6 de mar de 2010

FIQUE DE OLHO: Vereadores reagem a matéria da Tribuna da Praia

Reação de parte de vereadores de Propriá mostra despreparo e intolerância diante da liberdade de expressão, ato que não contribuirá para cercear a nossa voz
Por Claudomir Tavares * | claudomir@tribunadapraia.net
A sessão plenária da Câmara Municipal de Propriá, cidade distante 98 km de Aracaju, na noite de ontem, 25/02, foi marcada por intervenções virulentos de parte dos vereadores que, sentindo-se atingidos em sua honra e em sua intocável atividade parlamentar, reagiram de forma ácida, a partir de um discurso do vereador Marcos Oliveira (PV) no grande expediente, destilaram toda sua ira, ataques impensáveis e provas inequívocas de despreparo, pelo menos neste particular, marcas da intolerância diante da liberdade de expressão, uma conquista inalienável dos cidadãos brasileiros, cuja atitude ainda não deixaram-se intimidar diante das ameaças diretas e ou indiretas daqueles investem-se de democratas mas que na práticas agem como aqueles cuja história de triste memória acreditávamos já ter sepultado este tipo de prática há 25 anos, mas que permanece, lamentavelmente presente entre nós. Esta reação em cadeia de parte (felizmente a minoria) dos parlamentares de Propriá, os quais sempre tiveram e terão (apesar da forma ríspida como se dirigiram a nossa pessoa) tratamento respeitoso por parte deste instrumento de comunicação que é uma conquista da cidadania dos sergipanos, deu-se em função de uma matéria veiculada na última quarta-feira, 24 e reeditada ontem, 25, depois de atualizada e que tinha como título “Paulo Britto faz balanço de gestão na abertura dos trabalhos da Câmara Municipal de Propriá”.

Em um parágrafo dela, antes da reprodução do discurso proferido pelo prefeito para quatro vereadores (José Aelson Santos, Maria Rozélia Bento Fraga, Paulo Celestino Campos e Genival Moreira) e para um plenário repleto de secretários municipais e as galerias completamente tomadas por servidores municipais e populares que “Sem nenhuma justificativa (pelo menos foi o que se quis dizer o vereador Aelson ao informar que todos foram convidados e sabiam das suas obrigações), não compareceram a sessão de ontem que iniciou o ano legislativo em Propriá os (as) vereadores (as) Pel (PP), Lúcia de Vado (DEM), Jurandi Sandes (PDT), Marcos Oliveira (PV) e Costinha (PMDB). Apesar disso e protegidos pelo regimento que os cobrem aberradamente, eles não terão os salários cortados pela falta (deveriam), o que não acontece com os demais servidores municipais que ao não comparecerem ao serviço, que tem seus salários reduzidos no final do mês, caso não tenham uma justificativa que os ampare legalmente. Esperamos que os vereadores também o façam. E este espaço estará aberto aos senhores edis”, dizia o texto.

Paradoxalmente, não foi mencionado uma frase no discurso dos vereadores sobre a matéria publicada dois dias anteriores, em 23/02, sob o título “Vereadores iniciam trabalhos legislativos 2010”. Em um parágrafo do texto, que avaliava a atuação parlamentar dos municípios de Pirambu, Japaratuba, Propriá, Carmópolis, Barra dos Coqueiros e Rosário do Catete, cidade que reunimos um certo volume de informações, saímos com o seguinte texto: “Na cidade ribeirinha de Propriá, está uma das mais atuantes câmaras municipais do Baixo São Francisco, condição que levou seu presidente José Aelson Santos (PDT) a ser escolhido pelos pares de 14 cidades como presidente da Câmara Regional. Naquela casa, tem merecido destaque as atuações de parlamentares como Antídio Costa Filho (PMDB), Paulo Celestino Campos (PT), Maria Rozélia Bento Fraga (PTC) e Marcos Oliveira (PV), líder do prefeito Paulo Roberto de Freitas Britto (PT). É preciso alertar aos vereadores de Propriá que não basta apenas aprovar proposituras do executivo ou legislativo, mas ficar atentos para a necessidade de colocá-las em prática”, afirmava o parágrafo destacado para a cidade ribeirinha.

O vereador Marcos Oliveira, que sempre teve e terá espaços privilegiados neste portal, possivelmente muito mais do que sua limitada atuação parlamentar lhe permite, divulgando suas ações parlamentares e invariavelmente políticas, até porque dentro da média avaliamos seu mandato como de um vereador atuante, fez uma avaliação precipitada, um julgamento que se ‘take it literally’ (levado ao pé da letra), teria compreendido que nem todo ato legal é moral e que a falta de um parlamentar a sessão, espaço de exercício da atividade parlamentar, não obstante previsto um limite para tal, pode ser comparado sim a de um funcionário público municipal, este sim os grandes motores da máquina pública, uma vez que eles são servidores permanentes do povo, e os vereadores, servidores de luxo em cidades pequenas e de porte médio como Propriá, são transitórios, logo, ‘estão’, não ‘são’ para sempre. Marquinhos que além de uma relação pessoal que temos é também um militante do mesmo partido que pertencemos, e isso sei separar no momento de nossa atuação como profissional que há 26 anos milita na imprensa sergipana, cometeu equívocos, distorceu e foi egocêntrico. Disse que este portal não noticiou que em janeiro eles reuniram-se em pleno recesso para discutir matérias do executivo sem receber proventos, o que é uma mentira sem precedentes, mediante e consoante histórico de notícias visivelmente em [ + Notícias ]. Egocêntrico, o parlamentar nos acusou de ataques a honra, de agirmos de forma infeliz na elaboração da matéria. De nossa parte, não achamos necessário reparar uma vírgula naquele parágrafo, acreditando, no entanto, que devemos ser mais vigilante e comedir os espaços dados a determinados parlamentares, só o fazendo no tamanho e na medida da imparcialidade que deve prescindir as coberturas de sessões legislativas e daí, na extensão das atividades parlamentares, e nosso companheiro Marquinhos sabe ‘take it literally’ ao que nos referimos.

:: IRRESPONSÁVEL?

O vereador Jurandy Sandes (PDT) foi mais acintoso, mais ácido e destilou toda sua ira e ódio que saia literalmente como raio, de seus olhos ao nos fitar, que neste momento, já desfeito de nossas responsabilidades profissionais (e em função de nossas atividadfes laborais em Pirambu, Propriá e outras cidades, não podemos prestigiar as sessões da CMP, o que gostaríamos de fazê-lo) e avisado por um dos incontáveis leitores da Tribuna que ouvia a Rádio Comunitária Propriá FM 104,9, fomos lá para ‘prestigiar’ o ‘espetáculo’ protagonizado pelos senhores parlamentares, que se achando intocáveis em sua ilimitada condição de senhores absolutos e donos irretocáveis da verdade absoluta, achando-se que estão imunes as observações equilibradas que sempre pautaram nossos textos. O vereador afirmou peremptoriamente que eu sou uma pessoa que vem de Pirambu e não conhece Propriá e que a Tribuna da Praia agiu de forma irresponsável ao chamá-los de faltosos, pois a sua ação vai além do plenário, pois fora dalí faz política. Vereador, o plenário é um fórum de ação política, sendo o espaço privilegiado da atividade parlamentar e que a primeira sessão do ano constitui-se num momento especial e que requer, SIM, a presença da totalidade da edilidade. Pelo menos, em conversa ao final da sessão, ele ponderou, afirmando que a Tribuna é irresponsável, mas que eu não o sou. É como separar a cabeça do corpo: ainda que o texto de 23 e 25 sejam da editoria de Política, ele foi escrito por mim, logo, uma coisa não anula a outra.

:: CORRIDA DO TRABALHADOR E COPA DE FUTSAL

Apesar que entendemos que o papel do vereador não é o de apenas promover competições esportivas, mas do incentivo por meio dos instrumentos que possui ao esporte em todos os dias e meses do ano, este portal esteve presente em todas as edições da Corrida do Trabalhador promovida no dia 1º de Maio e na Copa de Futsal do Baixo São Francisco (na verdade, de Propriá), promovida pelo vereador Jurandy Sandes e este, possivelmente por falta de ter lido as matérias aqui publicadas, não teve tempo de utilizar o seu espaço privilegiado, fórum de atuação, o Plenário para registrar em seus agradecimentos, e isto nunca nos fez falta, pois não vivemos de elogios e sim de consciência, afila, vereador, segundo São Francisco de Assis, o melhor Tribunal que existe, é o da consciência e neste sempre procuramos ser absolvidos de nossas ações diárias. O vereador mostrou-se preconceituoso contra os propriaenses que diferente dele, não tiveram o privilégio de aqui ter nascido, mas que em momento nenhum sentem-se diminuído de ter nascido em outra comunidade.

:: PRECONCEITUOSO

Estou nesta comunidade desde dezembro de 2002, sou professor concursado, não através de favor, da rede estadual de ensino, exercendo as funções com muito responsabilidade no Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa desde 2003, tendo neste período produzido uma farta produção científica, sobre folclore, meio ambiente, patrimônio cultural, entre outros elementos da vida propriaense, inclusive apresentando o resultado desta farta produção científica, acadêmica e pedagógica em periódicos, veículos de comunicação e imortalizando-os em seminários estaduais, regionais, nacionais e internacionais, só para que o nobre parlamentar possa tomar conhecimento e não pecar mais por ignorá-los e cometer, acredito que açodado pela emoção, esta desprovida da razão, atos de xenofobismo tão condenáveis. Não concordando com este tipo de comportamento, um propriaense aqui nascido e com umbigo enterrado nesta terra abençoada, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Carlos Ayres de Brito afirmou que temos dois lados do cérebro, que assim agem. O direito é o da emoção e o esquerdo o da razão e que um deve agir controlando o outro para que não possamos agir de forma harmoniosa. E neste sentido, apesar de duramente atingido em nossa honra e em nossa condição de PROPRIAENSE, aqui não vai nenhum rancor contra o cidadão Jurandi Sandes, mas como afirmamos pessoalmente, um jornal que nasceu quando a ditadura agonizava, não irá calar sua voz diante de possíveis tentativas ainda que implícitas de intimidações e que este espaço sempre estará aberto a todos e a todas vereadores e vereadoras de Propriá e por extensão, de Sergipe.

:: DO MOSAICO AS INJUSTIÇAS DE COSTINHA

Conhecemos o vereador Antídio da Costa Filho (PMDB), o nosso querido Costinha. Sempre cordado, uma cidadão educado e cuja forma de relacionar-se com as pessoas é um exemplo de cidadão que simboliza o jeito de ser do propriaense. Nenhum vereador nestes 7 anos em que residimos em Propriá teve tantos espaços na Tribuna da Praia, seja em nossa edição impressa ou online. Fomos inclusive nós que elaboramos seu Boletim Impresso em um de seus mandatos, produzimos matérias para o jornal “A Folha Regional” (continuidade do projeto ‘Jornal Opara’, agora sob a responsabilidade do competente comunicólogo Renner Alves, agora prestando seus relevantes serviços a cidade alagoana de Piranhas). Aqui temos um arquivo de fotos do vereador e um banco de dados de sua atuação parlamentar, coletados junto ao acerco de matérias publicadas neste espaço, na sessão de ontem chamado de ‘jabazeiro’, ainda que de forma implícita, acreditamos que de forma involuntária pelo nosso amigo Costinha, que em partes de sua fala reconheceu a importância cultural do portal. Mesmo sem utilizar o termo, ele afirmava textualmente que não divulgávamos as ações dos vereadores talvez por não ser remunerados por estes. Logo você, amigo que em 2009 apresentou uma Moção de Congratulação parabenizando este portal online pelos cinco anos de relevantes serviços prestados a Propriá e chegou a nos questionar sobre a possibilidade de apresentar um projeto de Título de Cidadania Honorária de Propriá pela nossa inserção na vida cultural e a partir do nosso exercício profissional nesta cidade? Vejo isso como uma injustiça, talvez irreparável e isso faz com que possamos rever alguns valores quando acreditávamos que, vindo do senhor, jamais ouviríamos situações tão desencorajadoras e que depõe contra aquilo que temos feito em defesa de seus mandatos que julgamos proveitosos pelo que escrevemos sobre eles desde os tempos em que presidia o parlamento municipal. O senhor lembra não?

:: LÚCIA DE VADO

Não ouvimos a intervenção da vereadora Lúcia de Vado (DEM) e aqui não vamos emitir nenhum juízo de valor. Mas independente do que ela falou, a vereadora sempre teve e terá deste portal o respeito necessário a cidadã e a legítima representante do povo e, da mesma forma, não nos furtaremos em nos manifestar livremente elogiando quando o caso requer, ou criticando sempre que a necessidade se fizer presente, uma vez que sendo uma mulher pública, deve estar aberta aos elogios e críticas próprios de quem representa uma parcela significativa da opinião.

:: PEL

Quanto a vereadora Joseane Alves da Silva, a Pel (PP), não tomamos conhecimento de que esta tenha se manifestado. Por ela nutro um carinho muito forte, inclusive somos testemunhos da sua liderança na região dos bairros Poeira e Matadouro e da legião de fãs de seu mandado, apesar de sempre calada, é uma mulher marcada pelas gentilezas, cordialidade e um carinho que tem manifestado por nós. E sempre retribuiremos. Outrossim, estamos aqui rogando pelo seu pronto restabelecimento de um instabilidade de saúde registrada por volta das 22h20min, que inclusive interrompeu a sessão para que os parlamentares saíssem em seu socorro. Algum tempo antes, foi o vereador Paulo Celestino Campos (PT) que devido uma crise de pressão arterial (pelo menos foi o que nos relataram) teve que ser socorrido pelo colega Genival Moreira (PTC), enfermeiro de profissão, que o conduziu ao atendimento médico mais próximo.

:: O RESPEITO PELA CASA

Deste portal, a Câmara Municipal de Propriá sempre teve e continuará tendo o respeito enquanto instituição símbolo da democracia e da liberdade de expressão, espaço privilegiado para discussão dos problemas do povo propriaense. Da mesma forma que estaremos vigilantes para informar a população ribeirinha sobre a ação parlamentar dos seus representantes, inclusive das faltas as sessões, uma vez que, mesmo previstas, elas deveriam ser revistas, pois um servidor público mortal comum, trabalha 40 horas semanais, enquanto ao vereador é exigido apenas 4 horas semanais, considerando as 2 horas que duram em média as sessões, o que contabilizam 32 horas mensais. Está certa a conta, amigo Marquinhos?

:: MURAL DE RECADOS:

“Olá Claudomir! Como vai? Quero aproveitar o momento, primeiro para parabenizar pelo novo site. As mudanças o deixaram mais moderno, interativo; porem,o conteúdo, as informações, continuam sendo exibidas com a mesma transparência e responsabilidade de sempre. Agora, entrando no campo político, muitos devem estar se perguntando:o que estariam fazendo os senhores vereadores da câmara Municipal de Propriá, na noite do dia 23 de fevereiro de 2010? Não comparecer a sessão de abertura dos trabalhos legislativos; e ainda não justificar a ausência, sendo que o assunto a ser discutido naquela noite era de suma importância e do interesse de todos. É no mínimo LAMENTAVEL!!!” (Hilda)

:: MAIS DE 55 MIL ACESSOS DE ABRIL DE 2004 A SETEMBRO DE 2005

A coluna ‘Fique de Olho’ informa o número de acesso da Tribuna da Praia no terceiro trimestre de 2005. Nos meses de julho (4.318), agosto (4.716) e setembro (4.115) 13.149 internautas acessaram nosso portal. Uma média de 142,9/dia, contra os 139,6/dia do segundo trimestre de 2005. Somados aos 43.723 acessos até junho de 2005, atingimos um total de 56.872 acessos em um ano e meio de operação. Atualmente a nossa freqüência diária é de 3741 acessos/dia, dados atualizados após a informação da média mensal de outubro, novembro e dezembro de 2009. Em abril informaremos a média mensal do primeiro trimestre de 2010. Em Propriá, temos uma freqüência diária que oscila entre os 600 aos 800 acessos diários, a partir de uma média de 310 IP’s (PC/Computadores), nem sempre os mesmos diariamente, conforme sistema verificador de freqüência. Nas próximas edições, informaremos a freqüência dos meses de outubro a dezembro de 2005.

:: FRASE DO DIA:

"Devemos ser a mudança que queremos ver no mundo". (Mohandas K. Gandhi)

:: ANTERIORES ¹:

11/02/2010 – Dr Nilton anuncia nova secretária nas próximas horas
08/02/2010 – Uma nova secretária de Educação em Pirambu
01/02/2010 – Governo Déda mente em relação ao Carnaval de Pirambu
26/01/2010 – Era uma vez o Encontro Cultural de Propriá
24/01/2010 – Sindicato cobra diálogo com Paulo Britto

¹ Nota: As postagens anteriores, incluindo esta, estão em nosso Site Oficial: http://www.claudomir.com.br.
___________________________________
* Claudomir Tavares (41) é professor de Sociedade e Cultura da Escola Municipal Mário Trindade Cruz (Pirambu), de Filosofia, Filosofia da Educação e de Cultura Sergipana no Colégio Estadual Joana de Freitas Barbosa (Propriá). Licenciado em História pela UFS (2002), com Pós Graduação em Gestão de Recursos Hídricos (Aperfeiçoamento – Concluído - 2007/2008 / Cursando Especialização – 2009/2010) pela UFS e Didática e Metodologia do Ensino Superior pela Faculdade São Luís de França (2006). Foi secretário geral (2007/2008) e presidente (2008/2010) do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio Japaratuba, membro fundador da Sociedade Sócio-Ambiental do Vale do Japaratuba - SOS Rio Japaratuba (desde 1998), presidente municipal (desde 2008) e secretário estadual de Assuntos Parlamentares do Partido Verde (da Executiva Estadual desde 2005) e Diretor-Fundador do Jornal Tribuna da Praia (Impresso desde 1983 e Online desde 2004). Mantém site, blog, twitter, perfil e comunidade no Orkut.

PSIU: A utilização deste e outros artigos deve respeitar a Lei dos Direitos Autorais. Sua veiculação deve ser previamente autorizada e as informações autorais devem ser mantidas.

Nenhum comentário:

TODAS AS NOTÍCIAS