27 de set de 2009

Juventude católica reuniu-se em Pirambu

Cidade sediou II Encontro de Jovens da Renovação Carismática Católica
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br

Jovens de diversas comunidades católicas do Vale do Japaratuba, Grande Aracaju e Baixo são Francisco reuniram-se nos dias 26 e 27 de Setembro no Salão de Artes e Ofícios (antiga ‘A Palhoça’) no II Encontro de Jovens da Renovação Carismática Católica (RCC) em Pirambu. O encontro foi realizado pelo Grupo de Oração “Unidos em Cristo”, uma das mais sólidas unidades da Renovação Carismática Católica em Sergipe e constituiu-se em um dos mais bem sucedidos eventos da organização em Sergipe.

Tendo como tema “Todo aquele que está em Cristo é uma nova criatura. Passou o que era velho; eis que tudo se faz novo!” (II Cor. 5,17), o encontro constou de muita animação, orações, procissão, boate cristã, louvação na praia, missas e pregações com os seguintes temas: “Você é insubstituível”, “Afetividade e Sexualidade”, “Filho Pródigo”, “Maria, minha mãe” e “Com Jesus tu vais vencer”. Diversos convidados assumiram as pregações, entre eles o Pe Jideilton, administrador paroquial de Pirambu, Luciano, coordenador estadual da RCC, Fernanda, coordenadora estadual do Ministério Jovem, Lindo, coordenador da RCC/Pirambu, José Emerson, coordenador de jovens da RCC/Pirambu, Bruna Lisboa, coordenadora de jovens da RCC/Pirambu e Artur, ex-coordenador estadual da RCC.

Atraindo jovens – A variedade, diversidade e ecletismo da programação foram os elementos responsáveis pela mobilização e atração dos mais de 200 jovens que se fizeram presentes aos vários locais do encontro (Salão de Artes e Ofícios, Igreja de Nossa Senhora de Lourdes e Praia de Pirambu). Boate Cristã, shows de calouros, atividade na praia, dança e teatro foram atrações que se somaram as atividades digamos de cunho espiritual, mas que se completara. “Este encontro está sendo muito bom’, disse a pequena Renata, da cidade de Pacatuba. “A importância do encontro pode ser confirmada pela presença de representantes de diversas cidades das dioceses de Propriá e Aracaju, pela cobertura da imprensa, como a TV Canção Nova e o jornal online Tribuna da Praia”, testemunhou Ivamilton Nascimento, o popular Lindo.

PSIU: Siga a TRIBUNA DA PRAIA no Twitter | Acesse: http://twitter.com/tribunadapraia
___________________________________
* A utilização deste e outros artigos deve respeitar a Lei dos Direitos Autorais. Sua veiculação deve ser previamente autorizada e as informações autorais devem ser mantidas

23 de set de 2009

A passagem de Dom Pedro II por Porto Real do Colégio

“De Propriá fui a Porto Real do Colégio, onde houve antiga igreja e convento dos jesuítas, que já não existem...” (Dom Pedro II)
Por Ronaldo Pereira de Lima ¹ | romperlim@bol.com.br

Antes de Colégio se tornar Vila, Pedro II, dirigindo-se a Cachoeira de Paulo Afonso; deu porto nas cidades de Propriá e Porto Real do Colégio. Nesta, o fato ocorreu num domingo de 16 de outubro de 1859.

Os fatos acima mencionados encontram-se registrados pelo próprio imperador no seu diário de viagem, quando esteve na freguesia de Colégio, transcrito por Mata (1989:67):

16 de outubro de 1859
“De Propriá fui a Porto Real do Colégio, onde houve antiga igreja e convento dos jesuítas, que já não existem... apareceram bastante descendentes dos índios, de raça já bastante cruzada (grifo nosso), trazendo alguns cocares de penas com seus arcos e flechas de jaqueta, atirando uma delas por ordem minha duas flechas, das quais acertou uma, num morão assaz largo e a pouca distância (PEDRO II, 1985: 111).

Segundo a tradição, o pajé Manoel Baltazar, tendo este aproximadamente 65 anos, foi quem atirara a flecha por ordem do Imperador.
__________________________________________
¹ LIMA. Ronaldo Pereira de. “Às Margens do Rio Rei”. Aracaju: J. Andrade, 2006. p. 26

Referências Bibliográficas:

MATA, Vera Lúcia Calheiros. A semente da terra. Rio de janeiro, 1989, 360 p. Tese (Doutorado em história dos índios Cariri-xocó em Porto Real do Colégio) – Universidade Federal do Rio de Janeiro.

22 de set de 2009

FIQUE DE OLHO: “Pe Geraldo foi contratado para tirar os pecados do governo Déda”

Ex-prefeito de Japaratuba irá ganhar um salário de mais de R$ 6 mil reais para não fazer nada
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br


Para quem ainda tinha dúvida sobre o tipo de político que é o ex-prefeito de Japaratuba, o belga Gerard Lothaire Julles Olivier, o Padre Geraldo (PT), a sua nomeação para um cargo no governo do “menino traquino” Marcelo Déda (PT) caiu como uma luva. Segundo o deputado estadual Augusto Bezerra, o homem que pilotou a prefeitura da terra de Arthur Bispo do Rosário vai ganhar a bagatela de mais de R$ 6 mil reais para não fazer absolutamente nada. O deputado Venâncio Fonseca, em tom irônico, disse que “o padre Geraldo foi contratado para tirar os pecados do governo”. É só o começo do Metrô da Alegria, que irá contratar mais de 3 mil cabos eleitorais, um dos maiores escândalos da História política de Sergipe, no Brasil. Os apressadinhos vão nos dizer “há, mais todos fizeram isso”. Adianto dizendo que sempre condenamos esta prática imoral, praticada pelos governos que acompanhei: João Alves, Valadares e Albano Franco, que juntos totalizaram 24 anos de massacre ao povo sergipano. Sempre advogamos a idéia contra este que é considerado pelos homens de bem como um “assalto aos cofres públicos”.

Na sua trajetória, cuja marca foi fundamental para lhe conduzir ao palácio Adélia Franco, Déda Chagas sempre combateu este tipo de prática indecorosa, imoral, um tapa na cara do povo sergipano. O padre Gerard sempre combateu isso, mas sua administração, considerada uma tragédia, pelos resultados que apresentou (ou deixou de apresentar), provaram o contrário daquilo que sempre pregou. Para quem o ainda o classificava como um político ético, cai por terra esta, recomendamos a refazer este entendimento.

Ninguém, absolutamente ninguém, tem moral para defender a idoneidade do santo, digo, do ex-prefeito padre Geraldo, que é mais um político aposentado pelo povo de Japaratuba, que ao não eleger Hélio Sobral para a prefeitura de Japaratuba, não o fez por mérito da vencedora Lara Moura, hoje assim como o padre, aliada de Déda, ou por deméritos do então vice-prefeito, o fez por reprovar o ‘modus operandi’ da desastrosa administração do santo padre, digo, do ex-prefeito de triste memória.

:: Escândalo das cestas básicas

Está para estourar um escândalo das maiores proporções em uma cidade de Sergipe. Depois de suspensa na gestão de uma ex-secretária, por contingência de recursos e para revisão do programa, a distribuição de cestas básicas retornarão e de forma ampliada. Seria uma medida paliativa, compensatória que merecia nossos aplausos se na forma de distribuição não envolvesse a famosa troca de favores. Através desta, cada vereador aliado será o responsável pela quota de 20 cestas, que se confirmada, constitui-se em um escândalo que pode levar instituições policiais e judiciárias a agir em defesa da ética, da moralidade, do ajustamento do uso coerente de recursos que pertencem ao povo sergipano. Estamos de olho!

:: Zé Dirceu em Sergipe

Seria cômico se não fosse trágico. O ex-ministro, ex-deputado, ex-presidente do PT Zé Dirceu, o homem que operou o Mensalão, maior escândalo de corrupção neste país veio em 2008 a Sergipe e naquela ocasião os capas pretos do PT em Sergipe se esquivaram como o diabo foge da cruz para não recebê-lo, pois não cairia bem para ‘os homens de bem’ receber um político manchado pelas marcas da roubalheira. Não é que na última segunda-feira, Dirceu retornou a Sergipe para orientar a militância política a eleger Sílvio Santos e Zé Eduardo respectivamente presidentes estadual e nacional do PT? Além disso Zé disse que o nome de Déda poderia compor como candidato a vice a chapa de Dilma Roussef para disputar a presidência da República. Aí a tragédia seria uma contribuição de Sergipe para o Brasil. Pela forma como se relaciona com a sociedade sergipana em geral e a classe trabalhadora em particular, Déda é considerado a maior tragédia, a maior decepção, frustração, inimigo número 1 dos trabalhadores sergipanos. Ninguém merece!

:: Dois palanques

As eleições 2010 reservam para o município de Japaratuba situações inusitadas. O governador Marcelo Déda irá a cidade para subir em dois palanques: em um deles, o preferido de Déda, ele esbravejará ao lado de André Moura, seu pré-candidato preferencial a deputado federal, da prefeita Lara Moura, do vice-prefeito Pedro Moura, do presidente da Câmara de Vereadores Pedro da Cultura e aliados do grupo comandado pelos mouras. No segundo palanque, Déda falará como um petista puro, como o arauto da mudança ao lado do ex-prefeito e seu aspone Pe Gerard Lothaire Julles Olivier, do ex-prefeito Hélio Sobral, da deputada estadual e atual secretária da inclusão social Conceição Vieira, e daqueles que ainda não aderiram ao grupo Moura no município. Será que a deputada estadual Ana Lúcia subirá no mesmo palanque de Conceição ou montará um palanque alternativo?

:: Contas do padre não foram votadas

Enviadas pelo Tribunal de Contas do Estado, parte das contas da administração do ex-prefeito Pe Gerard Olivier não foram colocadas em pauta para votação pelo presidente da Câmara de Vereadores Pedro da Cultura. Caso estas não sejam votadas neste ano, serão devolvidas para serem reapresentadas mais na frente. É uma estratégia de garantir os mandatos dos vereadores Ronaldo da Sapucaia (PSB) e Valdemiro de Jesus (PT), eleitos pelo grupo do padre, mas totalmente integrados ao projeto da prefeita Lara Moura. Entendemos a questão da seguinte forma: como ex-aliados, as contas do padre incluem como parte do projeto o ex-secretário Ronaldo da Sapucaia e o ex-fornecedor Valdemiro de Jesus, é dado como certo os votos favoráveis dos dois vereadores. Mais na frente, estes poderão reprovar as contas e, solicitados seus mandatos por infidelidade, a justiça não teria tempo hábil para cassá-los em função da tramitação que garantia a conclusão dos seus mandatos. Mas como não haverá janela, tanto Ronaldo como Valdemiro só poderão disputar novos mandatos pelos seus atuais partidos. E assim eles terão que dar adeus a Câmara Municipal em 31 de dezembro de 2012.

:: Fidelidade Verde

O Partido Verde elegeu na última eleição 17 vereadores e um vice-prefeito. O partido está presente em praticamente todos os municípios sergipanos. A renovação de seus diretórios obedecerá à estrita fidelidade dos seus integrantes. A Executiva Estadual entende que não dá para permanecer no PV dirigentes, lideranças que não votem nos possíveis candidatos do partido. Os aliados nos vários municípios terão que entender que as alianças com o PV elas são pontuais, locais, municipais, portanto não podem, nem deve cobrar que os verdes participantes de suas administrações votem nos candidatos que lhes apetecem. Está dado o recado!

:: Conceição prefeita?

Na cidade há um boato (e sendo boato, não podemos atribuir credibilidade) de que a deputada estadual Conceição Vieira (PT) estaria pensando em candidar-se a prefeitura de Pirambu. Enfrentaria o já declarado pré-candidato da família Moura, o empresário Elinho Martins (DEM). Como entra a última e a próxima eleição municipal temos uma eleição estadual, o atual prefeito ainda tem 3 anos e três meses de mandato, é melhor aguardar os acontecimentos.

:: Frase da Semana:

“Nada mais parecido com um João, que um Déda no poder” (Claudomir Tavares)

Rio agoniza e deixa população preocupada


 
O constante avanço do mar e a falta de peixes e camarões no rio Japaratuba tem chamado a atenção das autoridades. Em Pirambu, no litoral Norte de Sergipe e município onde há o encontro desse rio com o oceano, a água já avançou cerca de 150 metros e ameaça casas e bares que ficam na beira da praia. Além disso, barcos de pesca estão encontrando dificuldades para sair da costa, já que o nível do rio está baixo.

Esta semana uma comissão formada por representantes das principais cidades afetadas, técnicos e dirigentes do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba (CBHRJ) e de outros órgãos ligados ao meio ambiente da região visitaram alguns pontos do rio para descobrir o que está causando esse fenômeno. A partir daí, será elaborado um relatório, que vai fazer parte de um estudo sobre o impacto ambiental na região que será entregue ao Ministério Público (MPE/SE), Ibama e Adema.

A primeira parte da viagem foi por terra. A equipe visitou propriedades cortadas pelo rio e conversou com pessoas que tiram o sustento da família das águas do Japaratuba. A pouca produtividade do rio foi o principal ponto de reclamação de todas as pessoas. “Esse rio aqui já criou muitas famílias, mas hoje não tem quem se sustente só dele. De jeito nenhum, não tem quem diga que consiga viver só do camarão ou do peixe que pesca aqui. Não tem como”, reclamou um pescador, que preferiu não se identificar.

Em diversos locais foram constatados graves problemas ambientais que mudaram a paisagem e o ecossistema da região. Para o técnico ambiental Luiz Carlos Sousa Silva, toda essa mudança está sendo causada por atitudes erradas do homem. “Pelo que pudemos constatar a agressão ao meio ambiente aqui começou quando interferiram no curso do rio. Isso mexeu com todas as espécies animais e vegetais que vivem da água. É uma coisa muito séria e precisa ser reparado o quanto antes para que a vida volte ao normal em torno do Japaratuba” afirma.

A segunda parte da visita aconteceu pelo rio. Toda a comissão, a bordo de um barco de pesca, conheceu de perto as dificuldades relatadas pelos pescadores e a situação do Japaratuba. Em muitos trechos puderam ser vistos bancos de areia, o que obrigou o comandante a fazer verdadeiras manobras para conseguir passar sem encalhar a embarcação. Ao longo do trajeto, os únicos barcos avistados foram pequenas canoas em busca de siris e caranguejos.

Depois de cerca de dez quilômetros percorridos, a comitiva chegou a um dos pontos mais críticos do rio. Nele, a água baixa e sem força perde espaço para a vegetação, que toma o espaço e impede a navegabilidade de qualquer embarcação. Segundo os pescadores que acompanharam a comissão, essa situação se estende por cerca de cinco quilômetros. Daquele ponto o barco teve que voltar, porque não tinha mais como ir adiante.

Passagem Molhada

Segundo denúncias de alguns moradores da região, um grande fazendeiro construiu uma estrada cortando o rio (chamada de passagem molhada) para ligar dois terrenos de sua propriedade. Essa obra estaria represando a água do Japaratuba e impedindo o seu fluxo normal. “Ele aterrou o rio, porque a propriedade dele é de um lado e do outro. Daí ele precisava passar com os caminhões, tratores e a caminhonete, foi lá e fez essa passagem molhada. Isso não é permitido por lei, porque esse rio aqui é navegável. Ele não pode fazer isso”, afirma José Ricardo Almeida da Cruz, proprietário de terras vizinhas às desse fazendeiro.

O relatório completo sobre o impacto ambiental da área ainda será concluído pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba, na qual as causas serão apontadas e possíveis soluções sugeridas. Mas os representantes das cidades afetadas já estão ansiosos para resolver a questão.

“O próximo passo é aguardar esse laudo do comitê para que a gente possa tomar as decisões legais e resolver o quanto antes isso, porque quem está sofrendo é o povo. Porque pode ficar sem ter o que pescar e o impacto ambiental é incalculável”, advertiu Juarez de Deus, presidente
da Câmara de Vereadores de Pirambu.

Para o vereador da cidade de Japaratuba Rui Brandão, a união de força é fundamental para que o objetivo seja alcançado. “Esse rio tem uma importância econômica muito grande para todos dessa região. Toda a comunidade deve estar envolvida nisso e essa interação com os outros municípios vai deixar essa campanha cada vez mais forte, e tenho certeza que conseguiremos o nosso objetivo” relata.

Além do prejuízo econômico e ambiental, os problemas do Japaratuba estão atrapalhando diversos projetos turísticos na região. Segundo o diretor de Meio Ambiente de Carmópolis, Alisson Braga, a prefeitura tem o intuito de promover viagens de catamarã da cidade até a foz, no município de Pirambu. Mas o rio nessa situação inviabilizaria os passeios.

“A ideia é sair lá do povoado Aguadas, em Carmópolis, e vir até Pirambu pelo rio. Mas, como a gente viu, tem um imenso trecho que não dá para passar. Com esse problema não temos como trabalhar essa questão turística como pretendemos”, ressalta Alisson. Resta à população aguardar pelas próximas ações do comitê e dos poderes públicos locais para ter de volta o rio Japaratuba como era antes.

21 de set de 2009

Patrício Lessa: uma ILHA de audiência

Diversidade, criatividade, interatividade através dos microfones da Ilha FM de Propriá
Por Claudomir Tavares * | claudomir@infonet.com.br


Patrício Lessa é um comunicador que tem impresso seu nome na História da radiofonia sergipana. Com uma voz cativante, um sorriso contagiante e uma empatia que contagia seus ouvintes, ele está na rádio Ilha FM (102,9 MHZ) da cidade de Propriá em uma variedade de horários. De segunda a sexta-feira, Patrício está no ar através de três programas sequenciais. A partir das 15 horas el assume o comando do ‘Show da Cidade’, levando uma variedade de música aos seus ouvintes. O programa estende-se até às 15 horas, quando Patrício passa a apresentar o ‘Top 10’, uma seleção das mais pedidas na Programação da Ilha durante todo o dia.

A grande coqueluche da cidade, que tem feito eco no Baixo São Francisco é o Programa ‘Momento de Amor’, uma agradável surprese que tem levado o jovem locutor a condição de uma unanimidade entre a grande legião de ouvintes. “Neste momento toco flash back nacional e internacional, acompanhado de versos romântico de pensadores famosos e de autores desconhecidos”, disse Patrício. “É um programa que sinto que agrada muito aos ouvintes. Por ser no início da noite dá pra relaxar legal”, completa Lessa.

No sábado Patrício retorna aos estúdios da Ilha FM para apresentar mais dois programas. Das 14 às 17 horas vai ao ar o ‘Brega Total’. Ele passa a ‘pilotar’ o programa a partir das 15 horas. De acordo com o internauta Júnior Silva “o termo brega é um gênero musical de cunho popular de origem no Brasil. A denominação, originalmente de cunho pejorativo e discriminatório, foi entretanto sendo incorporado e assumido, perdendo parcialmente com o tempo esta acepção. O brega tradicional é característico pela música com melodias fortes, geralmente tratando de temas como declaração de amor, casamento, traição, desilusões amorosas, entre outros assuntos correlatos. Muitos artistas usam o brega num viés humorístico geralmente com letras de duplo-sentido ou fazendo sátira do cotidiano. O nome "brega" é motivo de controvérsia no meio musical. Muitos artistas rejeitam esse rótulo, outros assumem com maior facilidade”, conclui ele.

A partir das 17 horas, estendendo-se até às 22 horas vai ao ar o Programa ‘Faixa Livre’. Patrício comanda a primeira parte do programa, comunicando até às 20 horas. O faixa livre é um programa de pauta livre no sentido amplo da palavra, sendo sua produção marcadamente pela variedade de ritmos. “A minha maior característica é a animação, gosto de dar ritmo aos programas, gosto de animação, mas quando precisa ser romântico também estou pronto”, descreve Patrício. Totalizando os dois programas, ele terá permanecido na emissora por cinco horas ininterruptas.

:: Domingo na Ilha

“Sábado e domingo é só pauleira! Brega Total no sábado e Farofa no domingão são os destaques”, disse Lessa que passa o domingo literalmente na Ilha, ao comandar o ‘Farofa’, o mais diversificado programa da emissora, que vai ao ar das 11 às 17 horas. “Gosto muito do que faço e estou sempre muito feliz quando entro no ar mesmo quando não está tudo bem não deixo passar meus problemas pra ninguém aqui não é lugar pra tristezas”, disse ao revelar que não há cansaço diante da extensa carga de horário, e sim a satisfação do dever cumprido.

:: Repertório

Patrício não centraliza a responsabilidade, até porque divide o sucesso com seus ouvintes: “gosto de dividir a responsabilidade do repertório com os ouvintes, atendo todos de forma igual, pois, tenho muito carinho por eles, sempre os trato com muito respeito, gosto de dar atenção as pessoas”, disse. “Acho que por isso tenho sido admirado por eles”, completa.

:: Um locutor antenado

Com uma variedade de programas e horários, Patrício Lessa teria que provar sua competência para a alta direção da emissora e, principalmente, para a grande legião de ouvintes, que lhe dá uma das maiores audiências da radiofonia sergipana. “Estou sempre tentando me atualizar pra trazer novidades para o meu público”, revelou. “Sei que tenho limitações, mas tento superá-las com muita dedicação e esforço”, conclui Lessa.

Este matéria foi sugerida, ainda que de forma involuntária, por um grupo de estudantes do Colégio Estadual ‘Joana de Freitas Barbosa’ (Polivalente), quando ouvimos comentários elogiosos a Patrício Lessa no intervalo de uma aula de Cultura Sergipana para estudantes do 3º Seriado C (Vespertino).
_______________________________________
* Claudomir Tavares (41) é professor do CE Estadual Joana de Freitas Barbosa na cidade de Propriá e admirador do locutor/comunicador Patrício Santos Lessa.

20 de set de 2009

Comissão de Investigação do CBHJ visitou Rio das Pedras e constatou graves agressões ambientais aquele que é leito natural do Rio Japaratuba

Grupo irá confeccionar um Relatório Técnico e apresentará na próxima reunião extraordinária do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br


No próximo domingo iremos publicar uma matéria especial a respeito da Visita Técnica realizada na manhã de ontem ao Rio das Pedras, leito natural do Rio Japaratuba, localizado na região da Fervura, no trecho compreendido entre as fazendas Cabral, Pedras e adjacências. Participaram da visita representantes do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba, das prefeituras municipais de Pirambu e Carmópolis, das câmaras municipais de Pirambu e Japaratuba, da Companhia de Saneamento de Sergipe (DESO), da Colônia de Pescadores Z 5, produtores rurais e veículos de imprensa, como o Jornal da Cidade e a Tribuna da Praia.

O grupo visitou o local por terra, em veículos cedidos pelos próprios membros e de barco, cedido pela Câmara Municipal de Pirambu. Por terra, foram percorridas as fazendas Cabral, Pedras, chegando a pontos críticos do Rio das Pedras, entre o Porto do Mero e os limites da Fazenda Arapiraca e por água, através do leito do Rio Japaratuba, saindo da cidade de Pirambu, indo até o local conhecido como Ilha dos Algodões, onde terminou a viagem, obstruída por uma densa vegetação que toma conta do leito do rio, onde verificou-se uma vazão ecológica praticamente zero. Se fosse medida a vazão através de molinete hidráulico (equipamento utilizado para aferir vazão), a hélice ficaria possivelmente sem movimentar-se.

:: As ‘armas’ da investigação

Municiados de mapas, fotos de satélite, GPS, câmaras fotográficas, filmadoras, gravadores de voz, documentos históricos, como livros, registros, matérias publicadas na imprensa e outros instrumentos de registro, o grupo coletou um grande volume de informações que, a pedido, estamos preservando, para não comprometer a elaboração do relatório que será apresentado pela comissão composta pelo professor Luiz Carlos Souza Silva, geógrafo, diretor de gestão ambiental da DESO e presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Piauí, pelo professor Claudomir Tavares da Silva, historiador, presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba e diretor do jornal Tribuna da Praia, pelo engenheiro químico Alysson Braga Moura, secretário municipal de meio ambiente de Carmópolis e pelo vereador José Luiz de Andrade, representante da Câmara Municipal de Pirambu. Estes, integrantes da Comissão de Investigação eleita pelo CBHJ, na última reunião, realizada na cidade de Pirambu, no dia 26 de Agosto de 2009, irão construir um Relatório Técnico, a partir das informações coletadas, e apresentar na próxima reunião, cujo indicativo ficou para o dia 14 de Outubro de 2009, no município de Barra dos Coqueiros.

:: O ‘time’ caiu em campo

A Visita Oficial da Comissão de Investigação do CBHJ contou com o apoio e suporte da Câmara Municipal de Pirambu, representada pelo seu presidente, vereador Juarez de Deus Alves, que tem se empenhado de forma bastante ativa, presente, em defesa do Rio Japaratuba e mais os vereadores Antônio Ferreira, o Toinho de Jurandi e José Luiz de Andrade. O vereador Rui Brandão, com uma ação prática de desobstrução do rio desde outubro de 2007 acompanhou o grupo, que incluía ainda o produtor rural Ricardo Almeida, autor de uma ação contra o fazendeiro Carlos Barreto Barbosa, que construiu uma passagem molhada e, como resultado desta ação, está provocando há 22 anos estas agressões ambientais ao rio, o advogado Carlos Alberto Mendonça, secretário municipal de administração, representando o prefeito de Pirambu José Nilton de Souza e o pescador, o pescador José Carlos Santos Santana (conhecido popularmente por Boi), que nos municiou de informações importantes e o também pescador Edinaldo Santos, o Naudinho de Grota, além de motoristas, canoeiros, mestre de barco e pescadores que nos guiram por terra e água.

:: Constatações a ‘olho nu’

A ‘olho nu’, informações, ainda que preliminares que, consubstanciadas pelos instrumentos utilizados constarão do relatório, verificou-se uma grande camada de vegetação conhecida por ‘balseiro’, tomando conta de quilômetros do Rio das Pedras, a jusante da tal passagem molhada, construída há 22 anos, que diminuiu a profundidade do rio, que chega em alguns locais a 3 metros, para apenas 1,5 metro na passagem localizada na Fazenda Pedras, que liga a ilha formada a partir da construção do Canal do Japaratuba,construído na metade do século XIX, e que hoje constitui-se na principal drenagem do Rio Japaratuba.

Nas proximidades do local, vê-se uma planície afogada, aumentando a área de encharco. Alí próximo existem vários canais, costelas e uma vegetação ciliável. No rio, tomado pela vegetação, a vazão ecológica é pequena, diminuindo a sinergia do rio, no que tem provocado o constante avanço do mar. À margem do rio, próximo da Ilha dos Algodões, parte do manguezal foi aterrado para construção de passagens de tratores, uma agressão que está a nossa frente de forma explícita.

:: Relatório Técnico

A Comissão de Investigação está propondo o dia 14 de outubro para a realização da XII Reunião Plenária (Extraordinária) do Comitê da bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba, que seria realizada na cidade de Barra dos Coqueiros, quando será discutido e deliberado sobre o Relatório Técnico, encaminhando as providências aos órgãos competentes.

17 de set de 2009

Geninho, Diego, Ruan e Novinho vencem Surf Gospel em Pirambu

Eles sagraram-se campeões nas categorias Iniciante, Mirim, Júnior e Open em evento promovido pela Igreja do Evangelho Quadrangular
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br




A Igreja do Evangelho Quadrangular, que recentemente promoveu um grande Culto Popular alusivo aos 8 anos de implantação da instituição em nossa comunidade, marcou mais ‘um gol de placa’ ao promover no último domingo, 15, a 1ª Etapa Gospel Pirambuense de Surf. Sugerida pelo Grupo ‘Jovens Quadrangulares’, movimento de juventude da igreja, a idéia foi abraçada pelo pastor Geraldo Ferreira, um entusiasta das idéias renovadoras no que feito da instituição religiosa que preside aquela que mais tem atraído adeptos, todos de forma livre e espontânea vontade.

Assim, a partir de uma inscrição de apenas R$ 5,00 (Cinco Reais) para cobrir as despesas com estrutura, aquisição de troféu, divulgação (no caso da Tribuna da Praia ela foi feita como compromisso com eventos desta natureza), o evento foi realizado contando com a participação de dezenas de surfistas de Pirambu, Barra dos Coqueiros, Aracaju e outras praias.

Os atletas foram distribuídos por idade e nível de surf em quatro categorias ou modalidades: Iniciante, Mirim, Júnior e Open (todas as idades). Os resultados finais foram os que seguem abaixo:

I – Iniciante:

1º Geninho
2º Raí Knox
3º Beco
4º Fred

II – Mirim:

1º Diego
2º Padre
3º Rafinha
4º Arthur

III – Júnior

1º Ruan
2º Padre
3º Diego
4º Dan

IV – Open

1º Novinho
2º Ruan
3º Davi
4º Jadson

O evento foi prestigiado por centenas de jovens, meninos e meninas, parentes dos surfistas, integrantes e dirigentes da Igreja do Evangelho Quadrangular, pelo presidente da Associação Pirambuense de Surf, Marco Antônio Souto Maior Soledade Júnior, entre outras personalidades e anônimos. “Eu sempre apoio as iniciativas esportivas locais, e vejo com muito gosto esta iniciativa de um campeonato de surf promovido pela Igreja Quadrangular”, disse Júnior Soledade.

Correndo o mundo – “As imagens aqui registradas irão correr o mundo, através do Site Oficial da Igreja do Evangelho Quadrangular. Adianto aos senhores que nos dia 14 de fevereiro já estamos agendando a segunda etapa e aproveito para convidá-los a todos”, disse o pastor Geraldo Ferreira, na sua saudação inicial antes da primeira bateria que teve início por volta das 10 horas.

Presente a mais esta competição esportiva e sempre atenta nos eventos de surf em nossa cidade, a Tribuna da Praia está selecionando fotos coletadas por sua equipe e por integrantes da Igreja do Evangelho Quadrangular e ainda esta semana estará postando em nossa Galeria de Fotos. Aguardem e confiram as imagens!

15 de set de 2009

Fecha o cerco contra ‘crime ambiental’ no Rio Japaratuba

Comissão do CBHJ visita local obstruído no trecho conhecido como rio das Pedras
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br

Eleita na última reunião realizada em 26 de agosto de 2009 na Câmara Municipal de Pirambu, a comissão representativa de membros do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba fará uma visita ao trecho obstruído pelo fazendeiro Carlos Barreto Barbosa na região conhecida como Rio das Pedras, leito natural do ‘Velho Japa’ (termo carinhosamente chamado pelo professor e cordelista Agnaldo Santos Silva).

A visita está marcada para esta quinta-feira, 17 de Setembro, devendo os membros se concentrar na Câmara Municipal de Pirambu, de onde sairá para o embarcar no Porto de Pirambu, navegando pelo leito do Rio Japaratuba, passando pelo Riachão (Canal do Japaratuba), chegando até o ponto de obstrução.

:: A visita

Integra a comissão do CBHJ representantes da Colônia de Pescadores de Pirambu (Colônia Z – 5), da Companhia de Saneamento de Sergipe (DESO), da Câmara Municipal de Pirambu, da Prefeitura Municipal de Carmópolis e Administração Estadual do Meio Ambiente (ADEMA), além de atores sociais que levantaram a questão junto ao Comitê do Rio Japaratuba. Estarão integrando a comissão órgãos de imprensa como o Jornal da Cidade e a Tribuna da Praia.

O barco que levará a comissão e convidados está sendo viabilizado pelo presidente da Câmara Municipal de Pirambu, vereador Juarez de Deus, um dos mais empenhados defensores do Rio Japaratuba.

* A utilização deste e outros artigos devem respeitar a Lei dos Direitos Autorais. Sua veiculação deve ser previamente autorizada e as informações autorais devem ser mantidas.

Uma aula de arte entre Pirambu e Japaratuba

É justamente esta escola, um orgulho não só daquela comunidade mais de todo o município de Japaratuba
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br

Localizado ‘no meio do caminho’ da rodovia que liga as cidades de Pirambu a Japaratuba, o povoado São José tem sido um referencial em comunidade que valoriza suas mais belas e autênticas tradições.

O povoado aprova anualmente vários alunos nos vários vestibulares de universidades e faculdades de Sergipe (e isso é desde a época em que tínhamos apenas a UFS, a FIT’s, atual UNIT e a Pio X), tendo superado durante muitos anos a totalidade do número aprovado pelo município de Pirambu, tem um Festival de Artes (Caatingart) e o maior festival da juventude de Sergipe (Acampamento da Juventude), só para citar alguns exemplos que se somam a tradicional Festa de São José, o Forró do Cuscuz e a Festa do Juão. Este ano a escola foi a grande vencedora dos XXVI Jogos da Primavera, ficando com a primeira colocação entre aquelas da rede municipal do interior de Sergipe.

A Festa do Juão é promovida por estudantes e professores da Escola Municipal Vereador João Prado, localizada as margens da Rodovia SE 100, que liga a BR 101 a Ponte Aracaju-Barra, passando pela cidade de Pirambu.

É justamente esta escola, um orgulho não só daquela comunidade mais de todo o município de Japaratuba, pelos seus exemplos inequívocos demonstrados, que se revela pra Sergipe pelas expressões artistas demonstradas em seus muros através das artes plásticas.

Em vários painéis são expostos para os visitantes e aqueles que passam pelo povoado exemplares como a Igreja de São José, o crepúsculo da caatinga, a riqueza do folclore e da cultura popular, como o São João na Roça e o Guerreiro de Zé de Jove, uma espécie de declaração de amor ao povoado com ares de cidade.

Parabéns a professores, estudantes e direção, responsáveis pelo projeto das pinturas, o que para nós não é surpresa, conhecendo a trajetória e o compromisso histórico assumidos pelos que tem construído esta escola que tem sido um exemplo e uma referência para Japaratuba e Sergipe.

Karateca de Propriá sagra-se campeão brasileiro

Maike Rodrigues da Costa arrematou a medalha de ouro na categoria Kumitê ¹
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br

Aconteceu durante todo o dia 13 de junho, no Ginásio Constâncio Vieira, as finais do Campeonato Brasileiro de karatê, evento que marcou pelas conquistas obtidas pelos atletas da Associação Mayara de Karatê Shotokan, presidida pelo professor Sebastião José da Costa (Basto, faixa preta 2º Dan, da cidade de Propriá, distante 98 quilômetros da capital, Aracaju.

Campeão Brasileiro – O karateka Maike Rodrigues da Costa, integrante da AMKS Oficial, filho do professor Basto, sagrou-se campeão brasileiro de kumitê. Além de Maike, honras e glórias do esporte nacional, a cidade de Propriá alcançou significativas conquistas, conforme relação que apresentaremos abaixo:

Anne Ayrlles Rodrigues Santos Melo, aluna do PETI (Vice-Campeã Brasileira Kumitê).
Marcelo Santos Júnior, aluno do PETI (3º Colocado Kumitê)
Tatiane Santos Campos Rocha, aluna do PETI (5º Colocada Kumitê)
Bruna Rodrigues da Costa, atleta da AMKS Oficial (5º Colocada Katá)
Aline da Silva, aluna do Projovem (11ª Colocada Kumitê).

Quadro de Medalhas – No quadro geral de medalhas acumuladas no Circuito Norte-Nordeste e Campeonato Brasileiro, os atletas comandados pelo professor Basto totalizaram 65, sendo quatro troféus, posição até o dia 17 de junho de 2009. O quadro está assim distribuído:

19 Medalhas de Ouro
21 Medalhas de Prata
25 Medalhas de Bronze
04 Troféus

Agradecimentos – “Estas conquistas se devem a Deus, aos atletas, a sociedade propriaense que tem depositado confiança em nosso trabalho e, de forma especial, a Prefeitura Municipal de Propriá, a Secretaria Municipal de Assistência Social e Conselho Municipal da Criança e Adolescente de Propriá”, agradece o grande comandante deste ‘time’ vencedor dentro e fora do tatame.

A Associação – Fundada em 20 de janeiro de 2007, como resultado do trabalho desenvolvido em Propriá pelo professor Sebastião José da Costa (Basto) desde os anos 90, através de entidade cujo registro tinha como base a cidade de Itabaiana (Propriá era uma espécie de filial), a Associação Mayara de Karatê Shotokan está localizada à Avenida Artur Melo, 1206, na cidade de Propriá. É filiada a Federação Sergipana de Karatê (fundada em 07 de setembro de 1987), que por sua vez é filiada a Confederação Brasileira de Karatê (CBK), sendo esta filiada a Federação Mundial de Karatê (WKF).

Testemunho e Parabéns – Testemunhos do trabalho desenvolvido pelo professor Basto desde 2002, quando chegamos a cidade de Propriá, professor que fomos dos seus filhos Maike e Bruno, tendo feito coberturas de vários eventos promovidos ou participado pelos seus jovens atletas, queremos em nosso nome e de toda família Tribuna da Praia parabenizar ao professor Basto, aos atletas laureados com medalhas e a todos os integrantes da AMKS, na certeza que este expressa o sentimento de toda a sociedade propriaense e do povo sergipano por extensão.

¹ Publicado inicialmente neste Portal em 20/06/2009. Publicamos na data de hoje para registrar a homenagem feita pela prefeitura de Propriá aos atletas campeões durante desfile de 07/09/2009

14 de set de 2009

Zé Américo assume a prefeitura de Propriá

Prefeito Paulo Britto de Propriá transmite cargo para seu vice José Américo pela segunda vez


Em solenidade realizada no gabinete oficial no final da manhã desta segunda-feira 14, o Prefeito Municipal de Propriá Paulo Britto (PT) transmitiu o cargo para o seu Vice José Américo (PSC), o motivo foi um pedido de licença para tratamento de saúde pelo período de 14 a 27 de setembro do corrente.

Na oportunidade o prefeito Paulo Britto salientou que transfere o cargo com extrema traquilidade até porque os dois já administram juntos desde o primeiro dia de mandato e a sua segurança aumenta ainda mais por Zé Américo ser uma pessoa do bem e por saber todos os passos da administração, Paulo Britto fez questão de ler o texto Bíblico a “Parábola do Semeador” para ilustrar o sentimento de que todos devem ter com suas ações voltadas para a melhoria da população e que as sementes que foram plantadas já estão rendendo muitos frutos ao município. Para finalizar Paulo fez questão de pedir a todos os seus assessores que tenham a mesma lealdade e disposição, para que Zé Américo conduza os trabalhos da melhor forma possível.

Por sua vez o já Prefeito em exercício José Américo, disse que é uma responsabilidade tremenda assumir a prefeitura de Propriá pela segunda vez e agradece toda a confiança e lealdade de Paulo. Depois, seguido também da leitura de um texto Bíblico, José Américo humildemente pediu o apoio de todos para dar continuidade aos trabalhos, pois, quando for a hora de devolver o cargo ele pretende entregar tudo da mesma forma ou ainda melhor.

Esta é a segunda oportunidade que José Américo assume os destinos da administração Municipal, a primeira foi em 15 de fevereiro de 2008 durante o primeiro mandato (11.2006/2008) pelo mesmo período e motivo.

Presenças - Participaram do ato todos os secretários e coordenadores da administração, vereadores, servidores, lideranças, religiosos e populares.

13 de set de 2009

Em assembléia, professores decidem paralisar as atividades dia 16

Em assembléia realizada quinta-feira, 10, os professores da rede pública de ensino decidiram paralisar as atividades no dia 16 de setembro contra a criminalização do direito de greve, em defesa da implementação do piso nacional para o magistério, gestão democrática nas escolas nos municípios sergipanos e reforma das escolas estaduais e municipais. A paralisação foi uma decisão conjunta dos professores das redes estadual e municipal.


Também na assembléia, a categoria decidiu participar do ato público promovido pela Central Única dos Trabalhadores (CUT) na próxima quarta-feira contra a criminalização do direito de greve e da mobilização da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) em defesa da lei 11.738/2008 que institui o do o Piso Salarial Nacional do Magistério.

Em Sergipe, a manifestação começará na Praça da Bandeira, às 14h, onde os professores saem em caminhada em direção ao Tribunal de Justiça. ¨Negarr o direito de greve é um ato contra a democracia e contra os sindicatos, que estão sendo prejudicados em suas lutas pelas decisões judiciais que negam esse direito¨, explica Joel Almeida, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica da Rede Oficial do Estado de Sergipe (SINTESE).

Durante a assembléia, Joel Almeida também destacou a importância da luta da categoria para implementar a gestão democrática nas escolas. ¨Na negociação salarial de 2008, o Governo do Estado se comprometeu implementar a gestão democrática até dezembro do ano passado e até o momento isso não aconteceu¨, ressaltou. Com o objetivo de mobilizar as escolas na gestão democrática, o SINTESE lançou durante a assembléia a campanha da gestão democrática nas escolas. Através da iniciativa, o SINTESE entregará kits de peças de comunicações que serão distribuídas nas escolas. A assembléia também aprovou que os professores vão lutar por um percentual de Gratificação de Dedicação Exclusiva de 70%, pela regulamentação da Gratificação por Merecimento e pelo retorno da Gratificação Pedagógica I.

Outro ponto de pauta foi a defesa da implementação do piso nacional para o magistério. Em Sergipe e em outros estados brasileiros a lei 11.738 não vem sendo cumprida por grande parte dos gestores municipais. Além de Lagarto, só pagam o piso salarial aos professores os municípios sergipanos de Propriá, Nossa Senhora do Socorro, Cedro de São João, São Francisco, Poço Verde, Riachuelo, Cristinapólis, Tomar do Geru, Estância e Canhoba.

Outros 15 municípios sergipanos estão em fase adiantada de conclusão dos estudos para iniciar o pagamento do piso. ¨Através da paralisação, queremos sensibilizar os prefeitos a implementarem imediatamente o piso nacional¨, explica Joel.

Joel destacou os avanços e desafios para implementação da lei 11.738/2008 sancionada em julho de 2008, determinando que, a partir de 2010, nenhum professor da rede pública receba menos de R$ 950 por uma carga-horária de 40 horas semanais. ¨A luta dos professores de Sergipe é referência no Brasil no que tange pela implementação do novo piso¨, afirma.

João Prado é a melhor da rede municipal nos XXVI Jogos da Primavera

Escola do povoado São José, em Japaratuba, consegue 11 medalhas e classifica 4 atletas para as Olimpíadas Escolares Brasileiras
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br

Aquela que já era referencial enquanto pólo de resistência da cultura popular e onde se pratica uma ação pedagógica cujo objetivo é o exercício da cidadania, um valor irretocável, credencia também como uma potência no desporto estudantil. A Escola Municipal Vereador João Prado, sediada no povoado São José, distante 10 km da sede do município, Japaratuba, sagrou-se a grande vencedora dos XXVI Jogos da Primavera, promovido pelo Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Educação (SEED), realizado no período de 11 a 21 de agosto de 2009, em Aracaju.

Com 04 medalhas de ouro, 04 de prata e 03 de bronze, totalizando 11 no quadro de medalhas e a 14ª posição na Classificação Geral, o ‘Juão’ foi a primeira escola da rede municipal no interior de Sergipe, ficando apenas atrás da EMEF Juscelino Kubitschek, da capital, Aracaju. Conseguiu assim classificar 04 atletas para as Olimpíadas Escolares Brasileiras, que acontece em Poços de Caldas (MG) e Londrina (PR) no mês de novembro de 2009. Ao tempo em que parabenizamos toda a comunidade do ‘Juão’ (alunos, professores, direção, pessoal de apoio e administrativo), além dos pais de alunos, este portal insiste em dizer que esta conquista não nos surpreende, pois somos testemunhos do empenho, da dedicação e compromisso de todos que fazem a escola, desde já há algum tempo.

* A utilização deste e outros artigos devem respeitar a Lei dos Direitos Autorais. Sua veiculação deve ser previamente autorizada e as informações autorais devem ser mantidas.

12 de set de 2009

Pirambu de A a Z despediu-se de Dayse, GGK, Carol e Fernando

Eles partem para as terras frias do Sul do Brasil, tornando o Rio Grande maior e desfalcando Pirambu de seus talentos e contribuições
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br

O bar e restaurante Beira Rio ficou pequeno na noite de ontem, 11, para o grande número de amigos, irmãos, testemunhos da História e da contribuição de Dayse e GGK a cultura, meio ambiente e da cidadania em Pirambu. Eles eram de todas as facções, credos, sexo, religião, ideologia, de todas as vertentes sociais. Autoridades, políticos, artistas, ambientalistas, pessoas simples do povo, aqueles que conviveram ao longo destes 17 anos com Dayse, desde sua chegada a Pirambu, com GGK, desde o seu nascimento, de Carol e Fernando (o garoto que terá Certidão de Nascimento gaúcha), a menina que se fez adolescente ainda criança, em função do ambiente inspirador em que vive. Eles partem para as terras frias do Sul do Brasil, tornando o Rio Grande maior e desfalcando Pirambu de seus talentos e contribuições.

Presentes as homenagens a Capoeira Unidos nas Tartarugas, que promoveu uma roda e encontro de mestres e líderes de capoeiras, como Pirulito, Evan e Dalmo; o grupo de Hip-Hop “Irmãos de Rua”, comandado por Breick (Gilvan de Andrade), que prestou uma calorosa homenagem a Carol, integrante do grupo, a Dayse e a GGK; o Lariô da Tartaruga, que arrancou lagrimas copiosas de Dayse e de seus amigos. O encerramento da festa ficou por conta da banda Salsugem, comandada por GGK (Guitarra e Voz), Arthur (baixo) e Novinho (Bateria e Back).

Dezenas de jovens, muitos deles evangélicos, acompanharam, pularam, confraternizaram-se ao som hardcore da voz de GGK e dos instrumentos de seus companheiros, que partem para uma nova fase, nova formação. A Salsugem completou 5 anos no dia 06 de Outubro, sendo hoje uma das mais celebradas bandas de rock em Sergipe, tendo recentemente participado de um dos maiores festivais de rock do Nordeste, o VII Rock Sertão, realizado na cidade de Nossa Senhora da Glória. Nos 50 anos do rock, um momento que ficou marcado na História de Pirambu.

Presenças – Várias personalidades e populares compareceram as homenagens a família de Dayse Rocha, entre elas a deputada estadual Ana Lúcia Menezes, a professora Tereza Cariri, a secretária de educação Lourdes Gouveia, Alvaci Gouveia, a cantora Marta Mari, o cordelista Agnaldo Silva, Graça, Tânia Biriba, Martinha, Thiagonny Ellen, Kennedy (surfista Tribuna da Praia, aluno treinado por GGK), Juci Tavares, Carminha, Claudomir, Nenel, Jô e Carlinhos, e tantas pessoas importantes na vida de Dayse, GGK e Carol, que ao citá-los sabemos das injustiças que podemos, involuntariamente, estarmos cometendo.

Homenagens – Ao longo das apresentações foram feitas diversas homenagens, entre as quais as de Breick (Hip-Hop), Claudomir Tavares (Tribuna da Praia), Tereza Cariri (Amaral Lemos), Agnaldo Silva e Carminha (Vereda da Cultura) e do Lariô da Tartaruga, através dos movimentos e da voz que falou com o coração, Dona Jaci. Não foram discursos, mas depoimentos, testemunhos de quem acompanhou Dayse que coordenou o Culturarte desde 2003 até 2008, que esteve a frente da Quadrilha das Tartarugas, do Grupo de Dança das Tartarugas, do Lariô da Tartaruga, da Coordenação de Educação Ambiental do Projeto Tamar, que agora estão menores com a saída de Dayse de Pirambu.

“Pirambu acabou” – O brincante do Lariô, ‘Seu Doca’ nos confidenciou: “Pirambu acabou”. Entendemos a profundidade de suas palavras, que não se refere a cidade, ao município, mas a um pedaço de sua História (um dos mais importantes) que vai com Dayse. Ganha o Rio Grande do Sul, que agora justifica o termo ‘Grande’, pois com certeza ficará maior com a chegada do grupo que deixa Pirambu dia 18 de outubro e chega nas terras frias dia 21, que com certeza, ficará aquecida.

Galeria de Fotos – Ainda esta semana, a Tribuna da Praia estará disponibilizando as fotos da despedida através da Galeria de Fotos. Lá, elas ficarão a disposição por um período de até 7 dias, quando serão substituídas.

Mulher Guerreira

Você foi e sempre será o meu exemplo de vida, à minha mulher guerreira
Para minha avó Luzinete Nunes Rocha
Por Edlin Torres Rocha de Souza *

Força, coragem e vontade de viver é o seu lema.
Exuberante, fascinante, realmente encantadora.
O tempo passa e aquela mulher permanece lá intacta, lutando contra as peras que atravessam o seu caminho.
Família humilde, mas não pobre, vivia numa década que entre 100 mulheres, apenas 1 tornará vencedora, e entre estas ela estava lá.
Superou amores, venceu os preconceitos, lutou contra as enfermidades do sentimento.
Viveu quase toda à sua vida amargurada. Calada, escondia suas mágoas e aos que por ela passavam, ela demonstrava uma alegria, e sempre os presenteava com um belo sorrido.
Dona de uma beleza estonteante, meiga, educada e gentil uma eterna mãe e eterna avó.
Hoje, espera escutar uma só palavra, más a ela só restam alguns minutos, sossego para a vida eterna. Graças aos anjos pode escutar durante um período da sua vida a palavra “vó eu te amo”, mas para ela isso não bastava, só preenchia um pedaço, o que ela realmente queria escutar era à palavra ou as palavras “mãe eu te amo”.
Você foi e sempre será o meu exemplo de vida, à minha mulher guerreira.

* Edlin escreveu este texto no dia 09/09/2009, às 22h30min e leu para seus colegas do 3º Seriado B, do Colégio Estadual ‘Joana de Freitas Barbosa’, em Propriá, no dia 11/09/2009, às 17h00min, na aula de História, ministrada pelo professor Claudomir Tavares.

11 de set de 2009

Escolas levam Participação e Cidadania às ruas de Propriá

Escolas registram os avanços nas relações entre administração municipal e a sociedade civil, fazendo um desfile a parte, segundo o prefeito Paulo Britto
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br

O desfile da rede municipal de Propriá foi marcado pelo resgate da história do município, da cultura erudita e popular, dos avanços alcançados pelos povoados, sensibilização ambiental, gestão democrática nas escolas e, não passou despercebido o registro feito pelo conjunto de três escolas. Localizadas nos povoados São Vicente, as escolas prefeito Geraldo Sampaio Maia e monsenhor Afonso de Medeiros Chaves e no assentamento Padre Cícero, a escola Dom José Brandão de Castro, testemunharam os avanços nas relações entre administração municipal e a sociedade, através de um amplo processo de participação popular, através dos vários fóruns, onde esta é chamada a definir os rumos das políticas públicas municipais.

“Esse é o terceiro ano, achei que tinha mais gente, as pessoas mais participativas, o perfil das pessoas cultivando seu civismo, as escola passando, fazendo questão de parar, fazendo o desenvolvimento de suas bandas”, descreveu assim o desfile o prefeito Paulo Britto (PT). “Foi uma semana ótima, tranqüila, com o hasteamento das bandeiras todos os dias com gente, então foi uma situação em infelizmente a gente só utiliza para exercitar com maior fervor o civismo, ainda assim, o civismo está no coração, neste momento a gente nota que as pessoas gostam mesmo do seu país”, acrescenta o prefeito.

Um desfile a parte – No conjunto do apoteótico desfile das redes municipal, estadual e particular da última segunda-feira, o das escolas municipais foi considerado um desfile dentro do desfile. “Eu tive a felicidade de ouvir as pessoas dizer que foi realmente um desfile a parte. Todas as escolas organizadas, com fardamento novo, o pessoal do PETI, sua banda deu um show. Era também de se esperar. A secretária Elenice ela é muito cuidadosa, ela veste a camisa, faz isso com carinho, faz isso com o coração. Enfim, a rede estadual, a rede particular, foi tudo bom, graças a Deus”, comemorou Paulo Britto. “As escolas apresentaram a História de Propriá, onde a gente viu cada data mais importante, desde a sua fundação, se transformou em vila, datas marcantes, primeiro banco, primeiro Correio, enfim, deu uma aula de História”, conclui com o sentimento do dever cumprido o prefeito de Propriá.

* A utilização deste e outros artigos devem respeitar a Lei dos Direitos Autorais. Sua veiculação deve ser previamente autorizada e as informações autorais devem ser mantidas.

Banda do Polivalente abrilhantará desfile do Amaral Lemos

Presença de banda de Propriá consolida a união de duas cidades irmãs
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br

Considerada a melhor banda marcial ou d fanfarra, a Banda de Música Thiago Prata, do Colégio Estadual ‘Joana de Freitas Barbosa’, da cidade ribeirinha de Propriá, será uma das atrações do desfile cívico que o Colégio Estadual ‘José Amaral Lemos’ promove neste sábado, 12, a partir das 15 horas. A presença da banda do Poli, como é conhecida, consolida uma união que já dura décadas, entre as duas cidades irmãs.

O desfile do Amaral preserva uma tradição da escola, sempre presentes nos momentos e datas marcantes do calendário cívico-cultural do país e do nosso estado. Honra e glória do desporto estudantil sergipano, o Amaral fará neste dia uma homenagem pelas ruas da cidade aos atletas que destacaram-se nos XXVI Jogos da Primavera, em que a escola ficou com a primeira colocação entre as escolas da rede pública estadual.

Além das homenagens, o Amaral levará para as ruas de Pirambu a irreverência, mensagens de cidadania e de compromisso com uma educação de atitude, que preserve valores e amplie as conquistas alcançadas ao longo dos quase 40 anos de história da instituição.

10º Acompanhamento Aningas/Alagamar

Idealizado por seu ‘Paulo’, evento religioso teve início em 1996 e foi retomado em 2008, estando em sua 10ª edição, devendo mobilizar centenas de fiéis neste domingo em povoados de Pirambu ¹
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br

Católicos e populares de uma forma em geral se reúnem no próximo dia 13 em um dos eventos que se consolida no calendário cultural de Pirambu como sendo um dos mais representativos. Idealizado por seu ‘Paulo de Aningas’, o Acampamento de Nossa Senhora da Conceição, foi o resultado de graça alcançada por membros da comunidade, que se apegaram a proteção da santa ante a morte desenfreada de animais, tais como bois, cabras e outros.

Assim, em 1996 eles se reuniram e, saindo da Igreja de Aningas, localizada nas proximidades do sítio de ‘seu’ Paulo e da Escola Municipal João Francisco da Silva e saíram a pé, montados em cavalos ou de carros em direção ao povoado Alagamar, um percurso de mais de 18 quilômetros.

Desde sua realização pela primeira vez, só nos anos de 2005 a 2007 não foi realizado, retornando em 2008 e mantido em 2009, sempre no segundo domingo do mês de setembro. A paróquia de Nossa Senhora de Lourdes tem reconhecido o valor e importância desta manifestação de fé e religiosidade popular, sendo celebrada uma missa campal ao final, no povoado Alagamar, distante da sede do município 32 quilômetros, quando são benzidos as pessoas, animais e as comunidades.

¹ Publicado pela primeira vez em 26/08/2009, adaptado para a data de hoje

Apicultores fundam a APIVALE

Associação dos Empreendedores do Arranjo Produtivo da Apicultura e Meliponicutura do Vale do Japaratuba
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br

Reunidos no dia 05 de setembro de 2009 no Assentamento 13 de Maio, distante 2 quilômetros da sede do município de Japaratuba, apicultores de várias comunidades da região deram o primeiro passo rumo a organização deste seguimento. Naquele dia foi fundada a Associação dos Empreendedores do Arranjo Produtivo da Apicultura e Meliponicutura do Vale do Japaratuba (APIVALE). O município de Pirambu, um dos mais proeminentes nesta área, ficou com a presidência. Aguardem neste final de semana entrevista com o empreendedor Antônio Edson Barreto.

10 de set de 2009

A particularidade do desfile cívico da rede municipal de Propriá

Tendo como tema ‘Educação de Propriá feito por todos nós’, desfile cívico da independência da rede municipal foi o diferencial, um desfile dentro do desfile
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br

A rede municipal de educação de Propriá marcou sua participação no desfile cívico alusivo a Independência do Brasil, ocorrido na última segunda-feira, 07 de setembro, pelo diferencial, dando uma verdadeira aula de História pelas ruas da princesinha do São Francisco. As seis escolas que desfilaram no dia 07 (a Escola de Educação Infantil Padre Luiz Henrique já havia desfilado no dia 04 de setembro), levaram para as ruas a temática “Educação de Propriá feita por todos nós’, simbolizando a política educacional da administração do prefeito Paulo Britto (PT), coordenada pela professora Elenice Reis, secretária municipal de Educação.

A rede municipal de Propriá promoveu um desfile dentro do desfile. As escolas “Pedro de Medeiros Chaves” (Rua da Linha) e “Monsenhor José Soares” (Rua do América II) levaram as ruas um documentário sobre a História de Propriá. Já a Escola Municipal ‘Evanilde Serra Pinheiro Nunes’ (Conjunto Maria do Carmo) evocou a Cultura de Propriá, nas suas vertentes erudita e popular. Por sua vez, as escolas prefeito ‘Geraldo Sampaio Maia’ (São Vicente), monsenhor “Afonso de Medeiros Chaves” (São Vicdente) e “Dom José Brandão de Castro” (Assentamento Padre Cícero) representaram a temática ‘Exercitando a Cidadania’. A maior escola da rede municipal da sede do município, a ‘advogado ‘Josias Ferreira Nunes’ (CAIC) apresentou uma proposta de sensibilização ambiental. Vindas de povoados vizinhos, as escolas padre ‘Agnaldo Guimarães’ (Santa Cruz) e presidente ‘Costa e Silva’ (São Vicente) simbolizaram o desenvolvimento da zona rural. Por fim, a maior escola da rede municipal da zona rural, ‘Leonor Barreto Franco’ (São Miguel) apresentou a sociedade a Gestão Participativa do Município, levada a frente na atual administração.

:: Todos brilharam

Presente no palanque oficial, prestigiando o desfile civil e militar, das escolas das redes municipais, estaduais e particulares, a professora Josefa Elenice Reis, desceu a avenida e juntamente com seus professores e alunos desfilaram perante o público e autoridades. “Desfilar junto com eles é uma obrigação, já que você está frente do trabalho”, disse.

Avaliando o resultado do desfile, que foi algo a parte, um desfile dentro do desfile, Elenice disse que “foi um desfile bom, proveitoso e diante do esforço de todos que participaram durante estes 30 dias de organização, junto às escolas estaduais, municipais e particulares, todos se envolveram para que hoje tivéssemos este brilho na avenida, todos participaram, todos brilharam”, completou.

Aguardem – Ainda hoje e até domingo, estaremos publicando a cobertura completa do desfile cívico de 7 de setembro em Propriá, o terceiro da era Paulo Britto a frente da administração ‘Propriá somos todos nós’.

* A utilização deste e outros artigos devem respeitar a Lei dos Direitos Autorais. Sua veiculação deve ser previamente autorizada e as informações autorais devem ser mantidas.

Praias e Rios: vamos limpar e aprender a não sujar

Este ano a campanha acontece no dia 18 de Outubro de 2009


Pelo terceiro ano consecutivo, o município de Pirambu realiza no dia 18 de Outubro de 2009 a campanha ‘Praias e Rios: vamos limpar e aprender a não sujar’, promovido pela Frente das Águas em Sergipe. Aqui em Pirambu a iniciativa será coordenada pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba, com o apoio da Tribuna da Praia, prefeitura municipal de Pirambu, escolas das redes municipal e estadual, entre outras, que já estão sendo contatadas pela coordenação.

“O município de Pirambu tem se destacado na campanha Praias e Rios desde 2007, inclusive pela ampliação da ação para outras comunidades, como o Prata e Lagoa Redonda”, testemunhou o jornalista Osmário Santos, coordenador estadual da campanha. “Ainda na próxima semana estaremos definido se a campanha acontece na praia de Pirambu, em Lagoa Redonda ou em ambas”, prevê o professor Claudomir Tavares, presidente do CBH Japaratuba.

A campanha ‘Praias e Rios: vamos limpar e aprender a não sujar’ acontece em Sergipe pela quarta vez. O município de Pirambu realizou pela primeira vez em 2007, capitaneada pela prefeitura municipal, com a participação das escolas municipais. Em 2008 foi coordenada pelo CBHJ, com o apoio da Prefeitura, Escola Mário Trindade Cruz, Tribuna da Praia, Clubinho da Tartaruga e Vereda da Cultura.

Semed homenageia heróis do Mário Trindade

Seguindo o exemplo de outras instituições, a prefeitura municipal de Pirambu, através da secretaria municipal de Educação, homenageará na manhã de hoje os estudantes/atletas medalhistas nos XXVI Jogos da Primavera, realizados no período de 11 a 21 de agosto de 2009, em Aracaju. A solenidade acontece logo mais a partir das 08h45min, na sede da Semed, localizada a Rua Otávio Aciole Sobral, quando serão homenageados Luiz Ernani dos Santos (Ouro em Salto em Distância, Categoria B/Masculino) e Eraldo Bispo dos Santos Filho (Prata em Arremesso de Peso, Categoria B/Masculino).

9 de set de 2009

Sesquicentenário da visita de Dom Pedro II a Propriá

Viagem à Cachoeira de Paulo Afonso: Descrição da maneira entusiástica porque S. M. o imperador foi recebido em Vila-Nova e Propriá, província de Sergipe
Por Luiz Álvares dos Santos *

Nada de positivo constava nesta Capital acerca da chegada de Suas Majestades Imperiais na Cidade da Bahia, e muito menos qual o dia de sua partida para a Cachoeira de Paulo Afonso.

Só à 11 de Outubro às 5 horas da tarde, depois de tantos dias de expectativa e incertezas, foi que aqui aportou o vapor Valeria de Sinimbú, da companhia Baiana, e então chegou a notícia certa daquela feliz chegada, recebendo S. Ex. o Sr. Dr. Galvão, Presidente da Província, uma carta particular que lhe noticiava a saída de S. M. Imperial para a referida Cachoeira no dia 12.

Imediatamente determinou S. Ex. que se despachasse o vapor sobredito de forma que a 5 horas da manhã do dia seguinte (12) estivesse em termos de poder seguir viagem para o Penedo.

Assim se verificou, conservando-se aberta a Alfândega e outras Repartições publicas até alta noite.

As horas prescritas já fumegava o vapor e S. Ex. o Sr. Presidente, acompanhado do seu Secretario, e de um Oficial da Secretaria, do Chefe de Policia, Comandantes da Companhia Fixa e do Corpo de Policia, apresentou-se à bordo à essa mesma hora afim de transporta-se à barra do Rio de S. Francisco, a aí beijar as Mãos de S. M. Imperial, e receber suas respeitáveis ordens.

Logo depois do embarque de S. Ex. verificou-se também o da banda de musica do corpo de polícia.

S. Ex. o Sr. Dr. Galvão foi incansável em providenciar para que o recebimento de S. Majestade fosse o mais aparatoso possível nesses lugares tão centrais e sem recursos.

Por outro lado, abrasado de cordial desejo de que a entrada de sua Majestade na barra do Rio de S. Francisco fosse a mais feliz possível não só quis ele mesmo presenciá-la, como também determinou que a catraia Piauitinga, e o vapor de reboque da Associação Sergipense, fornecidos de práticos inteligentes e amestrados se fossem postar a entrada da dita barra sob as ordens do ativo e zeloso capitão do porto José Moreira Guerra.

Tudo assim disposto, às 5 horas e alguns minutos levantaram âncoras em demanda da barra o vapor Sinimbú e o de reboque, e a catraia, às seis e um quarto¹ já navegavam barra fora.

Bem que lenta fosse a viagem, todavia foi efetuada sem o menor desastre. Às quatro horas da tarde estava o vapor Sinimbú dentro da barra do Rio de S. Francisco em demanda do povo de Vila-Nova, território da província de Sergipe, e às 6 horas achavam-se também fundeados no pontal da dita barra o vapor de reboque, e a catraia Piauitinga a espera de S. M. Imperial, e da esquadrilha imperial que o acompanhava.

O vapor Sinimbú no entanto continuava sua marcha pelo Rio de S. Francisco em demanda do Porto de Vila-Nova, onde felizmente fundeou as 7 e meia da noite, sucedendo que em caminho no lugar que fica fronteiro ao Brejo Grande, ou Paraúna se encontrassem os dois Presidentes, o de Sergipe, e o de Alagoas, fazendo este à aquele as honras as mais obsequiosas, mandando salvar o vapor de guerra que o conduzia, fazendo subir as vergas toda a tripulação do mesmo vapor, propondo em vivas os mais entusiásticos a S. M. o Imperador, o que tudo era acompanhado de harmoniosos sons da musica marcial que se achava a bordo, a qual durante estas demonstrações de favor e regozijo tocava o hino nacional.

É conveniente e justo que neste lugar nos congratulemos com nobre Sr. Presidente de Alagoas não tanto pela maneira cavalheirosa porque, nas águas de sua Província, tratou a seu colega, o distinto Sr. Dr. Galvão, Presidente de Sergipe; como e sobretudo pelo zelo e incansável dedicação e esmero com que por sua parte promoveu o recebimento no território da Província que administrara.

Pelo que temos exposto terão os nossos leitores perfeitamente compreendido que o Exm. Sr. Presidente de Alagoas seguiu para a barra a esperar por Sua Majestade o Imperador, e que o Exm. Sr. Dr. Galvão saltara em Vila-Nova a fim de se preparar para o mesmo fim.

Cumpre agora declarar que no porto desta Vila foi o mesmo Exm. Sr. Dr. Galvão recebido por todas as autoridades eclesiásticas, civis e militares do termo, e por muitas outras pessoas gradas.

Uma guarda sob o comando do tenente de polícia Emídio José da Cunha, comandante do destacamento, achava-se postada ao pé do referido porto.

Conduzido o Sr. Dr. Galvão por todas aquelas autoridades e pessoas à casa que para o seu aposento foi preparada pelo presidente da Câmara tenente-coronel Thomaz Pinheiro de Souza Costa, tratou S. Ex. de dar imediatamente as seguintes providencias:

1ª Ordenou S. Ex. ao comandante do vapor Sinimbú que não seguisse ao seu destino, não só para conduzi-lo no dia seguinte (13) à barra do Rio de S. Francisco com todos os funcionários que o acompanhavam à assistir a entrada de S. M. o Imperador, como para prestar-se ao recebimento do mesmo Augusto Senhor que era nesse mesmo dia esperado, ficando depois de sua chegada à disposição do Exm. Sr. Ministro do Império, que provavelmente teria ordens e avisos à expedir para as províncias do norte.

Esta ordem do Exm. Sr. Dr. Galvão foi fielmente cumprida, e mereceu a aprovação do Exm. Sr. Ministro.

2ª Fez partir imediatamente para Propriá onde, S. M. tinha de tocar, o capitão Manuel Agostinho da Silva Moreira com cartas ao Sr. Dr. Hugolino, juiz de direito da comarca, levando o mesmo capitão alguns adornos para casa em que Sua Majestade tinha de ser agasalhado, alguns criados necessários para o serviço, uma porção de armamento e algumas praças do corpo de policia.

No dia 13 a uma e meia hora da tarde o vapor Sinimbú, segundo a ordem transmitida a seu comandante, deixou o porto do Penedo e parando no de Vila-Nova recebeu a seu bordo S. Ex., todos os empregados públicos que o acompanhavam da capital, o vigário da Freguesia, o juiz municipal do termo, o presidente da Câmara, o delegado comandante superior, comandantes de batalhões e alguns oficiais da Guarda Nacional, e depois de embarcada a música do corpo de policia partiu imediatamente o vapor em demanda da barra.

Não foi possível alcançá-la senão depois das 7 horas da noite, fundeando o vapor no Pontal, onde se divisavam também fundeados diversos vapores que a escuridade não permitia distinguir se eram ou não os da Esquadrilha Imperial.

Foi mister portanto fazer arrear um escaler e mandar-se à bordo de um dos vapores de guerra que ficava mais próximo, a fim de se saber se com efeito a Esquadrilha que conduzia S. M. Imperial havia efetuado sua entrada.

Em poucos momentos regressou o escaler trazendo resposta afirmativa.

S. Ex. o Sr. Dr. Galvão acompanhado pelo seu secretario, pelo Dr. chefe de policia e pelo comandante do corpo policial dirigiu-se imediatamente ao vapor Apa onde se achava S. M. o Imperador, e aí sendo admitido apresentou-se com todos aqueles empregados ao mesmo Augusto Senhor.

S. M. o Imperador depois de ter recebido com a bondade que lhe é inata ao Exm. Sr. Dr. Galvão dando-lhe a honra não só de o mandar assentar a seu lado, e conversar por algum tempo com ele, como admiti-lo a tomar chá em sua mesa e a todos os empregados acima mencionados, determinou ao Exm. Sr. Ministro do Império que fizesse constar ao mesmo Exm. Sr. Dr. Galvão que às 5 horas da manhã do dia seguinte (14) se apresentasse com o seu secretario à bordo do vapor Apa, que o conduzia afim de acompanhá-lo com sua comitiva até Penedo.

Ao findar este ato passou-se S. Ex. o Sr. Dr. Galvão para Vila-Nova, onde no dia seguinte (15) recebeu aviso oficial de que S. M. Imperial pretendia almoçar em Penedo, e às 2 para 3 horas da tarde passar-se para Vila-Nova afim de visitar o povoado, depois do que tornaria para o Penedo, onde jantaria.

Vila-Nova, além de ser uma das Vilas mais pobres da Província e sem nenhum recurso, caminha a passos largos para a sua ruína: além disto não tinha sido precedentemente avisada de que receberia tão honrosa visita. Não obstante S. Majestade o Imperador foi aí recebido com as maiores demonstrações de regozijo.

Logo que fundeou a galeota em que vinha S. M., o que teve lugar antes das 3 horas da tarde apresentou-se no porto de desembarque S. Ex. o Sr. Dr. Galvão, seu Secretario, Comandante do Corpo de Policia, Juiz Municipal do Termo, Delegado, Subdelegado, Comandantes, e Oficiais dos dois Batalhões da Guarda Nacional do Município e muitas pessoas gradas, a fim de receberem o Mesmo Augusto Senhor.

Desde o mesmo porto até a Capela da Senhora do Rosário, que serve de Matriz, se achavam postadas em alas 321 praças da Guarda Nacional, e uma Guarda do Corpo de Policia a que estava reunida a respectiva banda de Musica. S. M., que saltou em uniforme de Almirante, foi recebido por entre vivas que principiaram a ser dados por S. Ex. o Sr. Presidente, o que foram repetidos por todas as Autoridades, o povo e tropa com o maior entusiasmo e devotamento.

Dirigiu-se o Mesmo Augusto Senhor à referida Matriz debaixo do Palio, que foi carregado pelo Deputado Geral João Baptista Monteiro. Dr. Chefe de Polícia Ângelo Francisco Ramos, Comandante Superior Inácio de Melo Pereira Boto, Presidente da Câmara Thomaz Pinheiro de Souza Costa.

As Irmandades do Sacramento, e Rosário apresentaram-se igualmente no porto com o Rever. Vigário da Freguesia Antônio de Santa Maria Madalena e fizeram parte do acompanhamento.

S. Majestade depois de fazer Oração na referida Matriz visitou as Aulas de primeiras letras de ambos os sexos, a casa da Câmara, a Igreja matriz em construção, finalmente percorreu todas as ruas da Vila.

Convém aqui declarar que o professor de primeiras letras João Ribeiro Pereira da Cunha, não obstante o aviso prévio que se lhe fez, não foi encontrado em casa, deixando de dar Aula no dia em que S. M. I. era esperado em Vila-Nova².

Por semelhante omissão S. Ex. o Sr. Dr. Galvão o suspendeu por 30 dias com perda dos respectivos vencimentos.

Percorridas todas as ruas da Vila regressou S. M. I para Penedo às 4 horas da tarde, mandando antes de sua partida entregar ao Vigário da Vila a soma de 300$000 réis para ser distribuída pela pobreza.

Os habitantes de Vila Nova jamais se esqueceram de tão grande honra, e gratos sobremaneira pela bondade com que S. M. Imperial se dignou de tratá-los cada vez mais farão arraigar em seus peitos os patrióticos sentimentos de amor e adesão ao Mesmo Augusto Senhor.

No dia seguinte que era Domingo (16) S. M. o Imperador partiu do Penedo em direção a Cachoeira de Paulo Afonso, depois de ouvir Missa às 4 horas da madrugada na Capela de N. S. da Corrente com toda a sua comitiva, os dois Presidente: de Alagoas e Sergipe, e o Secretario deste com falta do de Alagoas, que adoeceu.

S. M., da mesma forma porque havia principiado sua viagem desde que tocou no Rio de S. Francisco, passou a colocar-se na caixa da roda do vapor tendo diante de si a planta do mesmo rio, e respectivos relatórios, e a seu lado os dois Presidentes supraditos.

Por toda a margem do Rio onde existiam habitadores, à proporção que a galeota ia sendo vista retiniam os vivas a S. M. o Imperador, e as demonstrações de regozijo partiam de todos os lados.

Notou-se até que em alguns pontos à margem do Rio muitas pessoas de ambas os sexos se prostavam de joelhos ao avistarem S. M. o Imperador.

Depois de cinco a seis horas de viagem apresentou-se a nossos olhos, garbosa e festiva a Vila de Propriá desta Província onde S. M. Imperial se dignou saltar.

Esta Vila situada à margem do Rio de S. Francisco tendo uma bela e elegante Matriz com duas elevadas Torres, e um outro Templo colocado em ótima posição, e sendo além disto bastante extensa e povoada, ofereceu desde que foi perfeitamente descoberta a vista mais alegre e agradável, parecendo-se bem um arremedo da populosa cidade do Penedo, quando descoberta em igual distância.

S. M. o Imperador com seu óculo de alcance apreciou a bela vista e perspectiva da indicada Vila, e reconheceu que achava-se apinhada de povo.

Com efeito sem exagero podemos dizer que nunca nos persuadimos que em Propriá, uma Vila central outrora florescente, mas já decadente, houvéssemos de ver tanto povo reunido, e tanta efusão de prazer.

S. Majestade Imperial saltou em uma ponte decentemente preparada, sendo recebido debaixo do Palio pela Câmara Municipal com suas vestes próprias, cujo Presidente lhe fez entrega de uma chave de prata preza em um laço de fita verde.

Junto a ponte achavam-se colocadas em alas não só as Irmandades do Santíssimo Sacramento e de Nossa Senhora do Rosário precedidas do Clero, mas também os membros da comissão que S. Ex. o Sr. Presidente da província havia antecipadamente nomeado, a saber: o Juiz de Direito Hugolino Aires de Freitas Albuquerque, Comendador Antonio José da Silva Travassos, Dr. Juiz Municipal de Vila Nova Gonçalo Vieira de Carvalho Melo, Vigário de Propriá Manuel Joaquim Nunes, Presidente da Câmara Municipal de Propriá Padre Miguel de Albuquerque Silva Ramalho, o da de Vila- Nova Tenente Coronel Thomaz Pinheiro de Souza Costa, e Delegado Manuel Germano de Freitas.

Uma guarda de honra se achava postada sob o Comando do Capitão de primeira linha Manuel Agostinho da Silva Moreira. Além desta guarda formou-se em duas alas o Batalhão da Guarda Nacional da Vila em numero de 195 praças que estenderam-se desde o porto até a Igreja Matriz, sob o comando de seu distinto Comandante Tenente Coronel Medeiros Chaves.

Um sem numero de pessoas gradas e a mais avultada reunião do povo, tudo e todos faziam a um só tempo retumbar os mais entusiásticos vivas; tudo e todos os olhos fitos e como que estáticos em seu Adorado Soberano; tudo e todos mostravam-se inundados no mais santo e bem entendido prazer; tudo e todos, repetimos, faziam da Vila de Propriá um quadro o mais jucundo, a cena mais patriótica e interessante que nossos olhos tem visto, impossível por sem duvida de ser filete descrita por nossa tão pobre e rude pena.

Entre tão grande entusiasmo e rodeado de seus fiéis súditos seguia S. M. Imperial sempre amável, sempre benigno, para a Igreja Matriz; à pouca distancia, porém, do porto saiu ao seu encontro a professora de primeiras letras com suas alunas, e uma delas de nome D. Maria José Sampaio dirigiu a S. M. Imperial por si e suas colegas a seguinte alocução:

“SENHOR! – Se em outras ocasiões nossa tenra idade, o acanhamento natural ao nosso sexo e a falta de instrução que agora começamos a adquirir nos imporiam silencio, e nos não permitiriam sair da casa dos nossos pais ou da aula de nossa professora; a grata vinda de V. M. I. a esta província, e principalmente a visita com que V. M. I. se digna honrar esta pequena Vila, são um incentivo poderoso para nos animar a vir à presença de V. M. I. exprimir nosso contentamento, felicitar de coração a V. M. I., e rogar também que faça chegar a presença de nossa Virtuosa e tão querida Imperatriz e às nossas muito amadas Princesas, os votos cordiais que fazemos por sua conservação e felicidade.

“Propriá 16 de Outubro de 1859”.

Maria José Sampaio.

S. M. Imperial dignou-se prestar a mais obsequiosa atenção a esta angélica demonstração de pura submissão e prazer.

Ao findar a alocução nuvens de flores que as meninas traziam em cestinhas choveram sobre a pessoa de S. M. Imperial, e a patriótica professora dirigiu ao mesmo tempo entusiásticos vivas ao mesmo Augusto Senhor, a S. M. a Imperatriz e a Família Imperial, os quais foram grata e geralmente correspondidos.

Continuou S.M. Imperial em direção à Matriz, onde assistiu à celebração de um Te-Deum que lhe foi oferecido, e em que oficiaram o Rev. Vigário da Freguesia, o da Vila-Nova e o Rev. Manoel Francisco de Carvalho, sendo composto o coro dos Reverendos Fr. José da Piedade, Fr. Simplício da Santíssima Trindade e Fr. José de S. Jerônimo.

Findo o Te-Deum visitou S. M. Imperial as aulas de Latim, as de primeiras letras de ambos os sexos, a casa da Câmara, a Igreja do Rosário, e finalmente percorreu todas as ruas da Vila. Sempre acompanhado de toda a sua comitiva, dos dois Presidentes de que temos falado, de todas as pessoas gradas, de inumerável povo e da Guarda de Honra.

Por todas as ruas por onde S.M. Imperial passava choviam odoríferas flores que lhe eram lançadas das portas e janelas, e os vivas que se lhe dirigiam tornavam-se cada vez mais entusiásticos, sempre mais patrióticos.

S.M. Imperial correspondia a tudo com uma amabilidade e candura que encantou, que arrebatou.

Percorridas todas as ruas da vila recolheu-se S. M. o Imperador à casa que a comissão havia preparado para seu agasalho e aí serviu-se de um almoço, tomando assento na mesa não só a comitiva do mesmo Augusto Senhor, os Presidentes das duas Províncias e o secretario da de Sergipe, como também à pedido do Exm. Presidente desta Província, que por S. M. foi atendido com a maior bondade e complacência, o Dr. chefe de policia Ângelo Francisco Ramos, os Barões de Atalaia e Jequiá, pertencentes à Província das Alagoas, e finalmente todos os membros da comissão de Propriá que se achavam presentes, cujos nomes já acima mencionamos.

Concluído o almoço S. M. Imperial retirando-se para uma sala deu audiência a grande numero de pessoas que ou por si próprias lhe apareciam, ou eram apresentadas pelo Exm. Sr. Dr. Galvão.

S. M. acolheu com a mais admirável bondade e ternura a classe dos indigentes que de tropel o buscavam como a um pai desvelado e carinhoso procura um filho em suas maiores aflições e penas.

Além da esmola de 50$ que mandou dar a uma mulher escrava para sua liberdade, fez entregar ao Rev. Vigário a quantia de 400$ para ser distribuída pelos pobres de sua freguesia.

Assim tocou em Propriá o Anjo tutelar do Brasil, que verificou sua retirada para a Cachoeira de Paulo Affonso às 2 horas da tarde, deixando extremamente saudosos a todos os seus súbitos que tiveram a gloria de vê-lo e de admirar sua extrema bondade e natural beneficência.

S. Ex. o Sr. Dr. Galvão depois que a galeota, condutora do Augusto e Magnânimo Monarca deixou o ancoradouro de Propriá, recolheu-se à casa destinada para seu aposento, e logo no dia seguinte (17) providenciou acerca de seu regresso para a capital, o que se verificou ás 3 horas da manhã do dia 18, vencendo nesse mesmo dia 20 léguas por terra e cinco por mar.

À uma para duas horas da manhã do dia 19 estava o mesmo Exm. Sr. restituído ao palácio de sua residência no Aracaju, e nesse mesmo dia em companhia de sua distinta consorte e de sua amável filhinha percorreu a cidade visitando as obras que deixou em construção para o recebimento de SS. MM. II.

* SANTOS, Luiz Álvares do. Viagem Imperial a Província de Sergipe. 2ª Ed. Revisada e Anotada. (Introdução e notas de Luiz Antônio Barreto). Aracaju: Degrase, 2005. pp 262-277. (No Prelo)

Notas:

¹ 6:15h
² Atual Neópolis.

8 de set de 2009

Da História da Educação em Pirambu: Amaral Lemos - Berço Cultural de Pirambu

Inaugurada em 11 de março de 1970, escola se prepara para comemorar em 2010 40 anos de construção de algumas das mais belas páginas da educação pública em Pirambu
Por Claudomir Tavares * | claudomir@infonet.com.br

A História do Colégio Estadual José Amaral Lemos (que já foi Grupo Escolar e Escola Estadual) rendeu ao município de Pirambu algumas das mais belas páginas da História da Educação na região do Vale do Japaratuba. Aqui registramos alguns destes momentos que ficaram marcados definitivamente na trajetória de nossa cidade, a partir de textos e depoimentos de professores, alunos e ex-alunos desta que é considerada o berço cultural de Pirambu.

:: José Amaral Lemos

Nasceu na cidade de Maruim, onde no início do século XX era um dos maiores centros econômicos do Estado de Sergipe. Talvez por este motivo José Amaral Lemos transformou-se num comerciante de sucesso onde viajava periodicamente por todo o Vale do Cotinguiba com um comboio de animais vendendo mercadorias como mascote, nome dado ao profissional de vendas da época.

Nas suas andanças como mascote, conheceu Pirambu. Já viúvo, casou-se pela segunda vez onde fixou residência no então distrito de Japaratuba, mas precisamente em Pirambu. Tinha oito filhos do primeiro casamento, e mais quatro do segundo consórcio. Nunca exerceu cargo público, mas tinha grande influência nas decisões políticas do município.

Era proprietário de uma grande extensão de terras nas margens do rio Japaratuba, onde dentro de sua propriedade um pretendente quisesse fixar residência era obrigado a pagar uma espécie de taxa de uso da terra, como se fosse um imposto. Algumas pessoas dizem que ele cobrava a referida taxa somente para algumas pessoas, pois alegava que algumas provocavam danos a terra.

Era um homem católico, prestativo, humilde e honesto.

:: A escola

A escola surgiu na gestão de dois grandes administradores, sendo um o governador Lourival Batista e o outro o prefeito Walter Amaral, que homenageava assim seu pai “José Amaral Lemos”, emprestando o seu nome para este estabelecimento de ensino.

A história do Amaral (como atualmente é conhecido), será contada através de décadas:

> Dia 11 de março de 1970 ela entra em atividade, como Grupo Escolar José Amaral Lemos.
> Nos anos 80 começa a fase de desenvolvimento da escola, com a mudança da cor da farda, ampliação da escola, fundação do 1º Grêmio em 23/08/1983 e o principal, a implantação do chamado Ginásio, de 5ª a 8ª séries (gradualmente, uma série por ano de 1981 a 1984, quando forma a primeira turma do 1º grau).
> Anos 90, na busca da interdisciplinaridade a escola trabalha formas diferentes no processo de aprendizagem através de gincanas sócio-culturais, esportivas e ambientais.
> Ao longo deste período a escola não deixou de prestar algumas homenagens e agradecimentos especiais às pessoas que contribuíram para o sucesso desses anos todos, a exemplo de dona Ester do Amparo, ex-diretora, dona Júlia Cruz, ex-professora (in memorian) e dona Maria Macambira, ex-merendeira).
> E por final, o Amaral Lemos entra no 3º Milênio com as crianças menores que representam a esperança de um mundo melhor para todos.

:: Berço cultural de Pirambu

Ao longo destes anos, o Colégio Estadual José Amaral Lemos conseguiu para si o sugestivo título de ‘berço cultural de Pirambu’, em função das grandes iniciativas que foram desenvolvidas em seu interior, ou por iniciativa de seus atores sociais (alunos, professores, coordenação, equipe de apoio e direção) fora de sem ambiente físico.

A escola foi referencial em apresentações culturais e desportivas, conquistando vários prêmios dentro e fora do estado, numa prova inequívoca do seu compromisso com a educação emancipatória, muitas vezes amordaçadas, mas sempre encontrando os elos da liberdade que insistiam em levar adiante esta bandeira que é um orgulho de instituição cravada na História de Pirambu.

* Claudomir Tavares (41) estudou no Amaral Lemos (1981/84), sendo um de seus professores (1988/2002 – 2007/2008). É professor de História, Sociedade e Cultura da Escola Municipal Mário Trindade Cruz (Pirambu), de História, Filosofia, Sociologia e Cultura Sergipana no Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa (Propriá). Licenciado em História pela UFS, com Pós Graduação em Gestão de Recursos Hídricos (Aperfeiçoamento – Concluído / Cursando Especialização) pela UFS e Didática e Metodologia do Ensino Superior pela Faculdade São Luís de França. É presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba, membro fundador da Sociedade Sócio-Ambiental do Vale do Japaratuba (SOS Rio Japaratuba), presidente municipal e secretário estadual de assuntos parlamentares do Partido Verde e Diretor-Fundador da Tribuna da Praia

Referencial Bibliográfico:

Centro de Documentação do Colégio Estadual José Amaral Lemos

7 de set de 2009

Da História da Educação em Pirambu: Mário Trindade - A metamorfose de uma escola em Pirambu

Fundada em 17 de novembro de 1979, escola passou por diversas transformações, ampliações e hoje é a maior e mais representativa da rede municipal de ensino ¹
Por Claudomir Tavares * | claudomir@infonet.com.br

A História da Escola Municipal ‘Mário Trindade Cruz’, a maior e mais representativa da rede municipal tem passado ao longo destes quase 30 anos de História por uma série de transformações, sejam elas de caráter físico, pedagógico e administrativo. Sendo a maior, é natural que seja a que atrai as maiores atenções da sociedade, estando sempre ‘no olho do furação’, mas que tem sobrevivido as maiores turbulências, numa prova inequívoca de sua capacidade de superar desafios sucessivos e contínuos.

:: A Escola

Criada através da Lei Municipal Nº 52, de 17 de novembro de 1979, a ESCOLA MUNICIPAL MÁRIO TRINDADE CRUZ funcionou na Avenida Agostinho Trindade até 1984, sendo transferida para a Rua Manuel Amaral Lemos, onde nas sucessivas administrações passou por diversas ampliações, reformas e redefinições de seu perfil.

A ESCOLA MUNICIPAL MÁRIO TRINDADE CRUZ é a maior e mais representativa da rede municipal de ensino. Nela estão matriculados mais de 1500 estudantes (cerca de 60% do total de toda rede municipal) de todos os estudantes da rede, e lotados mais de 60 (algo em torno de 50%) professores e mais de 20 funcionários, entre pessoal da secretaria, de apoio, merendeiras e vigilantes (também algo em torno de 50% dos funcionários da educação na rede municipal)

Desde 2002 a ESCOLA MUNICIPAL MÁRIO TRINDADE CRUZ incorporou a Escola Estadual Leonor Barreto Franco, prédio pertencente à rede estadual, mas cedido ao município em regime de comodato, onde funciona a Educação Infantil. Ali, estão matriculadas 260 crianças, cujas aulas são ministradas por 15 professores. São 7 o número de pessoal de apoio, incluindo 2 merendeiras e 1 escriturário. Dois vigilantes prestam serviços na instituição.

Uma metamorfose na educação pública de Pirambu, a ESCOLA MUNICIPAL MÁRIO TRINDADE CRUZ iniciou suas atividades oferecendo as primeiras séries primárias, sendo ampliada para até a 4ª Série a partir de 1984. Em 1994, passou a funcionar na escola o Sistema Organizacional Modular do Ensino Médio – SOMEM, da Secretaria de Estado da Educação. O SOMEM funcionou até o ano 2000, passando a incorporar o Ensino Médio já vinculado ao Colégio Estadual José Amaral Lemos em 2001. Antes, em 1999 teve início a segunda etapa do Ensino Fundamental, oferecendo até a 8ª Série, formando a primeira turma em 2002. A partir de 2003 a escola passou a oferecer o Ensino Médio, formando as primeiras turmas em 2005 (Regular) e 2007 (Magistério).

:: Galeria de Diretores

Ao longo de sua trajetória, a ESCOLA MUNICIPAL MÁRIO TRINDADE CRUZ foi marcada pela sua parcial (ou total) dependência administrativa da Secretaria Municipal de Educação - SEMED, o que está sendo rompido naturalmente pela tomada de atitude dos atores sociais que a constroem. Para efeito de registro, consta da Galeria de Diretores os seguintes professores:

• Profº. Natanael dos Santos – 1979/1984
• Profª Mirian Ferreira de Matos Cruz – 1984/1990
• Profª Genilza Ferreira Lisboa Alexandre – 1990/2001
• Profº Claudomir Tavares da Silva – 2001/2002
• Profª Maria dos Santos Morais – 2002/2007
• Profº Antônio Edvaldo Dantas de Oliveira – 2007
• Profª Cláudia Tavares da Silva – 2007/2009
• Profª Acácia Dias da Cruz – 2009
• Profª Sônia Maria Santos – Desde 2009

Em nossos registros, consta a relação das nossas primeiras professoras, as quais estarão para sempre em nossos corações, a saber:

• Maria Júlia Cruz Daltro (in memorian)
• Joselita da Silva Almeida
• Acidália da Silva Ferreira
• Luciene Ferreira Nunes

:: Mário Trindade Cruz

Mário Trindade Cruz foi ex-prefeito do município de Japaratuba, a época em que o território de Pirambu estava a ele integrado e exerceu forte influência na vida sócio-político do Vale do Japaratuba como um dos mais influentes políticos da região. Seus filhos Juarez Lopes Cruz e Marcos Lopes Cruz foram prefeitos de Pirambu, após sua emancipação em 1963.

:: 30 anos de educação

Ao iniciar as comemorações alusivas aos 30 anos, é mais que urgente uma reflexão sobre a escola que temos e a escola que teremos. Depois de três décadas e tendo passado pelas mais diversas e adversas transformações, não podemos permanecer com mentalidades tacanhas, onde as questões menores sobressaiam diante da grandeza de uma instituição que é um dos mais importantes elementos do nosso patrimônio cultural. O Mário Trindade é um pouquinho de cada um de nós, cada um em seu tempo, pelas contribuições que cada um deu, está dando ou dará pela manutenção dos valores mais sublimes que constituem seus pilares.

* Claudomir Tavares (41) é professor de História, Sociedade e Cultura da Escola Municipal Mário Trindade Cruz (Pirambu), de História, Filosofia, Sociologia e Cultura Sergipana no Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa (Propriá). Licenciado em História pela UFS, com Pós Graduação em Gestão de Recursos Hídricos (Aperfeiçoamento – Concluído / Cursando Especialização) pela UFS e Didática e Metodologia do Ensino Superior pela Faculdade São Luís de França. É presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba (CBHJ), membro fundador da Sociedade Sócio-Ambiental do Vale do Japaratuba (SOS Rio Japaratuba), presidente municipal e secretário estadual de assuntos parlamentares do Partido Verde e Diretor-Fundador da Tribuna da Praia

Nota:

¹ Artigo publicado pela primeira vez em 17/11/2008 (www.tribunadapraia.com), sendo incorporado a bibliografia do Projeto Pedagógico da Escola Municipal Mário Trindade Cruz, republicado em 25/06/2009 (www.claudomir.com.br). Adaptado especialmente para esta publicação.

6 de set de 2009

NOSSA HOMENAGEM: A Casa (também) de Juca

Professor, vereador, advogado, Juscelino Pinheiro de Britto é uma figura que tem feito muita falta a Japaratuba de tanta efervescência cultural (1)
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.cim.br

Lendo esta semana mais uma postagem de Juscelino Britto em nosso Livro de Visitas, lembrei de uma passagem de nossa história que deve ter sido a mesma de muitos de nossa geração que nos anos 80 iniciaram uma relação com a cidade de Japaratuba. Foi nesta época que iniciávamos os estudos cursando o 2º Grau no Colégio Cenecista Senador Albano do Prado Pimentel Franco, que funcionou até o ano de 1986 no prédio do atual Colégio Estadual Senador Gonçalo Prado Rollemberg.

Alí conhecemos um professor de Educação Moral e Cívica e Organização Social e Política do Brasil. Ativista cultural e sintonizado com as questões sociais de sua comunidade, o advogado Juscelino Pinheiro de Britto elegeu-se vereador pela PDS em 1983. Não conseguiu reeleger-se em 1988. Não foi ele o derrotado, e sim a cidade de Japaratuba, a cultura da cidade, a Escola de Samba Unidos de Japaratuba, o Ginásio Municipal Emiliano Nunes de Moura, da qual foi o principal responsável pela implantação do 2º Grau (Contabilidade e Pedagógico) naquela instituição.

:: Um caso de amor com Japaratuba

Juscelino era entre todos os japaratubenses, o mais apaixonado pela sua cidade. Ele não era padre (pelo contrário, fazia oposição a um padre que depois viria a se tornar prefeito), mas a relação de amor e de compromisso, comprometimento com a sua cidade, era um sacerdócio. “É uma relação de amor com a cidade, uma relação pacional com a cidade que se confunde com sua vida’” descreveu Zilma Britto, sua irmã, a qual tive o prazer de conhecê-la em 2007, cursando a Pós-Graduação (aperfeiçoamento) em Gestão de Recursos Hídricos.

:: A Casa de Japaratuba

Juscelino residia em uma casa localizada à Praça Pe Caio Tavares, tendo como vizinho direito a residência de ‘dona’ Eunice Menezes (mãe do ex-vereador Ceno) e do lado esquerdo a Agência do Banese. Esta era a referência de estudantes de Pirambu, Aguilhadas, Maribondo, São José, Fleixeiras, Curral do Meio, Aguada, Carmópolis e da cidade de Japaratuba. “Era nosso albergue, um ponto de apoio dos estudantes tanto de Japaratuba quanto dos demais municípios”, descreveu a época os estudantes Anderson (Aguada) e Wilmo (Fleixeiras).

Sua residência estava sempre abertas (as portas existiam apenas para uma formalidade arquitetônica) para receber, orientar, amparar, abrigar estudantes, a juventude, o universo cultural e político que transformava a residência do advogado-professor-vereador. Juscelino defendia seus estudantes como ‘um cão raivoso’, naturalmente com a doçura de quem aprendeu a construir amizades e uma relação de convivência de um nível ainda hoje inimitável. “Quem menos mandava na sua casa era o próprio Juca”, dizia o estudante de Contabilidade José de Melo, acrescentando que “ele não precisava mandar, pois todos defendiam a casa de Juca como defendiam suas próprias casas”, completou.

:: Visionário e empreendedor

Juca como era conhecido por todos, foi um empreendedor. Visionário, ‘perseguia’ a idéia e a concretizava. Só para citar alguns exemplos:

> Educação – Implantação do 2º Grau no Ginásio Municipal Professor Emiliano Nunes de Moura, que passou a denominar-se Escola (depois Colégio) de 1º e 2º Graus Emiliano Nunes de Moura;

> Cultura – Idealização e fundação da Escola de Samba Unidos de Japaratuba, que brilhou por vários anos na Avenida Barão de Maruim, em Aracaju;

> Comunicação – Lançamento do Jornal ‘O Regional’, que circulou quinzenalmente de 1986 a 1988. O jornal mostrava-se sintonizado com o seu projeto, se não vejamos uma manchete: “O dinâmico prefeito Pedro Moura”.

> Sua aldeia – Juscelino acumula algumas frustrações, decepções, mas acumula, principalmente, um legado que nem ele imagina: iniciou uma geração nos caminhos da cidadania, de intervenção social com atitude, da valorização cultural, do bairrismo necessário, da apropriação dos elementos culturais como valor incalculável. Quando Bertold Brecht soprou a frase “quanto mais você canta sua aldeia, mais universal você se torna”, involuntariamente ele estava definindo este cidadão do século XX.

> Ídolo de uma geração – Somos uma geração que nos orgulhamos de ter conhecido Juscelino Britto, de ter aprendido muito com ele e hoje, modestamente estamos transmitindo estes conhecimentos acumulados com este grande mestre que é o nosso querido Juca.

> A falta que nos faz – Com outras atribuições laborais, Juca tem vindo a ‘seu torrão’ esporadicamente, ‘matando de saudade’ uma geração hoje na faixa de 35 a 45 anos. Sua ausência tem deixado Japaratuba menor, diante de seu potencial, pelo muito que fez e pelo muito que ainda poderia fazer. Mas o exemplo dado é para sempre!

:: Nossa homenagem

Não vamos esperar para homenagear Juscelino quando este completar 100 anos. As homenagens a este grande japaratubense, talvez o maior de sua geração, deve ser feita em vida. Ele que já viveu mais de 40 e menos de 60, pode ser que não chegue a idade de dona Maria Rita dos Prazeres, que completou 111 e recebeu uma casa de alvenaria, mas com certeza viverá mais que Arthur Bispo do Rosário. Inclusive, assistindo a festa do seu centenário, quando esta vier!

:: Comentário:

"Achei maravilhoso a homenagem ao prof. Juscelino, quando estudei no ginásio Emiliano Nunes de Moura de 1982 à 1985, tive aula com ele de EMC, foi no tempo da diretora Genólia,se não me engano ele também foi vice- diretor na época, ele é uma pessoa impar, fez muita diferença na minha vida academica, tenho muitas saudades daquela época. (Terezinha - Guarulhos/SP - Em: 06/09/2009)

(1) Publicado pela primeira vez em 17/05/2009

TODAS AS NOTÍCIAS