15 de jan de 2010

JACARECICA: HISTÓRIA DE UM POVO

Importância Histórico-Cultural da sub-bacia do Rio Jacarecica
Por Claudomir Tavares | claudomir@infonet.com.br

“O espaço onde se constrói uma cidade nos convida para o reconhecimento de um espectro infinito de determinações/relações. É nesse plano intrincado que homens, mulheres, crianças, velhos e velhas estabelecem, projetam, realizam suas vidas”.
(Antônio Torres Montenegro)

I - Garimpando Respostas

A História das sociedades humanas, até hoje, gira em torno das perguntas que conseguimos formular, mas é movida, principalmente, pelas respostas que conseguimos encontrar a estas indagações. A ciência, por sua vez, teima em se mostrar dinâmica, introduzindo novos elementos a estas descobertas, constituindo-se numa simbiose perfeita, o que torna esta relação contínua fantástica.

É nesta perspectiva que vamos “garimpar”, ao encontro de respostas para uma série de indagações sobre a História de Vida dos povos que vivem no raio geográfico da sub-bacia hidrográfica do rio Jacarecica, afluente direito do rio Sergipe, importante porção desta que é uma das seis bacias hidrográficas atribuídas ao nosso Estado.

Qual a relação entre povo e o rio, entre homem e natureza, nos seus aspectos históricos, culturais, econômicos e sociais? Não teremos a pretensão de responder através de pesquisa de campo, a todas as indagações, mas, a partir de um recorte histórico e dentro de uma espacialidade, contemplar o mínimo de questionamentos que possibilitem saber de onde viemos, através do que fizeram aquela gente, para a partir daí ter um entendimento da real situação daquela sociedade na contemporaneidade.

II – O caminho das ‘minas’

Nosso trabalho será construído a partir da realização de pesquisa de campo, privilegiando a história oral, que deve “obedecer a um sentido prático, utilitário, e dialogar com a comunidade pública” (MEIHY, 1996).

Indispensável dizer que esta opção será alicerçada na pesquisa bibliográfica, levantada em arquivos, memoriais, bibliotecas, associando-se as novas ferramentas, tais como internet. O primeiro passo será levantar em nosso acervo tais informações preliminares, fazendo assim a revisão bibliográfica que nos dê as condicionantes para chegar ao ‘caminho das minas’.

A partir do que iremos propor em nosso Projeto de Pesquisa, iremos delimitar o tempo e espaço, em que será fixada a área, que pode ser a totalidade da sub-bacia (que contempla os municípios de Ribeirópolis, onde está à nascente na comunidade Terra Dura, até Riachuelo, onde o rio Jacarecica, principal drenagem e que denomina a sub-bacia, deságua no rio Sergipe), e o recorte histórico, que nos posicione diante do objeto de estudo.

III – ‘Bebendo’ das águas e das narrativas do povo Jacarecica

Vive nos seis municípios da sub-bacia do rio Jacarecica 137.368 habitantes, sendo 87.515 na zona urbana e 49.853 na zona rural, numa densidade demográfica de 103,1 hab/km². Este contingente populacional está localizado em uma área de 1.006,9 km² (BOMFIM, 2002).

É percorrendo as lembranças de parte destas pessoas (camponeses, pescadores, fazendeiros, etc.), cominados com o aferimento nas fontes bibliográficas, que pretendemos conhecer uma outra visão sobre os elementos histórico-culturais da sub-bacia do rio Japaratuba, notadamente naquilo que pretendemos nos debruçar, conhecendo uma outra maneira de ‘construir’ a história. (MONTENEGRO, 1994).

As fontes, bem como as referências bibliográficas, parte delas já elencadas nas fontes que subsidiaram este texto e que constituirão o referencial teórico e aos propósitos para chegarmos às novas informações, está em processo de construção: alguns textos podem ser remanejados, redistribuídos quando fizermos a classificação dos mesmos junto ao professor orientador. É, portanto, uma bibliografia que diz respeito à construção do Projeto de Pesquisa e sua aplicação inicial. Poderá ser ou não usada, no desenvolvimento da pesquisa, mas com certeza ela será acrescentada

Entender o que une o povo que está na área geográfica da sub-bacia do Rio Jacarecica, suas particularidades, suas manifestações, suas aspirações e sonhos, será nosso Norte. Percebe-se o quão ambicioso, no sentido da grandiosidade dos objetivos, é nosso propósito, o que nos dará vazão a, possivelmente, atingir o que pretendemos neste caminho a ser trilhado.

Nesta perspectiva, pretendemos ainda encontrar nas narrativas respostas a este estudo pessoal (mas não de domínio exclusivo), uma descoberta, ou dar enfoque contrário ao já conhecido, oferecendo possíveis soluções para questões controvertidas. Além disso, é nossa intenção levar ao conhecimento do público intelectual ou especializado no assunto, idéias novas, para sondagens de opiniões ou atualização de informes e por último (não necessariamente nesta ordem) abordar aspectos secundários, levantados em pesquisas, podendo (ou não) ser utilizadas nas mesmas.

IV – Nosso Norte

Concluído este trabalho, acreditamos ter dado nossa pequena (dentro de um grande universo) contribuição ao estudo da vida dos povos do Jacarecica, acrescentando um conjunto de informações a já farta produção científica que tem como objeto este importante afluente que leva suas águas a calha do rio Sergipe. Insere-se dentro de um leque de artigos que comporá uma publicação onde estará reunido o resultado da pesquisa resultante de exaustivas investigações de algo em torno de 40 pesquisadores.

Ao longo da realização da pesquisa que resultará na construção do artigo científico, pretendemos publicar os resultados obtidos, preservando as informações que possam comprometer o caráter de ineditismo da mesma. Para dar maior consistência a esta espécie de “prestação de contas”, disponibilizaremos estas informações em nossa página pessoal na internet (http://www.claudomir.com.br), apresentando comunicações em eventos científicos realizados em Sergipe ou em outros estados, dentro do prado e dentro da nossa disponibilidade de recursos e de agenda.

Fontes

ALVES, José do patrocínio Hora (Org.). Rio Sergipe: Importância, vulnerabilidade e preservação. Aracaju: Ós Editora, 2006
AMARAL, Lindolfo Alves do. Sergipe: História, Povo e Cultura. Aracaju: GS/SEED/Projeto Nordeste, 1998.
BARRETO, Luiz Antônio. Resgate Histórico-Cultural: Identidade do Rio Sergipe. In:
BOMFIM, Luiz Fernando Costa et alli. Projeto Cadastro da Infra-Estrutura Hídrica do Nordeste: Estado de Sergipe: Diagnósticos do Município de Areia Branca. Aracaju: CPRM, 2002.
_______________________ Projeto Cadastro da Infra-Estrutura Hídrica do Nordeste: Estado de Sergipe: Diagnósticos do Município de Itabaiana. Aracaju: CPRM, 2002.
_______________________ Projeto Cadastro da Infra-Estrutura Hídrica do Nordeste: Estado de Sergipe: Diagnósticos do Município de Malhador. Aracaju: CPRM, 2002.
_______________________ Projeto Cadastro da Infra-Estrutura Hídrica do Nordeste: Estado de Sergipe: Diagnósticos do Município de Moita Bonita. Aracaju: CPRM, 2002.
_______________________ Projeto Cadastro da Infra-Estrutura Hídrica do Nordeste: Estado de Sergipe: Diagnósticos do Município de Riachuelo. Aracaju: CPRM, 2002.
_______________________ Projeto Cadastro da Infra-Estrutura Hídrica do Nordeste: Estado de Sergipe: Diagnósticos do Município de Ribeirópolis. Aracaju: CPRM, 2002.
BRASIL. Biblioteca IBGE. Histórico: Areia Branca. Disponível em: <="" acessado="" cidadesat="" em:="" p="" perfil.php?codmun="280050&r=2." www.ibge.gov.br="" xtras="">
BRASIL. Biblioteca IBGE. Histórico: Itabaiana. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/cidadesat/xtras/perfil.php?codmun=280290&r=2. Acessado em: 07/06/2009.
BRASIL. Biblioteca IBGE. Histórico: Malhador. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/cidadesat/xtras/perfil.php?codmun=280390&r=2. Acessado em: 07/06/2009.
BRASIL. Biblioteca IBGE. Histórico: Moita Bonita. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/cidadesat/xtras/perfil.php?codmun=280410&r=2. Acessado em: 07/06/2009.
BRASIL. Biblioteca IBGE. Histórico: Riachuelo. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/cidadesat/xtras/perfil.php?codmun=280590&r=2. Acessado em: 07/06/2009.
BRASIL. Biblioteca IBGE. Histórico: Ribeirópolis. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/cidadesat/xtras/perfil.php?codmun=280600&r=2. Acessado em: 07/06/2009.
FIGUEIREDO, Ariosvaldo. História de Malhador. 1979.
FONTES, Aracy Lousano. Agricultura e Meio Ambiente na sub-Bacia do Rio Jacarecica: monografia. São Cristóvão: UFS, s/d.
FREIRE, Felisbelo. História de Sergipe. 2. ed. Petrópolis: Editora Vozes/Governo de Sergipe, 1977
________________ História Territorial do Brasil: Bahia, Sergipe e Espírito Santo. Vol. 1. Salvador: Secretaria da Cultura e do Turismo/IHGB, 1978.
NUNES, Maria Thetis. História de Sergipe a partir de 1820. Rio de Janeiro: Editora Cátedra/INL, 1978.
__________________. Sergipe Colonial II. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2000.
SANTOS, Luiz Álvares de. Viagem Imperial a Província de Sergipe. 2. Ed. Revisada e Anotada (Introdução e notas de Luiz Antônio Barreto). Aracaju: Degrase, 2005. (No Prelo).
SERGIPE. Secretaria de Estado do Planejamento, Tecnologia e da Ciência e Tecnologia – SPLANTEC/Superintendência Estadual de Pesquisas – SUPES. Perfis Municipais: Areia Branca. Aracaju, 1997.
______________________ Perfis Municipais: Itabaiana. Aracaju, 1997.
______________________ Perfis Municipais: Malhador. Aracaju, 1997.
______________________ Perfis Municipais: Moita Bonita. Aracaju, 1997.
______________________ Perfis Municipais: Riachuelo. Aracaju, 1997.
______________________ Perfis Municipais: Ribeirópolis. Aracaju, 1997.
SERGIPE. Secretaria de Estado do Planejamento, Tecnologia e da Ciência e Tecnologia – SEPLANTEC/Superintendência de Recursos Hídricos – SRH. Gestão participativa das águas do rio Sergipe. Aracaju, 2002. pp47-56.
SANTOS, José Gilson dos. Saco do Ribeiro (Ribeirópolis): Pedaços de sua História. Recife: Bompreço Indústrias Gráficas, 1987.
SANTOS, Lenalda Andrade & OLIVA, Terezinha Alves de. Para Conhecer a História de Sergipe. Aracaju: Opção Gráfica, 1998.
SILVA, Claudomir Tavares da. A importância sócio-cultural do Rio Japaratuba. Tribuna da Praia, 2003. Disponível em: <="" 2003="" acessado="" arquivo="" em:="" noticias="" p="">
__________________________ Japaratuba: a agonia de um rio. Pirambu: Tribuna da Praia, 2003. Disponível em: <="" 2003="" acessado="" arquivo="" em:="" noticias="" p="">
__________________________ Japaratuba: um rio na ordem do dia. Pirambu: Tribuna da Praia, 2003. Disponível em: <="" 2003="" acessado="" arquivo="" em:="" noticias="" p="">
__________________________ Rápido Histórico da Pesca em Pirambu. Pirambu: Tribuna da Praia, 2003. Disponível em: <="" 2009="" acessado="" em:="" p="" painel.html.="" tribunadapraiaonline.blogspot.com="">
SILVA, Gicélia Mendes da. O Camponês Pescador. In: SANTOS, Lourival Santana et alli. Camponeses em Sergipe: estratégias de reprodução. Aracaju: NPGEO/UFS, 1996. pp. 145-159.
WYNNE, Pires. História de Sergipe (1975-1930). Rio de Janeiro (GB): Pongetti, 1970.
____________ História de Sergipe (1930-1972). Vol. II. Rio de Janeiro (GB): Pongetti, 1977.

Referências Bibliográficas

BOHAN, Huges de Varine. O Tempo Social. Rio de Janeiro: Eça Editora, 1987.
HORTA, Maria de Lourdes Parreiras et alli. Guia Básico de Educação Patrimonial. Brasília: IPHAN, 1999.
LEMOS, Carlos A. C. O que é Patrimônio Histórico. São Paulo: Brasiliense, 1982.
MEIHY, Carlos S. Bom. Manual de História Oral. São Paulo: Edições Loyola, 1996.
MONTENEGRO, Antônio Torres. História oral e memória: a cultura popular revisitada. 3. ed. São Paulo: Contexto, 1994. (Série: Caminhos da História)
ORTIZ, Renato. Cultura Brasileira e Identidade Nacional. São Paulo: Brasiliense, 1988.
PRESTES, Maria Luci de Mesquita. A pesquisa e a construção do conhecimento científico: do planejamento aos textos, da escola à academia. 2. ed. São Paulo: Rêspel, 2003. p. 35, 248-254.
SANTOS, Milton. A natureza do espaço habitado. São Paulo: HUCITEC, 1996.
_______________ Espaço e sociedade. Petrópolis: Vozes, 1979.
_______________ Metamorfoses do espaço habitado. São Paulo: HICITEC, 1988.
THOMPSON, E. Paul. A Voz do Passado: História Oral. 2. ed. (Tradução de Lélio Lourenço de Oliveira). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

Nenhum comentário:

TODAS AS NOTÍCIAS