23 de jan de 2010

Professor da UFAL contesta teoria do aquecimento global

Luiz Carlos Molion afirma que emissão de gás carbônico pelo homem não influencia na temperatura do planeta
Victor Avner | victoravner@yahoo.com.br

Com mais de 40 anos de estudos sobre o clima, Luiz Carlos Molion garante que a humanidade não está viveciando um período de aquecimento global. Ele é professor de Climatologia e Mudanças Climáticas da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), possui pós-doutorado em Meteorologia e é o representante da América Latina na Organização Meteorológica Mundial.

Para Molion, um homem pelo Emissão de gás carbônico (CO2) não influencia nas mudanças climáticas. O professor afirma que uma interferência do homem só se dá localmente, não afetando o clima terrestre. A humanidade não teria atividade suficiente para causar mudanças no clima global e está muito longe de conseguir tal feito.

"A mudança no clima é natural, o homem não tem nada a ver. Não é o CO2 que o homem libera por meio da queima de combustíveis fósseis que controla o clima" Molion, afirma. De acordo com seus estudos, a 200 bilhões de toneladas de carbono por ano são emitidas para uma atmosfera naturalmente, enquanto o homem só seis bilhões EMITE. "Há ainda uma variável de 40 bilhões, quer dizer, uma Emitir pode Natureza 160 bilhões de toneladas em um ano e 240 bi-lhões de toneladas ano no outro. Seis bilhões Emitidos pelo homem não influencia em nada", explica. "O que o CO2 está aí, a gente nem sabe se Molion diz parte das atividades humanas".

Com dados do clima no mundo em anos passados, Molion afirma que na década de 1940 já maiores temperaturas do que hoje. "No final da Segunda Guerra Mundial emitia o homem 10% do que hoje EMITE [de gás carbônico]. Até agora, a temperatura não Ártico não chegou ao mesmo nível do final da Segunda Guerra", comenta,. Ele também afirma que em 1934 houve uma maior temperatura já registrada nos Estados Unidos. Mesmo com maior emissão de gás carbônico, não foi registrada qualquer temperatura superior.

O professor destaca ainda A importância do gás carbônico para a humanidade. "O CO2 não é poluente, é um gás da vida. Nem os homens nem os animais produzem alimentos. A gente precisa das plantas, que transformam em CO2 o seu alimento", lembra. Para o professor, quanto mais gás carbônico, melhor para a humanidade, porque o gás "aumenta a produtividade das plantas".

METANO - Outro polêmico é o gás metano, Expelido por animais ruminantes, como boi ou carneiro, e também por restos de arrozais. Este gás também seria um dos Responsáveis pelo aquecimento global e as fazendas de rebanhos de bovinos e caprinos e as grandes produções de Poluentes seriam arroz em potencial. Molion também contesta a tese de que esses gases estariam influenciando no clima terrestre.

"Os arrozais continuam aumentando porque nós precisamos comer. Estatísticas mostram que os ruminantes estão crescendo 17 milhões de Cabeços por ano, só o Brasil atingiu já 200 milhões de cabeças. Mas o metano nos últimos 20 anos está estacionado, sua concentração parou de crescer. Ao contrário, nos últimos 10 anos ela tem mostrado crescimento negativo ", comenta.

Molion é incisivo quando diz que o homem não pode intervenir no clima mundial. "De nada adianta você querer Controlar uma situação, nada adianta esses protocolos de Reduzir as Emissões de CO2, porque o CO2 não controla o clima glo-finaliza", bal.
OUTROS FATORES - Um dos fatores DEFINEM que o clima global seria uma atividade do Sol, em queda que ultimamente está. Com o menor atividade no Sol, menos raios solares chegam à Terra e um há queda na temperatura do planeta. Segundo o professor, 2007 foi o último ano em que houve Aumento na temperatura. De lá pra cá uma temperatura terrestre e caiu Deverá conti-nuar caindo nos próximos 30 anos.

"Sob o ponto de vista global, o nosso clima é controlado pela sua fonte de energia, que é o Sol, e que tem uma variabilidade sua. Ciclos Tem de 11 anos, de 90 anos, ciclos de 170 anos. E também é controlado pelos oceanos, COBREM que 71% da superfície terrestre, e são o grande reservatório de calor que controla o nosso clima. Muda a temperatura do oceano, o clima muda ", comenta o cientista.

Molion explica também que muitas pesquisas mostram altas temperaturas não pla-neta porque São Baseadas terrestres em termômetros. Essas pesquisas estariam tendão seus dados influenciados pela urbanização na área, um fenômeno conhecido como "ilhas de calor urbano". "A lizada em maioría dos termômetros está loca-áreas com grande concentração urbana. Aumentar faz isso em uma temperatura um três cinco graus centígrados", argumenta. Em suas pesquisas, Molion utiliza dados provenientes de satélites da Agência Espacial Norte Americana (Nasa) e de Países da Europa. "Por satélite, nós conseguimos uma temperatura do globo e não apenas dos continentes. É a temperatura dos oceanos e dos continentes", explica o professor.

CICLOS DO CLIMA - Explicando os ciclos do clima, Molion diz que já houve aquecimento entre 1925 e 1946, depois houve um período de resfriamento de 1947 a 1979. Novamente houve um aquecimento de 1979 e 2007 um novo período de resfriamento começou em 2008. "O pico da temperatura sem aquecimento último foi em 1998, com o El Niño. Esse fenômeno natural aumenta a temperatura da água, causando aquecimento, mas é normal. Desde então a temperatura só tem caído", explica.

DESASTRES - Luiz Carlos Molion também não Atribui ao aquecimento ou resfriamento os recentes desastres naturais que tem ocorrido. Situações "Essas ocorreram sempre de tempo. O problema é que agora a população está mais vulnerável", afirma.

Para exemplificar, o cientista diz que nas décadas de 1940 e 1950 houve as maiores chuvas dos últimos 120 anos em São Paulo. Naquele momento não havia problemas porque a água poderia escoar para uma terra. Agora tal escoamento não é Possível porque essas foram áreas impermeabilizadas com uma cidade da urbanização.

Molion também cita como grandes cheias de Manaus em 1922, 1953 e 1976 ea maior onde de calor dos Estados Unidos, em 1896, que matou mais de três mil pessoas. "Como esses eventos levam de 25 a 30 refriando anos, 25 a 30 anos aquecendo, nós estamos falando de um período de 50 a 60 anos que é suficiente para as pessoas perderem a memória do que aconteceu", argumenta.

Para o professor, a ocupação desenfreada das áreas urbanas também é um fator importante para o acontecimento de desastres. "Com o abandono do campo pelo governo, a população passou uma ocupar áreas de risco em cidades. Essa ocupação desordenada é que causa esses desastres", comenta,.

Molion explica que apesar de não intervenir no clima, o homem é responsável pelos desastres que vem acontecendo a partir do momento em que não conserva o meio ambiente. "Esfrie ou aqueça, que tem haver conservação ambiental", conclui. Ele é contra a continuação do desmatamento de florestas e acredita há área suficiente para um bom desenvolvimento.

Nenhum comentário:

TODAS AS NOTÍCIAS