15 de out de 2010

A arte que une gerações

Há quase cinco décadas uma família se reúne em frente a residência para fabricar esteiras, uma arte encontrada em um pequeno povoado do município de Pirambu
É na casa da dona Geralda que a família mantem a tradição (Fotos: Portal Infonet)
Há cerca de 8 km do município de Pirambu, as margens da estrada que dá acesso ao município de Japaratuba, mora uma família que transmite um verdadeiro legado de geração a geração. Aos 59 anos, a dona de casa Maria Geralda Santos, se orgulha de ter criado 16 filhos com muito trabalho. Nas palavras de Geralda ‘Sou o homem e a mulher da casa’, não resta dúvida de que essa artesã é quem manda na residência.
A equipe do Portal Infonet encontrou Geralda, como prefere ser chamada, se preparando para mais um dia de trabalho, uma rotina que começa logo nas primeiras horas da manhã e só acaba no final do dia. É na varanda da casa azul que Geralda mostra a sua verdadeira arte. A tecelagem de esteiras, além de terapia é fonte de renda para a família numerosa, composta de filhos, netos, noras e genros.
Dona Geralda trabalha com disposição e bom humor
Sorridente, falante e orgulhosa do trabalho, a artesã conta que fabricar esteiras não é uma arte fácil, começa com a escolha da palha que pode ser encontrada na beira de marés e rios, geralmente distantes da residência. “Para escolher a palha às vezes caminho mais de uma hora, o trabalho é duro, mas compensa porque é um meio de ganhar um dinheiro”, conta a artesã que luta para se aposentar.
Geralda Santos conta que frequentemente pega uma canoa e percorre vários quilômetros até outros municípios para procurar a palha conhecida como junco ou piripiri. “Após pegar o piripiri levamos para casa onde começa o processo de secagem”, detalha a artesã. Para secar completamente o piripiri são cerca de quatro dias no sol, um processo artesanal que dura pelo menos uma semana até a primeira
Ana Claúdia trabalha e cuida da pequena Fernanda de quatro meses
esteira ficar pronta.

“Depois de secar completamente, começa o trabalho de tecer a esteira, isso dura umas duas horas. Após tecer a gente volta a molhar novamente e espera secar por completo”, fala.
Geração unida
A mãe de 16 filhos e vários netos conta com a união da família para continuar o trabalho. Ao lado da netinha Fernanda de apenas quatro meses que descansa embalada com o som da tecelagem da esteira, Geralda lembra que o marido que atualmente mora em assentamento sem terra está longe. “Sou o homem e a mulher da casa, por isso, tenho que orientar todo mundo, todos têm que está unidos, principalmente porque moram juntos noras, genros e filhos”, diz.
A tecelagem faz parte da rotina da família
A nora fala do prazer de contribuir com a arte da família que se tornou um ganha pão. “Meu marido se vira como pode, trabalhando na roça, por isso, ajudo com esse trabalho, afinal agora temos a nossa filha”, fala Ana Claúdia Barbosa.
Encomendas
Para quem desejar encomendar as esteiras, dona Geralda dá uma dica e diz que o artesanato pode ser usado como encosto de cadeiras para varadas das casas, para levar a praia e ainda como tapete. “Nós vendemos por encomenda, quando alguém passa na porta de casa e compra uma vendemos a R$ 8, mas quando encomenda umas 10 dá para fazer até de R$ 6”, ressalta a artesão que trabalha em uma encomenda de esteiras
Uma arte que será ensinada para a nova geração 
para serem vendidas para turistas do Ceará.
Geralda lembra que as encomendas são feitas pessoalmente, por isso, se você ficou interessado poderá fazer uma visita à residência dessa bem humorada pirambuense.  
Por Kátia Susanna (Infonet)

Nenhum comentário:

TODAS AS NOTÍCIAS