergipe pelo PV”. Na segunda-feira, 22, quando se reúne em São Paulo com a coordenação da pré-campanha da senadora Marina Silva a presidência da República, Reynaldo reafirma sua pré-candidatura ao senado e anuncia o nome do professor Claudomir Tavares como pré-candidato ao governo de Sergipe.

Fonte: TRIBUNA DA PRAIA.net - Em: 20/02/2010

20 de fev de 2010

Anderson Góis defende nome de Claudomir para governador

Segundo ele, o professor Claudomir é um valoroso quadro do PV em Sergipe, é militante histórico e está antenado com as propostas Verdes


O Jornal do Dia divulgou em sua edição de ontem, 18, que “Saída de Anderson Góis põe Claudomir na disputa pelo PV”. Na verdade o corpo da matéria é uma reprodução da introdução da entrevista concedida pelo presidente do PV ao Blog “Olhar 43” e reproduzida neste portal, com ampla repercussão em sites, rádios e jornais impressos. Em seu twitter, o professor Anderson Góis (http://twitter.com/andersongois) não só reproduziu o link do jornal (http://www.jornaldodiase.com.br/viz_conteudo_politica.asp?codigo=18220100325894523), como afirmou que “o professor Claudomir é um valoroso quadro do PV em Sergipe, é militante histórico e está antenado com as propostas Verdes”, contará com todo o meu apoio e dentro do possível da minha participação efetiva nas ruas de Aracaju”, disse. “O professor Claudomir é militante em Pirambu e foi candidato a vice prefeito em 2008 na chapa encabeçada por Vado do PT. Vou defender o seu nome na executiva estadual”, acrescenta. “Que responsabilidade você me coloca. A princípio, estou como você, adiando qualquer projeto para 2012. A jornalista (Jornal do Dia) colocou um título que não condiz com o teor da entrevista dada ao Blog “Olhar 43” (pvpirambu.blogspot.com).

Claudomir Tavares foi um dos mais entusiasmado defensores da pré-candidatura do professor Anderson Góis ao governo de Sergipe, e que foi surpreendido com a sua retirada do professo, forçada por uma intervenção cirúrgica a que foi submetido para retirada da tireóide. Na entrevista, ele informou que “o projeto de candidatura própria ao Governo de Sergipe está mantido e que agora, com a saída do professor Anderson Góis da disputa, numa opção pessoal dele, a indicação da vaga de pré-candidatura ao governo, que nunca esteve fechada em seu nome, mas que era o nome em potencial, agora está mais aberta ainda”.

Segundo Claudomir, “a Executiva Estadual deverá se reunir nos próximos dias para dar um direcionamento que deve ser seguido pelo partido nesta fase em que se discutem as articulações para as composições dos times que irão a campo em busca dos votos dos sergipanos em 03 de outubro de 2010”. O presidente afirmou que, “ninguém, que não seja o presidente estadual do partido, Carlos Pinna Júnior, ou o dirigente nacional, Reinaldo Nunes, estão autorizados a estabelecer toda e qualquer conversa com este ou aquele segmento político em nome do PV”, completa.

Sobre a defesa de seu nome na Executiva Estadual por Anderson, Claudomir disse que a princípio colocou seu nome como possível suplente de Senador do pré-candidato Reynaldo Nunes e num segundo momento foi citado como pré-candidato a Deputado Federal, também indicado pelo professor Anderson Góis. “Nunca passou pela minha cabeça a possibilidade de disputar o governo de Sergipe, mas esta indicação multiplica nossa responsabilidade política dentro do partido e na política do nosso estado”, afirmou. “Eu agradeço a gentileza da lembrança de Anderson e sei também que isso decorre da nossa amizade construída dentro da militância partidária”, concluiu.

Fonte: TRIBUNA DA PRAIA.net - Em: 19/02/2010

19 de fev de 2010

Quando o dia vai chegando ao fim


Quando o dia vai chegando ao fim... a maioria vai para casa, descansar, vai para o teatro, vai para o jogo, vai para o amor...
Mas há aqueles que fazem um caminho diferente, como se fizessem à noite aquilo que deveriam ter feito durante o dia e que não voltam para a casa e nem vão para a festa. Vão para a escola...
Quem são estes?
Quais os seus sonhos?
Procuram, à noite, um saber que os levará a dias melhores?
Serão pobres, serão ricos?
Serão os moços? Ou os velhos?
Talvez uma mistura de tudo...
E ali, na sala de aula, diante dos seus alunos assentados, o professor sensível poderá perceber que se encontra diante de muitos mistérios. O saber que ele serve será comido por bocas muito diferentes. Umas, famintas, desejosas de mais. Outras, enfadadas, por estarem ali só com seus corpos. Parodiando a Cecília: ‘os corpos naquelas salas, as almas por longes terras...’
Talvez ali que, nas salas da escola noturna, a alma da nossa gente, com todas as suas contradições, esperanças e equívocos, esteja mais presente que nas escolas do dia.
(Rubem Alves)

18 de fev de 2010

O Mito da Caverna

O mito da caverna é uma das famosas parábolas escritas por Platão. A idéia consiste em pessoas que vivem numa caverna e acreditam que o mundo real é aquilo que aparece na parede: sombras formadas pela luz que entra pela única fresta existente. As pessoas lutam contra qualquer um que diga o contrário.
Por Marilena Chauí

Imaginemos uma caverna separada do mundo externo por um alto muro. Entre o muro e o chão da caverna há uma fresta por onde passa um fino feixe de luz exterior, deixando a caverna na obscuridade quase completa. Desde o nascimento, geração após geração, seres humanos encontram-se ali, de costas para a entrada, acorrentados sem poder mover a cabeça nem locomover-se, forçados a olhar apenas a parede do fundo, vivendo sem nunca ter visto o mundo exterior nem a luz do Sol, sem jamais ter efetivamente visto uns aos outros nem a si mesmos, mas apenas sombras dos outros e de si mesmos porque estão no escuro e imobilizados. Abaixo do muro, do lado de dentro da caverna, há um fogo que ilumina vagamente o interior sombrio e faz com que as coisas que se passam do lado de fora sejam pro­jetadas como sombras nas paredes do fundo da caver­na. Do lado de fora, pessoas passam conversando e car­regando nos ombros figuras ou imagens de homens, mulheres e animais cujas sombras também são projeta­das na parede da caverna, como num teatro de fanto­ches. Os prisioneiros julgam que as sombras de coisas e pessoas, os sons de suas falas e as imagens que trans­portam nos ombros são as próprias coisas externas, e que os artefatos projetados são seres vivos que se movem e falam.Os prisioneiros se comunicam, dando nome às coisas que julgam ver (sem vê-Ias realmente, pois estão na obs­curidade) e imaginam que o que escutam, e que não sabem que são sons vindos de fora, são as vozes das pró­prias sombras e não dos homens cujas imagens estão projetadas na parede; também imaginam que os sons produzidos pelos artefatos que esses homens carregam nos ombros são vozes de seres reais.Qual é, pois. a situação dessas pessoas aprisionadas? Tomam sombras por realidade, tanto as sombras das coi­sas e dos homens exteriores como as sombras dos artefa­tos fabricados por eles. Essa confusão, porém, não tem co­mo causa a natureza dos prisioneiros e sim as condições adversas em que se encontram. Que aconteceria se fossem libertados dessa condição de miséria?Um dos prisioneiros, inconformado com a condição em que se encontra, decide abandoná-Ia. Fabrica um instru­mento com o qual quebra os grilhões. De início, move a ca­beça, depois o corpo todo; a seguir, avança na direção do muro e o escala. Enfrentando os obstáculos de um cami­nho íngreme e difícil, sai da caverna. No primeiro instante, fica totalmente cego pela luminosidade do Sol, com a qual seus olhos não estão acostumados. Enche-se de dor por causa dos movimentos que seu corpo realiza pela primei­ra vez e pelo ofuscamento de seus olhos sob a luz externa, muito mais forte do que o fraco brilho do fogo que havia no interior da caverna. Sente-se dividido entre a incredulidade e o deslumbramento. Incredulidade porque será obri­gado a decidir onde sé encontra a realidade: no que vê ago­ra ou nas sombras em que sempre viveu. Deslumbramento (literalmente: ferido pela luz) porque seus olhos não con­seguem ver com nitidez as coisas iluminadas. Seu primei­ro impulso é o de retornar à caverna para livrar-se da dor e do espanto, atraído pela escuridão, que lhe parece mais acolhedora. Além disso, precisa aprender a ver e esse aprendizado é doloroso, fazendo-o desejar a caverna on­de tudo lhe é familiar e conhecido.Sentindo-se sem disposição para regressar à caverna por causa da rudeza do caminho, o prisioneiro permanece no exterior. Aos poucos, habitua-se à luz e começa a ver o mundo. Encanta-se, tem a felicidade de finalmente ver as próprias coisas, descobrindo que estivera prisioneiro a vi­da toda e que em sua prisão vira apenas sombras. Dora­vante, desejará ficar longe da caverna para sempre e luta­rá com todas as suas forças para jamais regressar a ela. No entanto, não pode evitar lastimar a sorte dos outros prisioneiros e, por fim, toma a difícil decisão de regressar ao subterrâneo sombrio para contar aos demais o que viu e con­vencê-los a se libertarem também.Que lhe acontece nesse retorno? Os demais prisioneiros zombam dele, não acreditando em suas palavras e, se não conseguem silenciá-lo com suas caçoadas, tentam faze-lo espancando-o. Se mesmo assim ele teima em afirmar o que viu e os convida a sair da caverna, certamente aca­bam por matá-lo. Mas, quem sabe alguns podem ouvi-lo e, contra a vontade dos demais, também decidir sair da caverna rumo à realidade. O que é a caverna? O mundo de aparências em que vi­vemos. Que são as sombras projetadas no fundo? As coi­sas que percebemos. Que são os grilhões e as correntes? Nossos preconceitos e opiniões, nossa crença de que o que estamos percebendo é a realidade. Quem é o prisioneiro que se liberta e sai da caverna? O filósofo. O que é a luz do Sol? A luz da verdade. O quê é o mundo iluminado pelo sol da verdade? A realidade. Qual o instrumento que liberta o prisioneiro rebelde e com o qual ele deseja libertar os ou­tros prisioneiros? A Filosofia.


SÓCRATES – Figura-te agora o estado da natureza humana, em relação à ciência e à ignorância, sob a forma alegórica que passo a fazer. Imagina os homens encerrados em morada subterrânea e cavernosa que dá entrada livre à luz em toda extensão. Aí, desde a infância, têm os homens o pescoço e as pernas presos de modo que permanecem imóveis e só vêem os objetos que lhes estão diante. Presos pelas cadeias, não podem voltar o rosto. Atrás deles, a certa distância e altura, um fogo cuja luz os alumia; entre o fogo e os cativos imagina um caminho escarpado, ao longo do qual um pequeno muro parecido com os tabiques que os pelotiqueiros põem entre si e os espectadores para ocultar-lhes as molas dos bonecos maravilhosos que lhes exibem.

GLAUCO - Imagino tudo isso.

SÓCRATES - Supõe ainda homens que passam ao longo deste muro, com figuras e objetos que seelevam acima dele, figuras de homens e animais de toda a espécie, talhados em pedra ou madeira. Entre os que carregam tais objetos, uns se entretêm em conversa, outros guardam em silêncio.

GLAUCO - Similar quadro e não menos singulares cativos!

SÓCRATES - Pois são nossa imagem perfeita. Mas, dize-me: assim colocados, poderão ver de si mesmos e de seus companheiros algo mais que as sombras projetadas, à claridade do fogo, na parede que lhes fica fronteira?

GLAUCO - Não, uma vez que são forçados a ter imóveis a cabeça durante toda a vida.

SÓCRATES - E dos objetos que lhes ficam por detrás, poderão ver outra coisa que não as sombras?

GLAUCO - Não.

SÓCRATES - Ora, supondo-se que pudessem conversar, não te parece que, ao falar das sombras que vêem, lhes dariam os nomes que elas representam?

GLAUCO - Sem dúvida.

SÓRATES - E, se, no fundo da caverna, um eco lhes repetisse as palavras dos que passam, não julgariam certo que os sons fossem articulados pelas sombras dos objetos?

GLAUCO - Claro que sim.

SÓCRATES - Em suma, não creriam que houvesse nada de real e verdadeiro fora das figuras que desfilaram.

GLAUCO - Necessariamente.

SÓCRATES - Vejamos agora o que aconteceria, se se livrassem a um tempo das cadeias e do erro em que laboravam. Imaginemos um destes cativos desatado, obrigado a levantar-se de repente, a volver a cabeça, a andar, a olhar firmemente para a luz. Não poderia fazer tudo isso sem grande pena; a luz, sobre ser-lhe dolorosa, o deslumbraria, impedindo-lhe de discernir os objetos cuja sombra antes via.

Que te parece agora que ele responderia a quem lhe dissesse que até então só havia visto fantasmas, porém que agora, mais perto da realidade e voltado para objetos mais reais, via com mais perfeição? Supõe agora que, apontando-lhe alguém as figuras que lhe desfilavam ante os olhos, o obrigasse a dizer o que eram. Não te parece que, na sua grande confusão, se persuadiria de que o que antes via era mais real e verdadeiro que os objetos ora contemplados?

GLAUCO - Sem dúvida nenhuma.

SÓCRATES - Obrigado a fitar o fogo, não desviaria os olhos doloridos para as sombras que poderia ver sem dor? Não as consideraria realmente mais visíveis que os objetos ora mostrados?

GLAUCO - Certamente.

SÓCRATES - Se o tirassem depois dali, fazendo-o subir pelo caminho áspero e escarpado, para só o liberar quando estivesse lá fora, à plena luz do sol, não é de crer que daria gritos lamentosos e brados de cólera? Chegando à luz do dia, olhos deslumbrados pelo esplendor ambiente, ser-lhe ia possível discernir os objetos que o comum dos homens tem por serem reais?

GLAUCO - A princípio nada veria.

SÓCRATES - Precisaria de algum tempo para se afazer à claridade da região superior. Primeiramente, só discerniria bem as sombras, depois, as imagens dos homens e outros seres refletidos nas águas; finalmente erguendo os olhos para a lua e as estrelas, contemplaria mais facilmente os astros da noite que o pleno resplendor do dia.

GLAUCO - Não há dúvida.

SÓCRATES - Mas, ao cabo de tudo, estaria, decerto, em estado de ver o próprio sol, primeiro refletido na água e nos outros objetos, depois visto em si mesmo e no seu próprio lugar, tal qual é.

GLAUCO - Fora de dúvida.

SÓCRATES - Refletindo depois sobre a natureza deste astro, compreenderia que é o que produz as estações e o ano, o que tudo governa no mundo visível e, de certo modo, a causa de tudo o que ele e seus companheiros viam na caverna.

GLAUCO - É claro que gradualmente chegaria a todas essas conclusões.

SÓCRATES - Recordando-se então de sua primeira morada, de seus companheiros de escravidão e da idéia que lá se tinha da sabedoria, não se daria os parabéns pela mudança sofrida, lamentando ao mesmo tempo a sorte dos que lá ficaram?

GLAUCO - Evidentemente.

SÓCRATES - Se na caverna houvesse elogios, honras e recompensas para quem melhor e mais prontamente distinguisse a sombra dos objetos, que se recordasse com mais precisão dos que precediam, seguiam ou marchavam juntos, sendo, por isso mesmo, o mais hábil em lhes predizer a aparição, cuidas que o homem de que falamos tivesse inveja dos que no cativeiro eram os mais poderosos e honrados? Não preferiria mil vezes, como o herói de Homero, levar a vida de um pobre lavrador e sofrer tudo no mundo a voltar às primeiras ilusões e viver a vida que antes vivia?

GLAUCO - Não há dúvida de que suportaria toda a espécie de sofrimentos de preferência a viver da maneira antiga.

SÓCRATES - Atenção ainda para este ponto. Supõe que nosso homem volte ainda para a caverna e vá assentar-se em seu primitivo lugar. Nesta passagem súbita da pura luz à obscuridade, não lhe ficariam os olhos como submersos em trevas?

GLAUCO - Certamente.

SÓCRATES - Se, enquanto tivesse a vista confusa -- porque bastante tempo se passaria antes que os olhos se afizessem de novo à obscuridade -- tivesse ele de dar opinião sobre as sombras e a este respeito entrasse em discussão com os companheiros ainda presos em cadeias, não é certo que os faria rir? Não lhe diriam que, por ter subido à região superior, cegara, que não valera a pena o esforço, e que assim, se alguém quisesse fazer com eles o mesmo e dar-lhes a liberdade, mereceria ser agarrado e morto?

GLAUCO - Por certo que o fariam.

SÓCRATES - Pois agora, meu caro GLAUCO, é só aplicar com toda a exatidão esta imagem da caverna a tudo o que antes havíamos dito. O antro subterrâneo é o mundo visível. O fogo que o ilumina é a luz do sol. O cativo que sobe à região superior e a contempla é a alma que se eleva ao mundo inteligível. Ou, antes, já que o queres saber, é este, pelo menos, o meu modo de pensar, que só Deus sabe se é verdadeiro. Quanto à mim, a coisa é como passo a dizer-te. Nos extremos limites do mundo inteligível está a idéia do bem, a qual só com muito esforço se pode conhecer, mas que, conhecida, se impõe à razão como causa universal de tudo o que é belo e bom, criadora da luz e do sol no mundo visível, autora da inteligência e da verdade no mundo invisível, e sobre a qual, por isso mesmo, cumpre ter os olhos fixos para agir com sabedoria nos negócios particulares e públicos.

17 de fev de 2010

CLAUDOMIR TAVARES: Verdes mantém projeto de candidatura própria

Ninguém que não seja o presidente está autorizado a conversar em nome do partido

O presidente municipal do PV, Claudomir Tavares, secretário estadual de assuntos parlamentares afirmou na manhã de ontem ao Blog ‘Olhar 43’ (Informativo do PV/Pirambu) que “o projeto de candidatura própria ao governo de Sergipe está mantido e que agora, com a saída do professor Anderson Góis da disputa, numa opção pessoal dele, a indicação da vaga de pré-candidatura ao Governo, que nunca esteve fechada em seu nome, mas que era o nome em potencial, agora está mais aberta ainda”. Segundo ele, “a Executiva Estadual deverá se reunir nos próximos dias para dar um direcionamento que deve ser seguido pelo partido nesta fase em que se discutem as articulações para as composições dos times que irão a campo em busca dos votos dos sergipanos em 03 de outubro de 2010”, acrescenta. Claudomir afirmou que, “ninguém, que não seja o presidente estadual do partido, Carlos Pinna Júnior ou o dirigente nacional Reinaldo Nunes, estão autorizados a estabelecer toda e qualquer conversa com este ou aquele segmento político em nome do PV”, completa. Confira na íntegra a entrevista que reproduziremos baixo:

OLHAR 43 – Dizem que no Brasil, o ano só começa depois do Carnaval. E para o Partido Verde, quando ele começou?
CLAUDOMIR TAVARES – Esta questão de fim e início de ano é um rito de passagem. Para mim, pessoalmente, a vida continua, pois com o dizia Cazuza, “o tempo não para”. Ainda segundo Renato Russo, “não temos mais o tempo que passou, mas temos todo o tempo, do Mundo, por isso, não temos tempo a perder”. É pautado nos ensinamentos destes dois poetas da década de 80, época em que nasceu o Partido Verde, que acreditamos piamente que um partido político não deve pautar sua existência apenas e exclusivamente em disputas eleitorais, como, aliás, fazem a maioria dos partidos políticos brasileiros, provavelmente no mundo. No nosso caso, passamos o chamado Ciclo Natalino, que vai das celebrações natalinas, passando pelas festas de Santos Reis e procissões do Bom Jesus dos Navegantes e chegamos ao Ciclo Carnavalesco, que se encerra hoje, discutindo política, ainda que em carater informalmente, sem deliberação.

OLHAR 43 – E qual o teor destas conversas informais?
CLAUDOMIR – Ah, foram as mais diversas políticas. Nos mantivemos em permanente contato com a militância do PV local, com a direção estadual através do presidente Pinna (Carlos Pinna de Assis Júnior) e com a direção nacional através de Reynaldo (Nunes de Morais, tesoureiro da Executiva Nacional). A temática girava em torno do posicionamento que tomaremos a respeito das eleições 2010 e da organização partidária em Sergipe. Temos um entendimento preliminar, em função do que vínhamos discutindo em 2009, que o projeto de candidatura própria ao governo de Sergipe está mantido e que agora, com a saída do professor Anderson Góis da disputa, numa opção pessoal dele, a indicação da vaga de pré-candidatura ao Governo, que nunca esteve fechada em seu nome, mas que era o nome em potencial, agora está mais aberta ainda. A Executiva Estadual deverá se reunir nos próximos dias para dar um direcionamento que deve ser seguido pelo partido nesta fase em que se discutem as articulações para as composições dos times que irão a campo em busca dos votos dos sergipanos em 03 de outubro de 2010. Ninguém, que não seja o presidente estadual do partido, Carlos Pinna Júnior ou o dirigente nacional Reinaldo Nunes, estão autorizados a estabelecer toda e qualquer conversa com este ou aquele segmento político em nome do PV. Mesmo assim, as conversas estabelecidas por estes dirigentes, legitimadas pela condição de que ocupam nas respectivas executivas estadual e nacional, devem ser socializadas com o conjunto dos dirigentes e estes, com o conjunto da militância. Defendemos que nossas posições sejam tomadas em carater coletivas e com a aquiescência dos que constroem o Partido Verde em Sergipe.

OLHAR 43 – Recentemente o governador Marcelo Déda afirmou que estaria aberto para conversar com o Partido Verde no sentido deste vir a integrar o leque de alianças em apoio ao seu projeto de reeleição. Há esta possibilidade?
CLAUDOMIR – De conversar com Déda, sim, mas para dizer a ele que esta aliança só pode acontecer se o governador despir de sua vaidade, arrogância, corrigir as incontáveis disparidades e distorções do seu governo e vir a apoiar a pré-candidatura de Marina Silva, que tem uma história irretocável, e não de Dilma, para presidência e daquele que for escolhido pré-candidato do PV ao governo de Sergipe e ninguém em sã consciência, conhecendo Déda como conhecemos, acredita que ele o fará. Déda tem compreensão da dimensão política que se avizinha e que aliança política e eleitoral se faz com os companheiros que governam, que lhes dão sustentação, e nós nunca fomos chamados para opinar sobre seu governo. Ele sabe que seu governo é uma tragédia, e que ele é o maior desastre político que aconteceu em quase 190 anos de emancipação política de Sergipe, em 121 anos de República.

OLHAR 43 – Recentemente o professor Anderson Góis surpreendeu a todos anunciando sua retirada do processo eleitoral, e que em função de uma intervenção cirúrgica que faria na tireóide, não disputaria mais a provável indicação de seu nome ao governo de Sergipe, só devendo fazê-lo em 2012, quando ocorrem as eleições municipais. Qual a avaliação que você faz deste cenário sem o professor Anderson na disputa?
CLAUDOMIR – Quando do ingresso de Anderson ao PV no mês de maio de 2009, encarei com desconfiança a sua pré-candidatura ao governo de Sergipe, pois não via com bons olhos alguém entrar em um partido para ser candidato de imediato, algo que deve ser fruto de uma construção política e que deveria ser feita a partir de convivência. Entendo que candidaturas a quaisquer cargos devem ser resultado de convivência. Aos poucos, passei a ser um dos maiores defensores de seu nome como nosso pré-candidato a governador, inclusive o acompanhei a Propriá (agosto/2009) e o trouxe a Pirambu (setembro/2009). De repente fomos surpreendido com a sua saída, alegando questões de saúde. Acho que o mesmo se precipitou e não precisava antecipar qualquer posição sem saber o resultado da sua intervenção cirúrgica. Hoje o vejo fora do processo, pelo menos para uma candidatura majoritária, e assim me posicionarei dentro da Executiva Estadual, mas acredito que, se o mesmo sentir-se recuperado em seu pleno estado de saúde, como parece que está, defendemos sua presença na chapa proporcional, disputando um mandado de deputado federal ou estadual, como queira.

OLHAR 43 – Você foi citado como um dos prováveis pré-candidatos a deputado federal em 2010. Mantém ou recua com este projeto?
CLAUDOMIR – Nunca tive este projeto. Em 2006 coloquei meu nome a disposição para ajudar no processo de alcançar a cláusula de barreira, até o partido ser atropelado e ser levado em carater oportunista e de forma monocrática pelo ex-presidente de triste memória Armando Batalha para os braços do então governador João Alves Filho. Nosso nome foi citado em julho, salvo engano, pelo professor Anderson Góis, como um companheiro com inserção na região dos Vales do Japaratuba e Cotinguiba, alguém que poderia ter um bom desempenho nesta região, inclusive no Baixo São Francisco. São regiões onde atuamos não só politicamente, mas em defesa das questões ambientais e fazemos um trabalho de comunicação alternativa. Confesso que este convite e defesa de Anderson foram não só um reconhecimento, mas me colocou uma responsabilidade enquanto militante histórico do partido. Pensei, refleti, comuniquei aos companheiros de Pirambu, Japaratuba, Malhada dos Bois, Propriá, entre outras cidades, encontrei ecos, mas comuniquei em novembro ao presidente Pinna que havia feito opção por não entrar na disputa e faria este anúncio publicamente depois do Carnaval. Nesse caso, o ano começou depois do Carnaval (risos) e estou anunciando com exclusividade ao partido através do Blog.

OLHAR 43 – Você milita politicamente em Pirambu, Japaratuba e Propriá. Qual o posicionamento do PV em relação às administrações municipais dos prefeitos Paulo Britto (PT), Lara Moura (PR) e José Nilton (PMDB)?
CLAUDOMIR – São situações diferentes, e que merecem avaliações distintas. Não milito politicamente em Japaratuba e Propriá, apesar da relação que mantemos com os companheiros de ambas as cidades. Milito politicamente em Pirambu, onde disputamos em 2008 as eleições para vice-prefeito. Mas posso avaliar que o partido participa das administrações municipais de Japaratuba, ainda que de forma inferior a sua importância, com Mauricio de Marita na secretaria adjunta de obras e nossa principal referência no município, Silvestre Ferreira, como Diretor e não Secretário de Meio Ambiente, e isto precisa ser avaliado a partir das reuniões que teremos no mês de março, quando será discutida, inclusive, a permanência, ou não dos verdes no governo da prefeita Lara Moura. O certo é que o partido orientará seus filiados e aqueles que estiveram em nosso raio de influência a votar nos candidatos do partido e não nos candidatos da prefeita, e isso a família Moura tem consciência, como imoral seria se fosse o contrário, em que nós cobrássemos que estes apoiassem os candidatos verdes, embora aceitássemos seus apoios, eles seriam bem vindos. Com relação à Propriá, não participei da composição que levou o partido a apoiar a reeleição do prefeito Paulo Britto. O acordo deu-se via direção estadual, sendo informado depois do mesmo ter sido sacramentado. Por isso, não tenho e não quero influenciar os companheiros de Propriá em suas decisões. Mas há um entendimento que o vereador Marcos Oliveira, líder do prefeito na Câmara Municipal, deva apoiar os candidatos do partido e não os candidatos do prefeito. E isso vale tanto para a chapa majoritária quanto proporcional. Acreditamos que a relação entre o PV e o prefeito não é uma relação promiscua e conhecendo Paulinho como conhecemos, ele não será empecilho para entender que temos caminhos diferentes a nível estadual e municipal e que nossa aliança é tão somente municipal, e que isso deva ser respeitada de forma bilateralmente, assim como esperamos que seja em Japaratuba. Aqui em Pirambu nossas posições são muito claras. O partido tem defendido publicamente sua condição de oposição ao prefeito José Nilton, ainda que não a fazendo de forma sistemática, mas sim propositiva, de forma responsável, sem rancores, estando claro que nossos objetivos e projetos são diametralmente opostos. A militância verde sabe que o nosso projeto é de candidatura própria em 2010 e 2012 e que a sociedade pirambeuse vai ficar conhecendo com mais clareza a partir de 06 de março quando estaremos apresentando o Projeto ‘Caravana da Esperança’ em reunião que realizaremos no bar da Amendoeira.

OLHAR 43 – Em que consiste o Projeto ‘Caravana da Esperança’?
CLAUDOMIR – Sabemos das nossas limitações, de recursos, de quadros, e de outros componentes fundamentais no exercício da atividade política. Além disso, não somos políticos profissionais de só pensarmos na próxima eleição. A ‘Caravana da Esperança’ consiste em levar o PV mensalmente aos povoados e bairros de Pirambu, reunindo-se e dialogando com a comunidade, apresentando as propostas do partido, discutindo seus problemas e propondo soluções a curto, médio e longo prazo, de quem está fora do poder, mas que almeja alcançá-lo nas próximas eleições 2010 e 2012. Não estamos fazendo campanha política, até porque estamos em um momento pré-eleitoral, em que apresentamos o nome de Marina Silva e, no entendimento de alguns companheiros, do nosso pré-candidato a prefeito em 2012.

OLHAR 43 – Pré-candidato a prefeito?
CLAUROMIR – Em 2012, com o final das coligações proporcionais, teremos que forçosamente, lançar chapa completa de candidatos a vereadores. Assim, as filiações que forem feitas neste período, e nós já as estamos efetuando, terão este indicativo. A discussão de que teremos candidato a prefeito já é uma discussão superada, não se discute mais. Em 2008 a discussão passava pela presença do PV na chapa majoritária. Hoje ela passa pelo nome do PV como cabeça da chapa, estando aberta, e temos tempo para isso, a composição para vice-prefeito. Partidos aliados serão chamados no tempo e na agenda certa. Este ano teremos eleições nacional e estadual e esta discussão fica para mais adiante. No partido há quem defenda a indicação já em 06 de março do nome que irá disputar em 2012, enquanto outros defendem que primeiro passamos a construir o projeto. Os que defendem o lançamento imediato, pó fazem por entender que não temos tempo a perder, e os que defendem a construção do projeto, acreditam que temos todo tempo do mundo.

OLHAR 43 – Para finalizar, o que teria a acrescentar?
CLAUDOMIR – Apenas dar as boas vindas aos nossos filiados e dizer que o PV está aberto a todos que acreditam que, como dizia Eduardo Galeano, “a linha do horizonte não é um objetivo a ser alcançado, mas para nos ensinar a caminhar”. Uma Feliz Páscoa a todos e a todas!

Fonte: OLHAR 43 – pvpirambu.blogspot.com – Em: 16/02/2010

11 de fev de 2010

Dr Nilton anuncia nova secretária nas próximas horas

Dúvida do prefeito era saber se a escolhida teria o apoio da sociedade pirambuense, nuvem que se desfaz diante da aceitação com simpatia do nome que for escolhido, pelos mais diferente atores sociais
Por Claudomir Tavares * | claudomir@tribunadapraia.net
Atualizada às 23h31min

Convencido dos estragos promovidos pela atual secretária municipal de Educação, professora Maria de Lourdes Cardoso Gouveia, que teve a pior avaliação na História Educação em Pirambu, inclusive obtendo nota ZERO atribuído pelos profissionais do magistério, consoante votação realizada pelo SINTESE e conceito PÉSSIMO em pesquisa efetuada por este portal, ambas consultas realizadas entre o final de novembro e início de dezembro de 2009, o prefeito José Nilton de Souza (PMDB) deverá anunciar nas próximas horas o nome da nova titular da pasta que, a partir da próxima semana, assumirá o comando da mais sintomática área social.

Num gesto elegante, o prefeito aguardava que até ontem 10, a ainda secretária entregasse de forma espontânea o cargo (o que seria uma saída honrosa diante da situação de desgaste inimitável e inigualável), e que atenderia um clamor de pais de alunos, estudantes e dos profissionais da educação, além do conjunto do grupo político que lhe dá sustentação, de lideranças comunitárias e sociais, mas esta faz questão de insistir que quem quiser que espere ela entregar. Assim, não restou outra alternativa ao prefeito se não tomar a iniciativa da sua exoneração, comunicando-lhe também nas próximas horas.

O anúncio do novo nome deverá ser anunciado, num primeiro momento, as forças políticas que lhes dão sustentação e em seguida daria a publicidade aos demais seguimentos da sociedade, e que deverá ser anunciado posteriormente neste espaço. A Tribuna da Praia, então, trabalha com as seguintes possibilidades, diante do que pudemos apurar: o prefeito está reticente da aceitação do nome que deverá anunciar. Consultamos dois possíveis nomes, mas nenhum deles (as) teria, formalmente, sido convidado pelo prefeito, contrariando uma informação dada aqui no final da semana passada e início desta, e que segundo ela, o nome já teria sido escolhido e aceito, colocando algumas condições. De fato o prefeito teria escolhido o nome, mas não teria confabulado com sua escolha, até porque, no perfil do prefeito José Nilton, ele só prefere anunciar algo quando tiver certeza que o fará.

Desde a quarta-feira passada, 03/02 até às 22:30 horas de ontem, 11/02, quando fechamos a Coluna, fizemos uma rápida consulta (uma pesquisa requer planejamento mais elaborado) a diversos atores sociais, para saber da aceitação dos possíveis nomes: a ex-coordenadora do SOMEM (1994/1997) e ex-secretária municipal de Educação (1999), professora Margarida Pereira Mendonça, avaliada pela sociedade pirambuense em recente pesquisa de opinião, como a melhor secretária municipal de Educação da História de Pirambu e a professora Dayse dos Anjos Dórea Bomfim, a grande revelação da gestão educacional em Pirambu no ano de 2009 e como diretora da Escola Municipal Laudelina Moura Ferreira, no povoado Aguilhadas, obteve elevados índices de aprovação popular, verificado junto aos pais de alunos, alunos, educadores e funcionários da educação, o que abriu a possibilidade de vir a ser escolhida para substituir a ainda secretária.

Cabe aqui uma análise do que se propõe o prefeito José Nilton e do nome que poderá anunciar. A professora Margarida Pereira Mendonça pesa a seu favor a experiência, a aprovação popular e a forma democrática como administrou em um ano a educação em Pirambu, tendo entregado o cargo quando lhe faltou condições de levar adiante suas expectativas, engessadas pela primeira administração do ex-prefeito André Moura (1997/2000). O oposto seria a distância do tempo em que foi secretária e os novos elementos balizadores que norteiam a atual seara educacional de nosso município. Há, pois um grande inverno entre 1999 e 2010, 11 anos depois, não obstante a capacidade visionária da professora Margarida, a qual advogamos condição de testemunha, tendo por ela as mais célebres lembranças, e que vão além da educação, vão desde os tempos do Flamenguinho (1984), do qual ela foi a grande madrinha.

A professora Dayse Dória reúne hoje as qualidades de uma educadora que tem nos surpreendido de forma positiva pela sua capacidade de querer cada vez mais em sua sede e rigor científico de se superar e devolver em forma de ações pedagógicas a sociedade a confiança que esta tem lhe depositado. Professora efetiva da rede municipal, com passagens pelas escolas Mário Trindade Cruz (Pirambu), Silvino Antônio de Araújo e Laudelina Moura Ferreira (Aguilhadas), a jovem, mais com uma comprovada e alicerçada bagagem intelectual que inspira confiança, demonstrou ser uma grande gestora, o que levantou as apostas para ocupar o posto mais alto do comando da educação em Pirambu. Mestranda em Educação, investindo na sua formação de pós-graduação ‘stricu-sensu’, Dayse tem não só legitimidade, autoridade, confiabilidade e apoio dos colegas professores (incluindo os dirigentes sindicais e, principalmente, sua base social), da sociedade pirambuense e da comunidade estudantil, elementos fundamentais para dar à estabilidade necessária a educação municipal.

Entre os vários atores sociais (professores, diretores, coordenadores, funcionários da educação, estudantes e pais de alunos), um só sentimento: qualquer que seja a indicada, terá o apoio para iniciar uma virada na educação em Pirambu, o que respingará positivamente no conjunto da administração municipal, que precisa de mudanças, inicialmente pontuais, para em seguida, estruturais. Entre os vereadores, não tem sido apresentadas restrições aos nomes, cabendo a alguns deles uma ligeira simpatia por Dayse Dórea, da mesma forma que outros sentem-se contemplados com a escolha da professora Margarida Mendonça, cujas razões são pontuais, estando no geral, ambas afinadas com o projeto do prefeito José Nilton. De nossa parte, somos suspeitos para externar uma preferência por uma delas, pois temos um carinho todo ele especial por dona Margarida, da mesma forma que conhecemos a idoneidade caráter irretocável de Daysedesde quando ela habitava a mesma rua que eu (João Amaral Lemos), ainda criança. Crescemos na infância e na educação juntos e aprendemos a nutrir um respeito, admiração e simpatia crescente e insessante.

:: ASSEMBLÉIA NA RUA

Proibidos pela ainda secretária municipal de Educação de reunir-se na Escola Municipal Mário Trindade Cruz, os professores da rede municipal numa Assembléia extremamente representativa, reuniram-se em frente ao Estádio Municipal na manhã da última segunda-feira, 08/02, para deliberar sobre os próximos passos da luta para garantir conquistas na elaboração, ainda inconclusiva, do Plano de Cargos e Salários do Magistério, além de discussão a cerca da redistribuição de carga horária entre professores, principalmente da Escola Municipal Mário Trindade Cruz. Em respeito a professora Sônia Maria Santos, diretora da Escola Mário Trindade Cruz, a reunião não foi realizada na escola, pois assim, esta também seria poupada de possíveis ações virulentas de sua superior. Mas no entendimento da categoria, a esta (secretária), falta autoridade, legitimidade para impor qualquer atitude considerada antidemocrática e que nos lembra o tempo de ditadura militar de triste memória.

:: ASSÉDIO MORAL

É grande o número de professores da rede municipal, sentindo-se prejudicados, muitos chorando copiosamente, que estarão processando a atual gestora da Educação Municipal por assédio moral. Nunca, como na gestão da ainda secretária, houve tantas perseguições, disparidades e distorções, cujas chagas na educação marcarão por muito tempo as vidas destes profissionais. Os exemplos são os mais variados e serão tornados públicos a partir da iniciativa das próprias vítimas. Os prejuízos, infelizmente, serão causados aos cofres públicos, quase sempre condenados nestas ações, semelhantes ao que ocorreu em Japaratuba quando era titular da pasta a mesma cidadã que ainda pilota a pasta da Educação.

:: MANIFESTAÇÃO

Indignados com uma série de prejuízos que tem sido cometidos contra a categoria, os profissionais do magistério estarão paralisando as aulas por tempo indeterminado na próxima quinta-feira, 18/02, onde deverão apresentar, entre outros pontos, o abaixo-assinado solicitando do prefeito José Nilton de Souza, a exoneração imediatamente da secretária municipal de Educação. Independente da ação que tomar o prefeito, a manifestação está mantida, pois foi uma deliberação de assembléia e só uma nova reunião desse tipo, pode revogar uma decisão desta magnitude. Naturalmente que, com a nomeação da nova secretária, a reabertura das negociações em novas bases, o tom da manifestação será atenuado.

:: MOÇÃO AOS SERVIDORES DA SAÚDE

Na mesma Assembléia Geral realizada na última segunda-feira, os professores da rede municipal aprovaram uma Moção de Solidariedade aos servidores da saúde (salva-vidas, agentes comunitários de saúde e de endemias), em greve desde o dia 18 de novembro de 2009. O texto será encaminhado as principais lideranças da categoria e ao SINTASE (Sindicato dos Trabalhadores na Área da Saúde em Sergipe) para conhecimento e como um reconhecimento e incentivo a sua luta.

:: MURAL DE RECADOS:

“Claudomir, Uauuuuuu, adoreiiiii o novo layout do site!!! Parabéns!! Bjs” (Rafaela Rodrigues)

:: QUASE 45 MIL ACESSOS DE ABRIL DE 2004 A JUNHO DE 2005

A coluna ‘Fique de Olho’ informa o número de acesso da Tribuna da Praia no segundo trimestre de 2005. Nos meses de abril (4.614), maio (3.977) e junho (4.116) 12.707 acessaram nosso portal. Uma média de 139,6/dia, contra os 151,2/dia do primeiro trimestre de 2005. Somados aos 31.016 acessos até março de 2005, atingimos um total de 43.723 acessos em um ano de operação. Atualmente a nossa freqüência diária é de 3741 acessos/dia, dados atualizados após a informação da média mensal de outubro, novembro e dezembro de 2009. Em abril informaremos a média mensal do primeiro trimestre de 2010. Nas próximas edições, informaremos a freqüência dos meses de julho a setembro de 2005.

:: FRASE DO DIA:

“Os abusos, como os dentes, nunca se arrancam sem dores”. (Marquês de Maricá)

:: ANTERIORES ¹:

08/02/2010 – Uma nova secretária de Educação em Pirambu
01/02/2010 – Governo Déda mente em relação ao Carnaval de Pirambu
26/01/2010 – Era uma vez o Encontro Cultural de Propriá
24/01/2010 – Sindicato cobra diálogo com Paulo Britto

¹ Nota: As postagens anteriores, incluindo esta, estão em nosso Site Oficial: http://www.claudomir.com.br.
___________________________________
* Claudomir Tavares (41) é professor de Sociedade e Cultura da Escola Municipal Mário Trindade Cruz (Pirambu), de Filosofia, Filosofia da Educação e de Cultura Sergipana no Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa (Propriá). Licenciado em História pela UFS (2002), com Pós Graduação em Gestão de Recursos Hídricos (Aperfeiçoamento – Concluído - 2007/2008 / Cursando Especialização – 2009/2010) pela UFS e Didática e Metodologia do Ensino Superior pela Faculdade São Luís de França (2006). Foi secretário geral (2007/2008) e presidente (2008/2010) do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba, membro fundador da Sociedade Sócio-Ambiental do Vale do Japaratuba - SOS Rio Japaratuba (desde 1998), presidente municipal (desde 2008) e secretário estadual de Assuntos Parlamentares do Partido Verde (da Executiva Estadual desde 2005) e Diretor-Fundador do Jornal Tribuna da Praia (Impresso desde 1983 e Online desde 2004). Mantém site, blog, twitter, perfil e comunidade no Orkut.

PSIU: A utilização deste e outros artigos deve respeitar a Lei dos Direitos Autorais. Sua veiculação deve ser previamente autorizada e as informações autorais devem ser mantidas.

Decoração prepara ‘Carnaval do Povo’ em Propriá

Equipe da SEED empenhou-se no final da tarde e início da noite de ontem na decoração do Mirante do Velho Chico, palco da festa momesca na cidade


Buscando repetir o sucesso obtido em 2009, quando trouxe de volta o carnaval de rua na Princesinha do São Francisco, a prefeitura municipal de Propriá divulgou na manhã de ontem, 11, e nós reproduzimos imediatamente neste espaço, a programação do “Carnaval do Povo” 2010, que terá início no próximo sábado, 13 e estende-se até o dia 16 de fevereiro de 2010.

Serão quatro dias de muita alegria na Praça do Povo, assim chamado neste momento Mirante do Velho Chico/Orla Ribeirinha, com doze bandas fazendo a alegria dos foliões todas as noites e, durante o dia, a prefeitura vai estar incentivando os blocos de rua, que vão dar um brilho especial à cidade com muito frevo no pé, o tradicional Zé Pereira e muita irreverência.

Todos os detalhes da festa já foram definidos; a estrutura de som e palco, segurança, trânsito, ornamentação e divulgação. No final da tarde de ontem, 11, equipe da secretaria municipal de Educação (foto), como sempre, esteve empenhada na decoração do palco das manifestações momescas, cuja programação prevê todas as tardes a partir das 14h, desfiles de Zé Pereira e à noite, a partir das 21h, shows na Praça do Povo, na orla, com super atrações, conforme o que segue abaixo:

:: DIA 13/02 – SÁBADO:

21h – Os Pivetões
23h – Banda OS3
01h – Os Rebeldes.

:: DIA 14/02 – DOMINGO:

14h – Banda de Frevo ‘Os Bárbaros do Frevo’
21h – Banda Styllus
23h – Jan Bahia
01h – Babaê.

:: DIA 15/02 – SEGUNDA-FEIRA:

14h – Banda de Frevo ‘Somos Todos Nós’
21h – Banda Suingueira
23h – Sthyllo Matta
01h – Girabamba (a banda da bicicletinha).

:: DIA 16 – TERÇA-FEIRA:

14h – Banda de Frevo ‘Somos Todos Nós’
21h – Banda Só Balanço
23h – Babalú
01h – Muvucaí.

A Tribuna da Praia, em parceria com correspondentes no Baixo São Francisco, estará divulgando diariamente neste espaço, os melhores momentos (Textos: Patrício Lessa/ Fotos: Maykon Christian) da festa momesca na cidade de Propriá. Aguarde e confira!

Anteriores:

11/02/2010 – Tem Carnaval em Propriá de novo!!! Venha conferir!!!

TODAS AS NOTÍCIAS