9 de abr de 2011

CLAUDOMIR: “Não estamos preocupados com alianças...”

... até porque elas correm o risco de não existirem, nossa preocupação é com o fortalecimento do partido que não existe apenas para disputar eleições”, afirma dirigente do PCB em Pirambu

Esta semana o secretário político do Comitê Municipal do PCB em Pirambu (que corresponde respectivamente à semelhança de Presidente e Diretório Municipal), Claudomir Tavares foi questionado sobre os rumos que o partido que dirige tomará nas eleições municipais de 2011. Sobre se seria candidato a vice-prefeito de quem, se seria o candidato a prefeito ou com quais partidos faria coligação. Antes ele faz um balanço da administração do prefeito José Nilton e da atuação da Câmara Municipal. Confira rápida entrevista que reproduzimos abaixo:

TRIBUNA DA PRAIA – Que avaliação o PCB faz da administração do prefeito Zé Nilton?

CLAUDOMIR TAVARES – Eu tenho 42 anos e desde 1980 vivo em Pirambu. Nasci aqui perto, no povoado Canal e ainda criança acompanhava a vida política de nossa cidade. Posso falar como testemunho ocular das administrações de todos os prefeitos, desde Daniel Luiz (1977/1983), Marcos Cruz (1983/1988), César Rocha (1989/1992), Sílvia Cruz (1993/1996), André Moura (1997/2004), Juarez Batista (2005/2008), interventor Moacir Santana (2007/2008) e o interino Antônio Santana (2008) e posso lhe assegurar com riqueza de detalhes que a atual administração supera em incompetência, falta de planejamento, de organização e de transparência, ou seja, considerando as expectativas geradas em torno da administração do prefeito José Nilton, do que se propôs, em fazer tudo diferente e transformar Pirambu em uma Canaã da felicidade, colocou nosso município em absoluto caos. A cidade vive uma letargia, falta gerenciamento, e não vale o argumento de que passou dois anos pagando dívida e que os recursos são escassos. Pirambu tem uma vultosa arrecadação e receitas é o que não falta para se promover uma administração dina de aplausos, mas o que acontece em Pirambu é exatamente o contrário. O prefeito já entra no quarto mês da metade da sua administração e não deu provas de que irá reagir. Lamentavelmente, Pirambu cresce como rabo de cavalo e não sou daqueles que torce pelo que de pior melhor.

TRIBUNA – E a atuação da Câmara Municipal?

CLAUDOMIR – A nossa avaliação é essencialmente política. Apesar da boa vontade de alguns parlamentares, que vai do próprio presidente, aos vereadores Toinho de Jurandi, Zé Raimundo e Zé Luiz, o conjunto da representação parlamentar tem dado provas irrefutáveis de sua subserviência, em votações importantes em que a maioria da casa, composta por parlamentares do PMDB, PSB, PDT e PT, votou contra os professores, servidores e pelo aumento dos seus próprios vencimentos, sendo denominada pelo petista Elder Muniz pelo sugestivo nome de “Casa da Prosperidade”. As sessões da Câmara de Vereadores de Pirambu são realizadas em menos de meia hora e quase sempre sem a apresentação e votação de qualquer matéria, função inerente a atribuição parlamentar. É só verificar o resumo das atividades ao final de cada ano para constatar que a Câmara de Pirambu é uma das menos atuante de Sergipe.

TRIBUNA – Como o PCB está se preparando para as eleições municipais de 2012?

CLAUDOMIR – Somos em Pirambu o caçula dos partidos políticos. Instalamos o Comitê Municipal em julho de 2010 e ainda não efetuamos o registro junto a Justiça Eleitoral. Apesar de vivermos na legalidade, par nós este é um detalhe jurídico, uma vez que privilegiamos a existência política, de um partido de quadros, de militantes. A filiação, assim, é um ato jurídico. Seríamos hipócritas se negássemos que não temos discutido eleições municipais, mas esta passa pela construção partidária, pela educação política de nossos quadros e assim temos feito com cursos de formação, com publicações, enfim, não somos os melhores, mas somos diferentes e este é o nosso referencial.

TRIBUNA – O partido tem discutido nomes e alianças?

CLAUDOMIR – Em nosso arco de alianças definido no XIV Congresso Nacional estão previstas alianças dentro da Frente de Esquerdas, que inclui o PSOL, o PSTU, o PCO e os movimentos sociais do campo popular, como MST, pescadores, trabalhadores rurais, funcionalismo público, não precisa ser alianças com partidos políticos, até porque os dois existentes em Pirambu (PSOL e PSTU) dentro do nosso campo, estão apenas documentados em cartórios. Uma outra observação, é que está praticamente definido para 2012 o final das alianças proporcionais, logo uma discussão superada. Aqui em Pirambu avizinha-se uma polarização de disputa entre o prefeito Zé Nilton (PMDB) e o candidato dos Mouras, Elinho Martins (PSC). Não não discutimos alianças com partidos de direita.

TRIBUNA – E com o PT?

CLAUDOMIR – As pessoas não podem confundir a aliança estabelecida entre o PV e o PT, dada em 2008 com uma aliança entre o PCB e o PT em uma próxima eleição. Naquele ano os verdes de Pirambu, num processo traumático, de cooptações, mas de resistência marcharam em aliança com os petistas. No PCB existe uma discussão diametralmente opostas. Pessoalmente tenho uma relação respeitosa com o PT, mas a experiência passada não é referencial para uma aliança entre os petistas e os comunistas, que marcham nas várias frentes, em caminhos opostos, como provamos em 2010.

TRIBUNA – E quanto aos nomes?

CLAUDOMIR – Não há uma discussão sobre os nomes, apesar de já existir vários pré-candidatos a vereadores, o que é politicamente natural, legítimo e aceitável dentro da nossa cultura política marcada pelas disputas eleitorais. Confessamos que não temos ainda uma chapa completa a Câmara Municipal, mas pelo volume de adesões que temos recebidos mensalmente, chegaremos em setembro de 2011 quando se encerra o prazo de filiações que os habilitem concorrer em 2012, com uma chapa completa que nos dê condições não só de disputa, como de eleição de camaradas ao Parlamento Municipal.Não vamos declinar dos nomes, por entender que não temos esta autorização, mas eles existem e são bastante competitivos. Outros se somarão a eles! Com relação ao nome do pré-candidato a prefeito ou prefeita, nós não temos qualquer discussão neste sentido, apesar de informalmente já termos alguns nomes citados, mas que nenhum deles se pronunciou.

TRIBUNA – Quando o PCB anunciará os nomes?

CLAUDOMIR – Havia uma previsão de anunciar os nomes dos pré-candidatos a prefeito e a vice-prefeito em julho, durante o aniversário de um ano de instalação do partido em Pirambu, mas esta discussão está adiada para a 1ª Conferência Municipal que acontece em outubro de 2011. A própria conferência pode decidir que o anúncio seja feito em 2012, pois somos o único partido cujas decisões são tomadas coletivamente, sendo as mesmas acatadas por todos. É isso que tem nos mantidos presentes na vida política brasileira ao longo de 89 anos.

Nenhum comentário:

TODAS AS NOTÍCIAS