11 de nov de 2010

Salvem os amigos caranguejos!

Ainda bem que essa história de caranguejo-uçá ficar gordo somente em meses escritos sem a letra ‘r’ (maio, junho, julho e agosto) é pra valer. Caso contrário, esses crustáceos que são mesmo uma delícia no prato já estariam extintos. Pelo menos em Aracaju e boa parte do restante do país, onde o consumo gastronômico é exagerado, mesmo eles estando ‘magrinhos’. Aliás, não existem dados oficiais sobre essa comilança do animal de oito pernas e duas garras, mas os indícios nos apontam uma possível escassez dentro de breves tempos. E isso seria uma tragédia.
Não bastasse a cata desenfreada para o consumo humano, a poluição nos manguezais e o descuido com a preservação do habitat natural do bicho afetam diretamente na reprodução. Eu morro de pena, mas não deixo de comer. Lembro, inclusive, com saudade daqueles tempos em que sentávamos nos quiosques ao longo da praia de Atalaia e devorávamos dúzias e mais dúzias de caranguejos enormes, apetitosos. Hoje não se pode mais fazer isso em mesas de bares. Até porque o preço está nas alturas. No máximo, pedimos uns seis e nos damos por satisfeitos.
Mas confesso aqui minha preocupação com o fato. A espécie, segundo os especialistas, leva de sete a oito anos para chegar à fase adulta. Por isso não se recomenda capturá-la com carapaça abaixo dos sete centímetros. E quase ninguém atenta para isso. Estão capturando – e consumindo - o animal com tamanho abaixo do recomendado. Sem falar que ainda tem muita gente achando que comer a fêmea é algo que satisfaz ainda mais o paladar. A fêmea, é claro, do caranguejo. Como é que pode?
Tudo bem que na região Nordeste o caranguejo-uçá seja um importante recurso pesqueiro, com elevado valor sócio-econômico, gerando emprego e renda para milhares de famílias que habitam zonas litorâneas, mas até essa condição precisa ser revista. Até porque a própria atividade pode entrar em colapso num curto espaço de tempo. Atentem bem. Ou a gente se preocupa com essa questão agora, ou num futuro bem próximo comer caranguejo num barzinho de Aracaju será apenas coisa do passado que acabou virando assunto saudoso numa roda de conversa qualquer. Ainda bem que a cerveja gelada não corre o risco de extinção.

Gilson Sousa(Força da Palavra) - Em: 30/10/2010

Nenhum comentário:

TODAS AS NOTÍCIAS