22 de set de 2009

FIQUE DE OLHO: “Pe Geraldo foi contratado para tirar os pecados do governo Déda”

Ex-prefeito de Japaratuba irá ganhar um salário de mais de R$ 6 mil reais para não fazer nada
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br


Para quem ainda tinha dúvida sobre o tipo de político que é o ex-prefeito de Japaratuba, o belga Gerard Lothaire Julles Olivier, o Padre Geraldo (PT), a sua nomeação para um cargo no governo do “menino traquino” Marcelo Déda (PT) caiu como uma luva. Segundo o deputado estadual Augusto Bezerra, o homem que pilotou a prefeitura da terra de Arthur Bispo do Rosário vai ganhar a bagatela de mais de R$ 6 mil reais para não fazer absolutamente nada. O deputado Venâncio Fonseca, em tom irônico, disse que “o padre Geraldo foi contratado para tirar os pecados do governo”. É só o começo do Metrô da Alegria, que irá contratar mais de 3 mil cabos eleitorais, um dos maiores escândalos da História política de Sergipe, no Brasil. Os apressadinhos vão nos dizer “há, mais todos fizeram isso”. Adianto dizendo que sempre condenamos esta prática imoral, praticada pelos governos que acompanhei: João Alves, Valadares e Albano Franco, que juntos totalizaram 24 anos de massacre ao povo sergipano. Sempre advogamos a idéia contra este que é considerado pelos homens de bem como um “assalto aos cofres públicos”.

Na sua trajetória, cuja marca foi fundamental para lhe conduzir ao palácio Adélia Franco, Déda Chagas sempre combateu este tipo de prática indecorosa, imoral, um tapa na cara do povo sergipano. O padre Gerard sempre combateu isso, mas sua administração, considerada uma tragédia, pelos resultados que apresentou (ou deixou de apresentar), provaram o contrário daquilo que sempre pregou. Para quem o ainda o classificava como um político ético, cai por terra esta, recomendamos a refazer este entendimento.

Ninguém, absolutamente ninguém, tem moral para defender a idoneidade do santo, digo, do ex-prefeito padre Geraldo, que é mais um político aposentado pelo povo de Japaratuba, que ao não eleger Hélio Sobral para a prefeitura de Japaratuba, não o fez por mérito da vencedora Lara Moura, hoje assim como o padre, aliada de Déda, ou por deméritos do então vice-prefeito, o fez por reprovar o ‘modus operandi’ da desastrosa administração do santo padre, digo, do ex-prefeito de triste memória.

:: Escândalo das cestas básicas

Está para estourar um escândalo das maiores proporções em uma cidade de Sergipe. Depois de suspensa na gestão de uma ex-secretária, por contingência de recursos e para revisão do programa, a distribuição de cestas básicas retornarão e de forma ampliada. Seria uma medida paliativa, compensatória que merecia nossos aplausos se na forma de distribuição não envolvesse a famosa troca de favores. Através desta, cada vereador aliado será o responsável pela quota de 20 cestas, que se confirmada, constitui-se em um escândalo que pode levar instituições policiais e judiciárias a agir em defesa da ética, da moralidade, do ajustamento do uso coerente de recursos que pertencem ao povo sergipano. Estamos de olho!

:: Zé Dirceu em Sergipe

Seria cômico se não fosse trágico. O ex-ministro, ex-deputado, ex-presidente do PT Zé Dirceu, o homem que operou o Mensalão, maior escândalo de corrupção neste país veio em 2008 a Sergipe e naquela ocasião os capas pretos do PT em Sergipe se esquivaram como o diabo foge da cruz para não recebê-lo, pois não cairia bem para ‘os homens de bem’ receber um político manchado pelas marcas da roubalheira. Não é que na última segunda-feira, Dirceu retornou a Sergipe para orientar a militância política a eleger Sílvio Santos e Zé Eduardo respectivamente presidentes estadual e nacional do PT? Além disso Zé disse que o nome de Déda poderia compor como candidato a vice a chapa de Dilma Roussef para disputar a presidência da República. Aí a tragédia seria uma contribuição de Sergipe para o Brasil. Pela forma como se relaciona com a sociedade sergipana em geral e a classe trabalhadora em particular, Déda é considerado a maior tragédia, a maior decepção, frustração, inimigo número 1 dos trabalhadores sergipanos. Ninguém merece!

:: Dois palanques

As eleições 2010 reservam para o município de Japaratuba situações inusitadas. O governador Marcelo Déda irá a cidade para subir em dois palanques: em um deles, o preferido de Déda, ele esbravejará ao lado de André Moura, seu pré-candidato preferencial a deputado federal, da prefeita Lara Moura, do vice-prefeito Pedro Moura, do presidente da Câmara de Vereadores Pedro da Cultura e aliados do grupo comandado pelos mouras. No segundo palanque, Déda falará como um petista puro, como o arauto da mudança ao lado do ex-prefeito e seu aspone Pe Gerard Lothaire Julles Olivier, do ex-prefeito Hélio Sobral, da deputada estadual e atual secretária da inclusão social Conceição Vieira, e daqueles que ainda não aderiram ao grupo Moura no município. Será que a deputada estadual Ana Lúcia subirá no mesmo palanque de Conceição ou montará um palanque alternativo?

:: Contas do padre não foram votadas

Enviadas pelo Tribunal de Contas do Estado, parte das contas da administração do ex-prefeito Pe Gerard Olivier não foram colocadas em pauta para votação pelo presidente da Câmara de Vereadores Pedro da Cultura. Caso estas não sejam votadas neste ano, serão devolvidas para serem reapresentadas mais na frente. É uma estratégia de garantir os mandatos dos vereadores Ronaldo da Sapucaia (PSB) e Valdemiro de Jesus (PT), eleitos pelo grupo do padre, mas totalmente integrados ao projeto da prefeita Lara Moura. Entendemos a questão da seguinte forma: como ex-aliados, as contas do padre incluem como parte do projeto o ex-secretário Ronaldo da Sapucaia e o ex-fornecedor Valdemiro de Jesus, é dado como certo os votos favoráveis dos dois vereadores. Mais na frente, estes poderão reprovar as contas e, solicitados seus mandatos por infidelidade, a justiça não teria tempo hábil para cassá-los em função da tramitação que garantia a conclusão dos seus mandatos. Mas como não haverá janela, tanto Ronaldo como Valdemiro só poderão disputar novos mandatos pelos seus atuais partidos. E assim eles terão que dar adeus a Câmara Municipal em 31 de dezembro de 2012.

:: Fidelidade Verde

O Partido Verde elegeu na última eleição 17 vereadores e um vice-prefeito. O partido está presente em praticamente todos os municípios sergipanos. A renovação de seus diretórios obedecerá à estrita fidelidade dos seus integrantes. A Executiva Estadual entende que não dá para permanecer no PV dirigentes, lideranças que não votem nos possíveis candidatos do partido. Os aliados nos vários municípios terão que entender que as alianças com o PV elas são pontuais, locais, municipais, portanto não podem, nem deve cobrar que os verdes participantes de suas administrações votem nos candidatos que lhes apetecem. Está dado o recado!

:: Conceição prefeita?

Na cidade há um boato (e sendo boato, não podemos atribuir credibilidade) de que a deputada estadual Conceição Vieira (PT) estaria pensando em candidar-se a prefeitura de Pirambu. Enfrentaria o já declarado pré-candidato da família Moura, o empresário Elinho Martins (DEM). Como entra a última e a próxima eleição municipal temos uma eleição estadual, o atual prefeito ainda tem 3 anos e três meses de mandato, é melhor aguardar os acontecimentos.

:: Frase da Semana:

“Nada mais parecido com um João, que um Déda no poder” (Claudomir Tavares)

Nenhum comentário:

TODAS AS NOTÍCIAS